VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Congresso  Nacional de Recontrucão de Timor-Leste Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente Partido Democratico Frenti-Mudança FM Partido Socialista Timor Partido do Desenvolvimento Nacional Associação Social-Democrata Timorense União Nacional Democrática de Resistência Timorense União Democrática Timorense Partidu Republikanu Partido Libertasaun Povu 

Aileba Partido Democrática Republica de 

Timor Associação Popular Monarquia Timorense Partido Unidade Nacional Partido Milénio Democrático Klibur Oan Timor Asuwain Aliança Democrática Partido Timorense Democrático Partidu Democrática Liberal Partido do Desenvolvimento Popular Partido Democrata Cristão
"Hau sei PM nafatin". «Hau sei remodela governu no prepara kondisaun ba lideransa jerasaun foun iha periudu transicao politica».
H
O
M
E
Lansamentu produtos foun BNCTL nian ba publiku
Boosting farm-level disaster resilience in TL
Empowering ahead the women of East Timor
Timor-Leste seeks SPC membership
Um consórcio petrolífero que atenue a hegemonia australiana
Teacher brings Timor tale to life
   Seminariu Nasional ho Dr. Ramos Horta
Harii Estadu no Nasaun Timor-Leste: Progresu, Dezafiu no Oportunidade
Rajiv Biswas Over-reliance on oil and gas threatens East Timor's economy
"Surat Buat Wakil Rakyat" Lagu Iwan Fals populer di Timor Leste

sexta-feira, 22 de Agosto de 2014

DEKLARASAUN POLITIKA

-->
DEKLARASAUN POLITIKA
BANKADA PARTIDU DEMOKRATIKU IHA PARLAMENTU NASIONAL RELASIONA HO KOMEMORASAUN ANIVERSARIU FALINTIL BA DA-XXXIX


Excelentísmo Sr. Prezidente do Parlamentu Nasional, Vise Prezidente sira
Maluk Deputado sira no Povu Timor-Leste tomak, mak ami hadomi.

“Kaer Metin Ukun Rasik An, no Harii Nasaun Hosi Baze”

Povu ida neon boot mak povu nebe hatene onra ninia istoria no la haluha ninia aswa’in sira. Horiseik, loron 20 fulan Agosto, ba da-tolunuk  resin sia (39º), ita komemora loron FALINTIL nian, loron ida importante tebes hodi fo onra no omenajen ba ita nia aswa’in sira nebe fo nia-aan ho nia moris tomak ba libertasaun Rai Timor-Leste.

Komemorasaun dala ida ne’e ho tema: “Sob a luta enérgica das FALINTIL Timor-Leste tornará possível o impossível”. Tema ida ne’e reflekta loloos luta frente armada iha periudu sira difisil tebes, la hetan tulun militar ruma husi rai seluk, no hasoru terus ho susar oioin, maibe ho disiplina, determinasaun no abnegasaun total, FALINTIL konsegue lidera rezistensia popular ida hodi lori Timor-Leste ba ukun-rasik-aan.  Rezistensia popular ne’e hatudu katak ukun-an nebe Timor-Leste hetan ho terus no sakrifisiu oioin nudar obra kolektivu ida nian, obra timor oan tomak nian. Ida ne’e sai hanesan orguilu nasional ida tanba ukun-an ne’e hetan husi luta naruk no todan ida nebe timor oan tomak tuir partisipa iha luta ne’e.

Excelencias,

Ohin loron ita hetan ona ita nia libertasaun, ita nia rain sei hasoru susar oioin. Veteranus barak sei moris susar, maibe sira kontinua halo buat ida impossivel sai possivel, nebe veteraus funu na’in liman kro’at husi rai liur barak la konsegue halo.  Sira tulun mantein paz, seguransa, estabilidade no hatudu ispiritu toleransia ida aas tebes, tanba sira konsiente katak demokrasia ho dezenvolvimentu nebe iha tinan barak ita buka atu hetan so bele harii iha situasaun sira hanesan ne’e nia laran. Ita nia veteranus FALINTIL sira hatene oin-sa fo izemplo diak ba timor oan tomak no liliu ba jerasaun foun sira, oinsa hatur uluk interese nasional iha oin duke interese sira seluk. Ita hein ita nia veteranus FALINTIL sira kontinua mantein sira nia postura exemplar ne’e hodi bele sai referensia ba jerasaun foun sira oinsa atu dezenvolve rai ida foin sai husi konflitu iha paz, seguransa ho estabilidade nia laran.

Excelencias sira

Ohin loron ita nia rain hetan nia libertasaun ona, maibe ita hotu konsente katak iha sei hasoru dezafius ho susar oioin. Ita nia forsa sira mos sei hasoru susar ho limitasaun oioin tantu iha nivel kuinesimentu nune’e mos iha infra-estrutura. Atu hakat liu situasaun sira ne’e mak:

1.     Estado tenki investe maka’as iha formasaun kontinuu ba membro F-FDTL sira hodi sira bele kontribui diak liu tan ba paz, seguransa ho estabilidade nasional no rejional;
2.     Mantein no estabelese relasaun ho kooperasaun ho militar sira husi rai seluk hodi bele manan esperiensia internasional hodi bele kontribui ho diak liu tan ba paz iha mundu rai-klaran nian no bele partisipa profissionalmente iha misaun sira paz nian iha rai seluk.

Ho komemorasaun tinan ida ne’e, ami apela ba membru F-FDTL sira, hodi hatudu nafatin ninia dezempeinu, dedikasaun, determinasaun no profissionalizmu hodi kontribui nafatin ba paz, demokrasia no dezenvolvimentu nasional. Ho ida ne’e hodi F-FDTL bele hetan nafatin orguilu, respeitu no admirasaun husi ita nia povu hanesan orguilu, respeitu no admirasaun nebe nebe ita nia aswa’in sira mate ona hetan husi ita nia povu.
Excelencias

F-FDTL nudar instituisaun Estado nian ida nebe manan ona nia fatin nudar instituisaun ida kredivel. Kredibilidade ida ne’e la’os hetan de’it husi istoria FALINTIL nian nebe luta ho aswa’in tebes hasoru okupasaun Timor-Leste husi rai seluk nian, maibe tanba mos sira nia profissionalizmu no imparsialidade hodi hametin liu tan ispiritu no sentimentu nasional, hodi hametin no haburas liu tan prosesu demokratiku no paz iha ita nia rain, hametin liu tan estabilidade politika no sosial hodi hamosu kondisaun estavel ida iha nebe lori Timor-Leste ba dezenvolvimentu ekonomiku ida nebe diak liu hodi lori dame ho moris diak ba timor oan hotu-hotu. Postura ida ne’e mos importante tebes hodi hametin liu tan Timor-Leste sai nudar nasaun ida nebe politikamente seberana, solidaria no tolerante, no ekonomikamente lori moris diak no sustentavel ba timor oan hotu-hotu.

