VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
NICOLAU LOBATO
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

Espelho da Realidade
A Esperança Nunca Morre
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
UKUN HAMUTUK?
Sorumutu "Meja Bo'ot" nakonu ho "bua-malus". Sei lo'ok ba malu hela hodi mama hamutuk.
Fretilin
Fretilin - CNRT
Fretilin - PLP
Fretilin - PD
Fretilin - KHUNTO

 
 
   

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Futebol pode ajudar relação Portugal – Timor

Por José Manuel Delgado

Dili – Timor não se explica, vê-se. Quem ficar à espera de perceber uma realidade assente, sobretudo, numa mentalidade muito especial, com uma forte componente deixada por cinco séculos de contacto com Portugal, pode esperar sentado, porque nunca chegará a conclusão válida.

Timor e Portugal têm uma relação especial que perdurará pelo menos enquanto a liderança local for esta, com ligações culturais e afectivas ao nosso País. Porém, são muitos os perigos que ameaçam a continuação da influência cultura de Portugal por estas paragens: desde logo os australianos, que procuram afirmar-se como principal potência regional e pretendem impor a língua como ponta-de-lança de voos mais largos; e a seguir os indonésios, que contam com um aliado terrível, a televisão.
-
Em Timor-Leste proliferam as antenas parabólicas, apontadas ao céu com muito menos inclinação que em Portugal, ou não estivessem no equador, que captam as emissões indonésias.

«Temos cá 130 professores portugueses» disse um destes dias o embaixador de Portugal, «que estão a dar formação em língua portuguesa aos colegas timorenses mas nem assim podemos combater o facto de cada timorense ver quatro telenovelas indonésias por dia».

Neste país de surpresas, não importa se rica se pobre, em madeira ou cimento, quase todas as casas têm parabólica. Ou seja, o maior perigo para a língua portuguesa vem dos céus. Como combater, então, uma previsível perda de influência? A resposta é fácil; através da linguagem internacional do desporto, de intercâmbios que devem ser feitos, de visitas de craques portugueses. Há uma nova geração em Timor que precisa de encontrar uma causa. Que seja, então, uma boa causa. E não me ocorre, neste contexto, nenhuma melhor do que a do Desporto.

Nota: Transcrição do artigo editado na terça-feira, 18 Maio 2010, pág 02, Rubrica EU – Hoje Jogo do jornal A BOLA, edição em papel.

Outro artigo ligado ao Futebol: Alfredo Esteves: "Futebol português ajudou-nos a resistir à ocupação indonésia"

FH

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.