Obrigado Wa’in

Dili, loron 21 fulan Agostu tinan 2014

Lurdes Bessa
Prezidenti Bancada Democratica

terça-feira, 19 de Agosto de 2014

Timor Gap - Uma Lacuna Cada Vez Maior: Chegou a Hora de Traçar a Linha

Uma Lacuna Cada Vez Maior:  
Chegou a Hora de Traçar a Linha

Agio Pereira

Nas últimas semanas, líderes de vários países, incluindo da Austrália, têm iterado e até promovido a necessidade de se recorrer ao direito internacional como garante da sensatez e da autoridade moral em situações de contenda com e entre países vizinhos. Ao fazê-lo, referem expressamente a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), no contexto de questões marítimas internacionais. Como exemplo, o ministro da Defesa australiano, David Johnston, afirmou no seu discurso "Gerindo Tensões Estratégicas", no Diálogo Shangri-La, que todas as partes devem agir com moderação, "abster-se de acções que possam incrementar tensões, esclarecer e apresentar eventuais queixas de acordo com direito internacional, incluindo a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar de 1982”. O Primeiro-Ministro Tony Abbot alertou para o mesmo numa entrevista à rádio ABC, a 03 de Junho deste ano, quando reiterou a necessidade de resolver eventuais litígios dentro dos limites do direito internacional. Mais, o Secretário de Defesa americano Chuck Hagel, na mesma reunião Shangri-La Diálogo, expressou preocupação pelo facto de os princípios fundamentais da ordem internacional estarem a ser desafiados. Esta chamada de atenção para a necessidade de respeitar o direito internacional, incluindo a CNUDM, na resolução de disputas sobre fronteiras marítimas, deveria favorecer Timor-Leste e o seu desejo de rematar o Timor Gap ao abrigo dessa mesma convenção.

O Timor Gap foi criado em 1972 através do Acordo de Fronteiras entre a Austrália e a Indonésia, e ainda hoje vigora. Naquela época, em que a fronteira marítima entre a Austrália e a Indonésia estava em fase de negociação, Timor era ocupado por Portugal e, portanto, a Austrália e a Indonésia não chegaram a um acordo para delimitar a fronteira marítima ao sul de Timor, uma vez que o território de Timor não pertencia nem à Austrália nem à Indonésia. Contudo, a Indonésia tinha (e ainda tem), território a leste e a oeste de Timor, o que originou a "lacuna" na delimitação de fronteiras marcadas por pontos no Mar de Timor conhecida como A16 (no leste) e A17 (na oeste). Apesar de a opinião mundial denuncuar a subsequente ocupação indonésia de Timor (1975-1999), a Austrália reconheceu a soberania indonésia sobre Timor para que assim pudesse "fechar" ou suprir a tal lacuna, correntemente designada de Timor Gap. A Austrália esperava simplesmente ligar a A16 e a A17 com uma linha mais ou menos recta e (erradamente) acreditava que era "legítimo" fazê-lo uma vez que, agora, Timor era território indonésio. No entanto, em meados da década de ‘70, a Indonésia estava mais atenta e esta tentativa de “limpar” e “endireitar” a fronteira através do Acordo de delimitação fronteiriça de 1972 com a Austrália saiu gorada (já que a fronteira estava mais perto da Indonésia do que da Austrália), de modo que a Austrália teve de se contentar com a repartição do petróleo nos termos do Tratado Timor Gap, de 1989. Esta zona de partilha de petróleo foi consequentemente herdada por Timor-Leste, na sequência de um tratado celebrado no primeiro dia da restauração da Independência de Timor-Leste (20 de Maio de 2002). Assim, o Timor Gap não ficou 'encerrado', porque não há uma fronteira marítima permanente na área, apenas um acordo de partilha do petróleo.

No dia 20 de Março de 2002, o Governo australiano de modo oportunista e no que poderia ser caracterizado como um acto de má-fé, retirou-se da disputa para a resolução da delimitação das fronteiras marítimas, sob juridição do Tribunal de Justiça Internacional (TJI) e do Tribunal Internacional do Direito do Mar (TIDM). Esta saída flagrante surge poucos meses antes de Timor-Leste se tornar num Estado soberano e restaurar a sua Independência (20 de Maio de 2002). A retirada da Austrália deu-se durante os meses de tensas negociações sobre o Tratado do Mar de Timor, relativo à zona marítima entre a região noroeste da Austrália e a costa sul de Timor-Leste. Foi um acto covarde. O então Governo australiano estava mais preocupado em sair a perder, quando confrontado com uma delimitação marítima face ao recém-soberano e independente Estado-Nação de Timor-Leste, do que em agir em conformidade com os actuais alertas dos seus líderes para a importância de acatar as normas de direito internacional. Apesar da influência positiva militar australiana na ajuda para restaurar a paz em Timor-Leste, tamanha demonstração de má-fé marcou o início de relações difíceis relativamente à delimitação das fronteiras marítimas entre os dois países. Influenciou igualmente as negociações posteriores relativas ao Tratado sobre Certos Arranjos Marítimos no Mar de Timor (CMATS) e ao Acordo Internacional de Unitização (AIU). Estes acordos referem-se às plataformas de gás do Sunrise e Troubadour que, colectivamente, são conhecidos como Greater Sunrise.

As dificuldades derivadas deste processo levaram à situação jurídica complexa que a Austrália enfrenta actualmente na Arbitragem Internacional relativamente ao caso de espionagem em Timor-Leste durante as referidas negociações. O caso está agora em Haia e ao abrigo das regras do Tribunal Permanente de Arbitragem (TPA). Também em Haia, o Tribunal de Justiça Internacional (TJI) está a analisar a questão da apreensão de documentos legais pertencentes a Timor-Leste, sonegados durante uma operação num escritório de advocacia em Canberra.

Ambos os processos continuam a atrair a atenção internacional, inclusive na Austrália, onde os especialistas em direito internacional convocam fóruns públicos para analisar e discutir o impacto desses mesmos processos para a Austrália, Timor-Leste e para a própria legislação internacional. A Australian National University (ANU) realizou um simpósio dedicado a estes temas; e num resumo atestado pelos mais diversos especialistas do foro jurídico, surgiram uma série de pontos importantes.

O Dr. Christopher Ward, referindo-se aos antecedentes do litígio, reconheceu que a Austrália tem "vindo de forma continuda a desviar terreno" do argumento sobre o prolongamento da plataforma continental/natural, mas "mantém o jogo de fachada do prolongamento natural". Além disso, Ward observa que, se a determinação das fronteiras marítimas fosse levada a tribunal internacional, "surgiria uma versão muito diferente daquela que é a visão do prolongamento natural". Ainda sobre as fronteiras marítimas laterais, Ward sublinha que se a A16, o ponto mais oriental da área de Timor Gap for movido "lateralmente", todo o Greater Sunrise situar-se-ia em território timorense.

A Dra. Sarah Heathcote também lança as suas reflexões no estudo "A Reivindicação de Invalidade do Tratado e sobre o CMATS", agora em análise pela equipa jurídica de Timor-Leste, Sir Elihu Lauterpacht e o Professor Vaughan Lowe QC, no caso de espionagem actualmente a ser arbitrado. Heathcote defende que cabe a Timor-Leste demonstrar que os princípios jurídicos no âmbito da Convenção de Viena sobre o Direito dos Tratados (CVDT) abrangem o direito consuetudinário ou que existem motivos, além da CVDT, para declarar a invalidade do CMATS. Timor-Leste não pode contar apenas com a CVDT para invalidar o CMATS porque à altura das alegadas actividades de espionagem não era parte da CVDT. No entanto, caso se prove que uma das disposições da CVDT seja de direito internacional consuetudinário, esta irá obrigar todos os Estados parte. Embora os argumentos disponíveis sejam escassos, uma das possíveis alegações é a fraude. Heathcote sublinha que "é difícil objectivar" se a fraude é um princípio de direito internacional, uma vez que a definição de fraude diverge consoante o país e há uma clara falta de precedentes aplicáveis no direito internacional. Por outros motivos, Heathcote também faz referência à história dos Tratados Desiguais, argumentando que a interpretação doutrinária de estilo soviético, que se concentra na perspectiva de um Estado desenvolvido retirar proveito de um Estado em desenvolvimento “se encaixa perfeitamente" na disputa entre a Austrália e Timor-Leste. No entanto, frisa que os Tratados Desiguais não constituem direito consuetudinário internacional nem sequer estão abrangidos pela CVDT. Além disso, esboça um terreno hipotético de invalidez, de tal forma que o tratado é inválido por violar regras de jus cogens (normas imperativas que servem de base ao direito internacional).

O Professor Donald Anton, na sua explanação sobre "A Natureza Mais Próxima da Arbitragem num Contexto de Disputa", entende que o CMATS poderia ser declarado nulo caso a espionagem fique demonstrada, na medida em que viola a obrigação da Austrália de agir de boa fé nos termos do CMATS, ainda que não existam tratados sobre espionagem, nem leis costumeiras internacionais que a proíbam. Citando o Caso dos Testes Nucleares (Austrália vs. França) e os casos da Plataforma Continental do Mar do Norte, Anton descreveu a noção de boa-fé como um "vasto império da lei internacional" e acrescentou que a "boa-fé sustenta a essência das negociações relacionadas com os limites do fundo marinho". A espionagem, salientou, com base em casos precedentes, "assemelha-se mais com má-fé no âmbito de relações comerciais" e "o envio de agentes para um país estrangeiro sem o consentimento desse país ofende os princípios da não-intervenção". No entanto, acrescenta que Timor-Leste tem de provar que essas actividades de espionagem ocorreram de facto.

No entanto, independentemente das querelas doutrinárias, Anton conclui que Timor-Leste, como Estado-Nação, tem o direito de dispor dos meios legais existentes e recorrer à jurisdição internacional para proteger o seu direitos e a sua soberania. Enquanto Timor-Leste continuar a agir com a devida adequação e razoabilidade, temos fortes possibilidades de vencer. É verdade que temos de provar que a actividade de espionagem ocorreu, e no mundo da arbitragem internacional, encontrar esse ‘equilíbrio de probabilidades’.

No mesmo simpósio, o Dr. Donald Roth também frisou que, dada a natureza pública das audiências do TJI, Timor-Leste está correcto em procurar a vantagem neste litígio.

Sobre a necessidade de Timor-Leste argumentar com sucesso que espionagem constitui fraude sob o CVDT, argumenta-se que tal necessidade se deve ao facto de " todos estarem a espiar todos”. Contudo, esta perspectiva pode ser enganosa. O argumento de Peter Galbraith no documentário mais recente da ABC Four Corners sobre este tema, distingue as diferentes tipologias de espionagem. Uma é gravar a conversa de alguém ou aceder a contas de internet ou conversas telefónicas. Outra tipologia, de teor mais gravoso, é entrar ilegalmente num escritório de um governo estrangeiro, instalar aparelhos de escuta, ouvir o Primeiro-Ministro e as conversas confidenciais dos seus ministros; depois, entrar novamente no mesmo local para extrair o aparelho de escuta. Este tipo de espionagem, altamente irregular, só pode ser caracterizado como uma manobra desesperada para obter vantagem comercial durante a negociação sobre os recursos naturais em causa. Nestas negociações espera-se que as partes ajam de boa fé, especialmente porque Timor-Leste não é e nunca foi inimigo da Austrália. A referência à “vantagem comercial” em detrimento da “segurança nacional” é crucial neste contexto.

Se é verdade que esta atitude desafia os princípios fundamentais do direito internacional e reflecte o temor que a ordem internacional pode ser mais fraca caso os Estados-Nação façam tudo para alimentar a sua ganância por mais território e recursos, também é verdade queTimor-Leste tem sido coerente e correcto sobre o que o recurso ao direito internacional pode efectivamente fazer para resolver tensões potencialmente destrutivas. Estas tensões, agravadas por actos de espionagem e por invasões a escritórios de advogados para sonegar informações que de outra forma não teriam acesso, servem determinados interesses económicos ao invés de protegerem a segurança nacional. Timor-Leste decidiu não politizar desnecessariamente a questão da espionagem, bem como a invasão do escritório de um dos seus advogados, o que reflecte, a vários níveis, a seriedade do Governo timorense em proteger as boas relações entre a Austrália e Timor-Leste. Foi a Austrália que divulgou o recurso a essas actividades. Timor-Leste deseja participar dos fóruns de discussão para superar o impasse sobre o Mar de Timor mas, para tal, teve de recorrer à neutralidade do direito internacional, como a arbitragem e o TJI, para prosseguir com os seus legítimos interesses.

Quanto a Timor-Leste exercer o seu direito à auto-determinação, a atitude da Austrália tem sido consistente. A Austrália apoiou a ocupação ilegal de Timor-Leste liderada pelo presidente Suharto. Durante esta ocupação de 24 anos, a Austrália beneficiou em muito com a exploração dos recursos naturais, como o gás e o petróleo, existentes no Mar de Timor.

O Tratado do Timor Gap, assinado durante a ocupação ilegal de Timor-Leste por parte da Indonésia, foi um dos actos mais venais e nocivos e demonstrou complacência face ao Presidente Suharto, fechando os olhos para as políticas assassinas implementadas pelo mesmo regime contra o povo de Timor-Leste. Tudo em prol de recursos naturais, os quais a Austrália, continente rico em petróleo, gás e minerais, não necessitava desesperadamente, contrariamente a Timor-Leste.

Este reconhecimento de jure foi injusto e feito sob o clichê da realpolitik, erradamente aplicada a Timor-Leste, e com base na premissa de que Timor-Leste nunca seria independente e que, quanto muito, poderia ter alguma espécie de autonomia dentro da Indonésia. Isto provou ser um erro de cálculo colossal justamente por subestimarem o poder do direito internacional aplicável aos territórios não autónomos.

A Austrália tentou inclusive, mas sem sucesso, remover este caso do Comité de Descolonização das Nações Unidas, do qual Timor-Leste constava. A descolonização pode significar a necessidade de ouvir a voz do povo através de um plebiscito, em que as pessoas votam de forma livre e pacífica para determinar o seu futuro. O povo de Timor-Leste exerceu esse direito no dia 30 de Agosto de 1999, originando o recém soberano e independente Estado-Nação da República Democrática de Timor-Leste. Os políticos australianos foram chamados à realidade quando confrontados com a realidade conseguida pelo povo de Timor-Leste, apoiado pelo direito internacional e contra todas as expectativas.

Agora, a questão que se coloca é a de que como é que a Austrália vai continuar a agir no que toca ao Mar de Timor: "Será que os políticos australianos aprenderam realmente a lição?". É uma questão difícil de avaliar. Uma das razões é que os políticos federais australianos são eleitos num ciclo de eleições de três anos e que a maioria não tem uma oportunidade real de se envolver na política internacional, e muito menos na delimitação de fronteiras marítimas. Estas questões são frequentemente deixadas a altos burocratas em Canberra e a especialistas no sector dos negócios estrangeiros, defesa e segurança, para avaliarem os prós e contras das posições que tomam e para aconselhar em prol do seu interesse nacional. Os políticos obtêm aconselhamentos-padrão sobre a melhor via a seguir caso tenham de intervir sobre estas matérias. Mas há excepções; há alguns políticos de princípio que deram a sua voz por Timor-Leste durante a sua ocupação ilegal.

Como é usual na política, as declarações reactivas são principalmente para consumo político de curto prazo, em detrimento do interesse nacional estratégico de longo prazo.

A atitude prejudicial e prolongada em Canberra face ao pequeno Estado-Nação de Timor-Leste é difícil de suplantar. Se não vier de dentro das agências e liderada por políticos, então é obrigatória a pressão da esfera internacional combinada com a opinião pública nacional, para que passem a escutar as reivindicações de Timor-Leste ao invés dos interesses do poder em Canberra. Quando o Tratado do Mar de Timor foi assinado a 20 de Maio de 2002, no primeiro dia da restauração da independência de Timor-Leste, foram feitas promessas de palestras sobre "fronteiras permanentes" para breve. Essa promessa tem agora 12 anos...

Apesar dos recentes pedidos do Governo timorense para iniciar essas negociações, o apelo tem caído em “saco roto”. Parece que ninguém em Canberra quer ouvir Timor-Leste e as suas reivindicações face às suas fronteiras marítimas. Ripostam com um "bem, eles precisam de nos dizer o que afinal querem", quando realmente o que Timor-Leste pretende é apenas sentar-se à mesa com a Austrália e ter um diálogo estruturado sobre as fronteiras marítimas no Mar de Timor.

Houve reuniões entre os líderes, ao mais alto nível, Xanana Gusmão e Tony Abbott e com a Ministra das Relações Externas Julie Bishop; mas, para já, não nos chegou qualquer mensagem clara de Canberra quanto à sua disponibilidade para nos ouvir e respeitar o direito internacional no Mar de Timor.

Este silêncio augura novos e acrescidos mal-entendidos por parte dos líderes da classe política australiana; um sinal de que as coisas podem somente piorar ao invés de melhorar. Infelizmente para ambas as partes, esta situação manter-se-à enquanto a liderança e sociedade timorenses não forem levadas a sério. No ano passado, numa entrevista ao programa de rádio PM da ABC, o Dr. Ramos-Horta, ex-presidente de Timor-Leste e Prémio Nobel da Paz, apelou ao Governo australiano para levar a liderança timorense a sério. Sublinhou que os timorenses prezam a sua soberania e que tudo farão para defender o direito aos seus recursos no Mar de Timor, em conformidade com o direito internacional. Mas parece que até ele está a ser ignorado.

Porquê agora? Esta é uma questão relevante. Um dos mais respeitados e internacionalmente reconhecidos ex-senadores, com experiência em mediação em matéria de fronteiras e recursos naturais, respondeu simplesmente: deve ser agora, porque um regime temporário de fronteiras quando deixado muito tempo sem resolução, pode e tende a tornar-se num regime permanente. Esta é uma verdade simples, adequada ao cenário de Timor-Leste e da Austrália, onde não existem quaisquer fronteiras marítimas acordadas; o que existe é uma zona isolada do desenvolvimento herdada ilegalmente pela Austrália através do Tratado Timor Gap celebrado com a Indonésia durante o período da ocupação ilegal de Timor-Leste. Além disso, a Austrália que é parte no Tratado da Antártida, entrou em negociações de delimitação marítima com todos os seus vizinhos excepto com o país a que os líderes australianos frequentemente se referem como o seu vizinho mais próximo e amigável: Timor-Leste. E estamos a falar de uma área fronteiriça ínfima quando comparada com a grande fronteira da Austrália.

A linha mediana

Com a Zona Económica Exclusiva (ZEE), Timor-Leste tem o direito de esperar que seja traçada a linha média ou mediana no Mar de Timor entre Timor-Leste e a Austrália. Certamente que tal irá ocorrer ao abrigo e nos termos do direito internacional. Independentemente do que está acordado para o Mar de Timor, a Austrália não tem o direito de recusar negociar com Timor-Leste para o estabelecimento das suas fronteiras marítimas. Está na altura de a Austrália fazer um esforço real para resolver a actual disputa e encontrar uma solução construtiva através de um processo honesto e transparente. O Direito do Mar, reflectido principalmente na CNUDM não suporta por si só a teoria do prolongamento natural; a linha mediana é e será o ponto de partida, onde as fronteiras estão a menos de 400 milhas náuticas de distância. É este o caso. Quanto às fronteiras laterais, a Austrália expressou publicamente algumas preocupações relativamente à Indonésia, que só podem ser suplantadas através de um diálogo substantivo e de negociações honestas e transparentes. Em suma, nesta fase é tão vantajoso para a Austrália sentar-se à mesa com Timor-Leste para falar sobre as fronteiras marítimas, como é para Timor-Leste. A Austrália não pode simplesmente negar o direito legítimo de Timor-Leste em negociar as fronteiras marítimas com a Austrália com o argumento de que é muito difícil fazê-lo. Esse direito existe tanto ao abrigo da lei internacional como nos termos dos tratados de 2002 e 2006 onde a Austrália concorda expressamente em fazê-lo.

A fronteira é uma das questões, mas será que existem outras? A resposta é afirmativa. Um problema chave é a atitude. O mundo evoluiu, mas a forma como a grande maioria dos velhos e cansados ​​tecnocratas da Austrália olha para o Pacífico constitui um entrave. A liderança dos países do Pacífico Sul dificilmente é levada a sério pelas autoridades australianas. Basta lembrar como o Primeiro-Ministro da Papua Nova Guiné foi detido no aeroporto de Brisbane e, num acto de humilhação, obrigado a descalçar os sapatos. Foram feitos os devidos protestos entre chancelarias, mas sem efeito. Essa política displicente ainda se mantém.

Quando Timor-Leste deu início à arbitragem internacional contra a Austrália, um burocrata sénior em Canberra classificou a acção como a de uma "república das bananas". E quando diplomatas timorenses e outros falam com os burocratas de Canberra sobre questões relacionadas com a delimitação de fronteiras marítimas, a resposta é que os políticos não podem fazer muito. Ora, são os burocratas em Canberra que decidem, o que significa que Timor-Leste tem um cume ainda mais difícil de escalar.

Porém, o que os burocratas não atingem plenamente, é que Timor-Leste tem o hábito de lutar contra os Golias que ameaçam a sua soberania e que essa luta é familiar à sua liderança. Daí que o apelo do Dr. Ramos-Horta a Canberra para que encarem a liderança timorense com a devida seriedade deva ser tido em conta. Estamos a dar uma oportunidade aos políticos australianos para que efectivamente mudem e ajam de acordo com a sua consciência e não de acordo com o aconselhamento obsoleto de tecnocratas. Isso também libertaria a Austrália da preocupação constante com o que quer que tenha negociado e feito com a Indonésia e, pela primeira vez, poder ter um relacionamento aberto com dois dos seus vizinhos mais próximos e estrategicamente cruciais. Libertar-se-ia do seu paradigma de bloqueio nesta matéria. Uma situação vantajosa para todos. O direito internacional e a vontade política podem consegui-lo. Existe uma janela de oportunidade, que se apresenta periodicamente aos líderes, para olharem além do status quo, para além do escárnio inusitado da oposição e para além das próximas eleições.

Outro problema consiste no facto de Canberra parecer acreditar que tudo o que Timor-Leste pretende é mais dinheiro. Esta crença é evidente se analisarmos as diversas conversas a nível do Governo. O ex-ministro das Relações Externas, Alexander Downer, refere isso mesmo inúmeras vezes. O quadro político australiano foi como que absorvido pela propaganda da "generosidade" da Austrália para com Timor-Leste, devido à partilha de receitas obtidas através dos Tratado do Mar de Timor e do Acordo Greater Sunrise, que inclui uma participação 50:50 das receitas, apesar de a provável participação a que temos direito seja de 100% ao abrigo do direito internacional.

Este paradigma da generosidade já sofreu vários reveses, inclusive dentro da esfera legal actualmente em curso no Centro de Arbitragem Internacional de Singapura (CAIS). Quando alguém se recusa a delinear fronteiras com os seus vizinhos e até ameaçar que "a Austrália pode trazer a crise a Timor-Leste, se assim o entender fazer", como o Sr. Downer disse, citando 'Um Estudo sobre as Negociações do Petróleo Offshore entre a Austrália, a ONU e Timor-Leste”, de A. Munton (ANU), a generosidade transforma-se numa concessão forçada reivindicada para si mesmo; ao invés, seria mais correcto classificar essa “generosidade” de oportunismo, má-fé e pura falta de respeito para com um país muito menor e emergente.

É óbvio que, nos dias que correm, todos os Estados, incluindo a Austrália, necessitam de mais dinheiro. No entanto, utilizar a expressão "mais dinheiro" no contexto em que o fazem é, no mínimo, ofensivo para Timor-Leste. Dizer que Timor-Leste iniciou este caso no Tribunal Arbitral Internacional e no TJI, simplesmente porque precisa de “mais dinheiro”, é uma visão completamente deturpada da realidade. Há que entender claramente a noção de "princípio" sempre que mergulhamos em profundidade nestes temas relativos a interesses comerciais no Mar de Timor, onde as estratégias de fins lucrativos das empresas multinacionais de recursos (EMR) e os interesses nacionais dos proprietários desses mesmos recursos podem se sobrepor e colidir.

Por este motivo, o Primeiro-Ministro Xanana reitera - constantemente - que, para Timor-Leste, o que está em causa é uma questão de princípio. Mas o que significa "princípio" neste contexto?

Em primeiro lugar, trata-se de reconhecer que Timor-Leste tem direitos sobre as fronteiras marítimas e que, independentemente do que aconteça, Canberra não pode rejeitá-las consoante lhes apeteça. Em segundo lugar, é uma questão de soberania. Há que definir exactamente onde estão as fronteiras marítimas e soberanas de Timor-Leste, para que as nossas Forças de Defesa e os nossos aliados no domínio da defesa (incluindo a Austrália) possam planear as suas capacidades de defesa, não necessariamente para fins de guerra, mas, mais importante, para fins estratégicos e de paz, para a protecção dos seus recursos naturais estratégicos, como o petróleo, o gás e o recurso natural por excelência: a água. As fronteiras marítimas permanentes são, igualmente, cruciais para uma cooperação eficaz e estratégica com os nossos aliados regionais. Em terceiro lugar, trata-se da consolidação do processo de independência. Depois de ter sido despojado do direito aos seus recursos pela Austrália e pela Indonésia aquando do Tratado do Timor Gap, está na hora de Timor-Leste fazer prova e garantir o que é seu no âmbito do direito internacional. Por último, trata-se de salvaguardar os interesses nacionais a longo prazo, digamos, dos próximos cem anos e onde acreditamos que Timor-Leste estará nessa altura, garantindo os interesses das nossas gerações futuras.

Onde Timor-Leste "estará" é algo traçado no plano de desenvolvimento estratégico nacional (PDE). Este Plano prevê que Timor-Leste se torne gradualmente numa economia vibrante e auto-confiante, num modelo de justiça social e de equidade, e num país líder na comunidade de nações que conseguiram construir uma democracia liberal próspera. Quase do nada, estamos a dar passos positivos e reais nessa direcção. Além disso, Timor-Leste ambiciona ser um país com uma população educada, por forma a contribuir para o bem-estar de outros Estados-Nação, particularmente os mais carentes. É isto que entendemos por "abordagem baseada em princípios" no contexto das fronteiras marítimas. Jamais significará "mais ajuda" por pura ganância. Jamais significará mais dinheiro para cobrir perdas decorrentes de gasodutos ou condutas. E certamente, jamais significará mais dependência, mais humilhação, mais boleias diplomáticas e de segurança. Em última análise, é um princípio de dignidade humana, bem como de dignidade do Estado enquanto País. É sobre estar no comando do que pertence a Timor-Leste por direito, seja muito ou pouco, é o que está dentro das suas fronteiras marítimas, e é o que está conforme ao direito internacional. Consequentemente, este "princípio" nada mais é do que garantir que "o futuro do povo de Timor-Leste" pode ser sustentado com dignidade.

Em conclusão, saliento que a Austrália e Timor-Leste são vizinhos e, como tal, devem trabalhar em conjunto em todos os momentos para garantir que as relações bilaterais sejam mantidas no seu melhor. Deve haver cooperação em vez de competição. Os ganhos egoístas não podem nem devem servir de princípio orientador. Mas a cooperação só pode ser reforçada quando haja confiança mútua, baseada no respeito solene dos direitos de cada Estado-Nação. O que significa simplesmente que a querela relativa às fronteiras marítimas deve ser resolvida com base nos princípios de direito internacional.

Fim

Díli, 20 de Agosto de 2014!

Referencia:
Dili finds cause for comfort in Canberra’s Timor Sea climbdown
http://forum-haksesuk.blogspot.com/2014/08/dili-finds-cause-for-comfort-in.html

Dili finds cause for comfort in Canberra’s Timor Sea climbdown*

Some of the most powerful politicians in the US and Australia met in Sydney last week and reached an agreement that I hope signals a return to the high point of Canberra’s relations with Timor-Leste (East Timor) — the moment in 1999 when prime minister John Howard sent the Australian Army to Timor-Leste to stop the devastating violence unleashed by our vote for independence from Indonesia. US Secretary of State John Kerry and Defence Secretary Chuck Hagel met Foreign Affairs Minister Julie Bishop and Defence Minister David Johnston under the umbrella of the annual Australia-US Ministerial Consultations.

US Secretary of State John Kerry and Defence Secretary Chuck Hagel met Foreign Affairs Minister Julie Bishop and Defence Minister David Johnston under the umbrella of the annual Australia-US Ministerial Consultations.

While most media attention was on new joint defence arrangements, the section of the AUSMIN joint communique released after the meeting concerning the maritime dispute in the South China Sea caused a stir in Timor-Leste.

Specifically, the sentence that “called on claimants to refrain from actions that could increase tensions and to clarify and pursue claims in accordance with international law, including as reflected in the Law of the Sea Convention”.

This sentence was warmly welcomed in Timor-Leste because it marked a radical departure from Australia’s position in relation to its maritime Timor Sea boundary.

The perception that Australia was a great friend and ally of the Timorese people suffered a blow on March 21, 2002.

On that date, just two months before Timor-Leste became an independent nation and eight months after Australia and the UN Transitional Administration in East Timor had signed a temporary boundary agreement that gave Australia the lion’s share of waters (and oil and gas resources) in the Timor Sea, then foreign minister Alexander Downer quietly announced that Australia would no longer be subject to the jurisdiction of International Court of Justice or the International Tribunal for the Law of the Sea for disputes regarding maritime boundaries.

This decision only made sense if Australia knew the claim it had made to areas in the Timor Gap, on Timor-Leste’s side of the median line, would not stand up in the international courts. The Timor-Leste government hopes Australia’s recent call on parties in the South China Sea to settle the dispute “in accordance with international law” is a prelude to Australia resubmitting to the jurisdiction of the ICJ for maritime matters.

Of course, we hope to be able to agree on a permanent maritime boundary with Australia by negotiation, but if we cannot, it is important for both nations that an independent international umpire could be called upon to decide where to draw the line.

Some history is necessary here to explain why Australia’s decision to withdraw from the jurisdiction of international maritime tribunals was such a shock. Following our independence from Indonesia, UNTAET and Australia signed an agreement in 2001 that locked the new nation of Timor-Leste into a petroleum sharing zone arrangement based on one negotiated earlier between Australia and Indonesia. It was when there was talk of challenging this arrangement at the ICJ that Australia, on the eve of the birth of our new nation, withdrew from the court’s maritime jurisdiction.

According to international case law, then and now, the accepted approach when drawing a permanent maritime boundary is to base it on a median line equidistant from the two states. Which is why Timor-Leste has always sought sovereignty to the median line. But Australia claims the boundary line should be two thirds of the way to Timor-Leste, giving a much bigger area to Australia.

Timor-Leste is willing to negotiate to permanently close the gap in Australia’s maritime boundary (as stated above, we currently only have a petroleum sharing arrangement) so that both our nations can have sovereignty over their respective waters and seabed resources.

We also want to provide security of tenure for resource companies operating in the Timor Sea.

And we hope that Australia’s recent comments in relation to the maritime dispute in the South China Sea signal a willingness on Australia’s part to resubmit to the maritime jurisdiction of the ICJ.

As it is, we have gone to court not to determine a maritime boundary but to seek the return of documents belonging to a lawyer acting for Timor-Leste that were seized by the Australian spy agency ASIO and Australian Federal Police in December last year. It would be a much better scenario for both our nations if we were seeking the court’s determination on a permanent maritime boundary.

*Agio Pereira is Timor-Leste’s Minister of State and in The Australian 
(http://www.theaustralian.com.au/news/world/dili-finds-cause-for-comfort-in-canberras-timor-sea-climbdown/story-e6frg6ux-1227029721495?nk=bf537bb63d2cf87e0428503daa0e42bf#)!

Probalidade Estrutura V Governu Versaun Foun

Probalidade Estrutura V Governu Versaun Foun 
(Hatun 55 ba 22)

Proposta husi:  *Forum Haksesuk

Estrutura V Governu Konstitusional ne’e bot ka bokur demais ho total 55 membrus kria no hamosu problemas bot ba Estadu, liliu iha Orçamento Geral Estadu (OGE) ne’ebe durante tinan rua nia laran gasta no kria liu despesas ba Estadu.

Ho despesas OGE ne’ebe mak bot maibe la produs rezultadu ne’ebe mak la tuir espetativa ne’ebe  V Governu ninia mehi tuir orientasaun estratejika PEDN (2011/30) ne’ebe materializa liu husi Programa Governu ba tinan lima (2012/17) no Planu Asaun kada linas Ministeriais tinan-tinan. 

Meta ne’ebe mak V Governu ne’ebe mak mai husi IV Governu Konstitusional oinsa mak atu to’o ba: qualidade servisu no obras. Husi qualidade servisu mak ninia konsekuensia lojika mak qualidade ba obras.

Ho Estrutura V Governu ne’ebe mak bot  ho total 55 la hatudu jestaun ne’ebe mak efikas no eficiente, kria mak konfusaun no resultadu iha tinan rua la koresponde ba espetativa ne’ebe mak mehi husi V Governu ne’ebe hakarak materializa PEDN 2011/30 hodi atinji ba meta ne’ebe iha tinan 2030, Timor-Leste atu sai Rai ne’ebe konsidere ninia rendimentu media ne’ebe ás, formasaun socio-kultural ne’ebe mediu, acessu ba infraestruturas basikas, acesu ba servisus sosiais hanesan edukasaun, saude no protesaun sosial ba cidadaun hotu-hotu.

Liu tinan rua ona (Agosto 2012 - Agosto 2014)  publiku nia hakarak, politikus sira, entidade sira hotu, sociedade civil nia hakarak, hotu-hotu hakarak Governu ne’ebe kiik, maibe ho principius efikas no eficiencia iha servisu.

Atu nune bele hatudu liu mak  prestasaun servisu ne’ebe diak no hetan resultadu qualidade obras ne’ebe mak hotu-hotu nia hakarak.

Publiku haksesuk malu dehan Governu bot demais. Balun dehan hatun ba 28 ba 35, iha biban ida ne’e Forum Haksesuk (FH) hakarak ható proposta konkretu hodi kontribui ba debate.

Gabinete V Governu Konstitusional versaun Remodelasaun mak:  Primeiru Ministru (PM) ho Ministrus Kordenadores 3 mak:  Kordenador ba Asuntus Sociais; Kordenador ba Asuntus  Ekonomikas no Kordenador ba Asuntus Politika, Defesa e Segurança.

I.  Ministru Kordenador Asuntus Sociais (MKAS) kordena servisu ho Ministerius no Sekretarias Estadus sira tuir mai ne’e:
  1. Ministerio da Educação (ME)
  2. Ministerio de Solidariedade Social (MSS)
  3. Ministerio de Saúde (MS)
  4. Sekretariu Estadus:
4.1. SEFOPE
4.2. SEPI
4.3. SEJD

II. Ministeriu Kordenador Asuntus Ekonomikas (MAKE):
  1. Ministeriu Finanças (MF)
  2. Ministeriu Obras Públikas no Transporte  (MOPT)
  3. Ministeriu Economia, Comerciu no  Industria  (MECI)
  4. Ministeriu Petroleum Rekursus Minerais (MPRM)
  5. Ministeriu Agrikultura no Peskas  (MAP)
  6. Ministeriu  Turismu, Kultura  no Meio Ambiente  (MTKA)

III.  Ministeriu Kordenador Asuntus Politika, Segurança no Defesa (MKAPSD):
  1. Ministeriu Negocius Estranjeirus no Koperasaun (MNEK)
  2. Ministeriu Defesa no Segurança (MDS)
  3. Ministeriu Justiça (MJ)  
  4. Ministeriu Administrasaun Estatal  (MAE)

IV. Hamenus Sekretarius Estadus sira, elimina SE sira ne’ebe servisu “overlapping” no haforsa Diresauns Jerais no Nasionais sira.
  1. Ministeriu Presidencia Konseilu Ministru (MPKM) hamutuk SE 5 hamenus ba 2 deit;
  2. Ministeriu Komersiu Industria no Ambiente (MKIA) iha SE 3 hamenus hotu;
  3. Ministeriu Agrikultura e Peskas (MAP) iha SE 3 halakon hotu, reforsa deit Diresoens jerais no nasionais sira;
  4. Ministeriu Saúde (MS) iha Vices 2 hamenus hotu;
  5. Ministeriu Solidariedade Social (MSS) iha SE 2, hamenus ida hela deit SEAKLN ne’ebe pasa ba iha MDS nia okos;
  6. Ministeriu Edukasaun (ME) iha Vices 3 hamenus hotu, haforsa Diresoesn 3 Ensinu Superiur, Sekundaria no Basikas;
  7. Ministeriu Justiça (MJ) iha Vice 1 no SE 1, hamenus hotu no reforsa deit Diresoesn sira hanesan DNTP;
  8. Ministeriu Defesa no Seguransa (MDS) ho SE 2 halakon hotu ;
Total Ministerius ho ninia Ministerius Kordenadores 3 no Ministerius 13 no SE 7, hamutuk: 3 + 13 + 6 = 22. Hatun husi 55 ba 22.

*Editores Forum Haksesuk!

domingo, 17 de Agosto de 2014

Ponto de Vista ida ba Re-struturasaun Postura Estrutura V Governu Konstitusional

Husi Augusto S. Barreto*

Ita rona hosi ibun ba ibun no fó sai husi media sosial hanesan televizaun no jornal katak presiza iha remodelasaun ka restruturasaun ba Governu Bloku Koligasaun ka V Governu Konstitutional (2012-2017) hodi hamenus númeru Ministru, Vise Ministru no Sekretariu Estadu sira ne’ebé konsidera barak liu. Hanesan ita hotu hatene katak oras ne’e Governu Bloku Koligasaun kompostu hosi 55 membru governu (Ministru, Vice Ministru, no Sekretariu Estadu barak).

Kestaun kona-ba postura estrutura governu ne’ebé bo’ot la’os buat foun ida. Kestaun ida ne’e hetan observasaun hosi ema barak maibe la sai hanesan preokupasaun bo’ot. Antes ne’e eis PM Mari Alkitiri fó deklara ona katak governu ne’ebé bo’ot demais la efikasia no la iha kapasidade atu halo planeamentu ho rasionalidade no objetividade (JN Diário, 27 Janeiru 2014, p.1: Governu Bo’ot Demais Ladun Efikasia). Foin lalais fó sai hosi jornal Suara Timor Lorosae (2 Agostu 2014, p.1) katak CNRT hakarak remodela Governu. CNRT rekuñese katak membru governu barak liu, tan ne’e todan iha planeamentu. Nune’e tempu to’o ona atu halo remodelasaun ba membru governu. Tuir Deputadu Bankada CNRT atual Vise Prezidente Parlementu Nasional Aderito Hugo, kuandu akontese re-estrutura, remodelasaun signifika sei aumenta ou hamenus membru governu ne’ebé iha kompetensia Primeiru Ministru ninian. CNRT rasik haree governasaun ho 55 membru governu ne’e todan hodi fo impaktu ba liña koordenaaun, liña ministerial, planeamentu ba orsamentu, ezekusaun orsamentu. Vise Parlementu Nasional ne’e hatutan tan katak membru governu ne’ebé bo’ot halo koordenasaun ho monitorizasaun todan teb-tebes. Rezultadu tinan rua governasaun bloku ninia kestaun bo’ot mak koordenasaun in-terministerial no intra-ministerial. Purtantu ita iha redusaun tenke signifikante katak 55 todan tenke hatun ba kaman ida substansia bele 30 se radikal liu 55, tanba iha kargu balun ne’ebé la podia iha komesa kedas Ministru, Vice Ministru ho Sekretariu Estadu sira. Nune’e mós PM Xanana Gusmão nuudar presidente Partidu CNRT deklara katak sei halo tranzisaun ba remodelasaun Governu. PM Xanana mós hanoin katak presiza halakon burokrasia tamba impede ezekusaun orsamentu jeral (JNDiário, 8 Agostu 2014, p1: Birokrasia Impede Ezekusaun OJE). 

 
Ita sei la hakfodak bainhira Ministériu ida lakon no ida sei mosu fali mai. Ezemplu iha IV Governu Konstitusional, Gabinete Vise Primeiru Ministru ba Assuntu Governasaun ne’ebé importante atu apoiu Primeiru Ministru halakon iha dalan klaran antes to’o iha rohan tinan lima termu IV Governu Konstitusional nian. Sekretariu Estadu Dezenvolvimentu Rural ne’ebé hosik hela de’it no la kontinua, no ida fali mak halakon tiha Ministériu Ekonomia iha wainhira forma V Governu Konstitusional.  

Ita la hatene loloos karik sei iha restruturasaun ka remodelasaun hanesan temin iha leten. Ida ne’e hein desizaun hosi Primeiru Ministru Xanana tamba kompentensia ka direitu prerogative PM nian no konkordansia polítika hosi Partidu Polítiku hirak iha bloku koligasaun. Sambil ita hein, no karik restruturasaun/remodelasaun ida ne’e akontese duni maka liu hosi oportunidade ida ne’e hakerek na’in hakarak hato’o pontu de vista, opiniaun ka sujestaun ruma hanesan hirak tuir mai.

Dahuluk, forma estrutura governu tenke bazeia ba ispíritu artigu 137 Konstituisaun RDTL 2002 kona-ba Prinsipiu Jerál Administrasaun Públiku nian ne’ebé hateten katak administrasaun públiku nia estrutura iha dalan ida atu sees husi burokratizasaun, buka dada besik populasaun sira-nia serbisu no ka’er metin interese partisipasaun nian iha nia jestaun efetivu. Sees hosi burokratizasaun signifika atu halo administrasaun públiku labele bokur ten, la bele iha ministériu barak ho estrutura ida piramida liu hodi hamosu prosesu jestaun administrasaun estadu burokrátiku liu, meja barak, potensia ba korupsaun, no la efekiz no efisiente. Prátika governasaun durante ne’e seidauk kumpri didi’ak prinsipiu jeral administrasaun ne’e. Mosu lamentasoens no preokupasaun kona-ba Ezekusaun Orsamentu Jeral Estadu (OJE) kada tinan la’o hakdasak tamba burokrasia governu. Ezemplu, Orsamentu Jeral Estadu 2014 ho montante dollar Amerika Billaun ida liu ne’e ezekusaun seidauk to’o 50%, tan ne’e PM Xanana Gusmão deside ona atu halakon burokrasia iha governu atu nune’e labele impede ezekusaun OJE (JN Diário, 8 Agostu 2014, p1: Birokrasia Impede Ezekusaun OJE).  

Daruak, kriasaun ministériu foun tenke bazeia ba nesesidade no volume servisu ne’ebé realístiku, la’os tamba buat seluk tan. Populasaun Timor-Leste tokon ida liu no barak liu hela no moris iha area rurais kontradiz ho númeru Ministériu no Sekretariu Estadu ne’ebé barak no seidauk konsege realiza povu nia mehi ba moris di’ak. Talvez presiza iha analiz ida klean atu korela entre total estrutura governu ho total populasaun Timor-Leste. Kompozisaun estrutura governu tuir matenek na’in balu bele fahe ba kategoria tolu mak Primer, Sekunder, no Tersier. Ministériu sira ne’ebé tama iha kategoria Primer mak sira ne’ebé temin iha Konstituisaun no tuir tradisaun tenke iha. Ezemplu hanesan Ministériu Negosiu Estranjeiru, Ministériu Defeza, Ministériu Finansas, Ministériu Interior. Ezistensia Ministériu hirak ne’e importante tebes ba nasaun tamba ne’e tenke estabelese duni. Tuir fali mak ministériu hirak tama iha kategoria Sekunder hanesan ministériu hirak ne’ebé ladun iha influensia ba andamentu governasaun. Karik iha bele ajuda governu, karik la iha, governu sei bele nafatin la’o, ezemplu kazu halakon Gabinete Vice Primeiru Ministru Assuntu Governasaun no kazu Ministériu Ekonomia temin tiha ona iha leten. Maski instituisaun refere lakon maibe la fó impaktu negativu no la impede prosesu governasaun. Ikus liu sira ne’ebé tama iha parte Tersier mak Ministériu liuliu Sekretariu Estadu hirak ne’ebé la nesesariu tenke iha. Ita nota durante ne’e katak iha Sekretariu Estadu balun ne’ebé sira nia kna’ar bele hala’o hosi Director Jeral ka Director Nasional ida. Hosi esperiénsia hirak ne’e hatudu katak hamenus Ministériu ka Sekretariu Estadu ne’e buat normal ida, sei la fo ameasa ruma ba prosesu governasaun no bele kontribui ba efikasia no efisiensia dezempenamentu governu nian iha sira nia atendementu ba públiku.

Postura estrutura governasaun ne’ebé refleta espíritu Planu Estratéjiku Dezenvolvimentu Nasional (PEDN 2011-2030)

Interesante tebes ita haree opsaun Postura Estrutura Governu versaun Señor Mario Viegas Carrascalão nian ne’ebé fó sai iha Jornal Timor Post 04 Agostu 2014, p.1: Carrascalão Sujere Postura Strutura Governu. La dok hosi opsaun ida ne’e, liu hosi hakerek ida ne’e hakerek na’in mos hakarak hato’o opsaun postura estrutura seluk ida ne’ebé liga kedas ho Planu Estratéjiku Dezenvolvimentu (PED 2011-2030). Hakerek na’in aumenta lia-fuan Nasionál (PEDN), ema balun dehan Planu Dezenvolvimentu Nasional (PDN). Hanesan ita hatene katak atu implementa PEDN ne’e Governu estabelese ona Estrutura Governasaun ba Mekanizmu Koordenasaun Polítika Dezenvolvimentu (Governance Structure of Development Policy Coordination Mechanism) ne’ebé fahe ba Social Strategic Sector, Economic Strategic Sector, Infrastructure Development Strategic Sector, no Governance/Institutional Development Strategic Sector. Hanoin tuir sistema ida ne’e mak remodelasaun ba estrutura foun Governu ida mai ne’e bele hamosu Ministériu Koordenador na’in haat ne’ebé iha ligasaun direta ba PM. Ministériu Koordenador ba assuntu Social Strategic Sector ne’ebé koordena Ministériu sira seluk hanesan Ministériu Solidaridade Sosial, Ministériu Edukasaun, Ministériu Saúde, Sekretáriu Estadu Joventude. Ministériu Koordenador ba assuntu Economic Strategic Sector koordena servisu Ministériu Finansas, Ministériu Ekonomia Komersiu, Industria no Ambiente, Ministériu Agrikultura, Ministériu Turizmu, no Ministériu Petroliu no Rekursu Naturais (tuir prioridade maior tolu iha PEDN: setor minarai, setor agrikultura no setor turizmu). Ministériu Koordenador ba assuntu Infrastructure Development Strategic Sector ne’ebé koordena servisu Ministériu Obras Públiku no Telekomunikasaun, (inklui Estradas no Pontes, Água no Saneamento, Electricidade, Portos Marítimos, Aeroportos, Telecomunicações, Urbanizasaun). Ministériu Koordenador ba assuntu Governasaun no Dezenvolvimentu Institusional ne’ebé sei koordena Ministériu Jestaun Setór Públiku no Boa Governasaun ka nafatin Ministériu Estatal (inklui governu lokal), Ministériu Justisa (inklui assuntu rai), Ministériu Defeza no Seguransa (inklui FFDTL, PNTL, Dizastre Naturais, Bombeirus), no Ministériu Negosiu Estranjeiru (inklui CPLP no ASEAN). Karik sei falta ministériu ruma bele inkaisa iha Ministériu Koordenador haat nia okos. Nune’e mós presiza hamosu Ministériu ida ba assuntu Planeamentu Nasionál/Xeve ba Ajênsia Planeamentu Ekonómiku no Investimentu. Ajênsia Planenamentu ne’e hahuu kedas uluk rekomenda iha Planu Dezenvolvimentu Nasional 2002-2007, no temin tan ona iha PEDN 2011-2030 maibé to’o agora seidauk estabelese. Durante ne’e ita hasoru problema no dizafiu barak iha aspetu planeamentu, koordenasaun, monitorizasaun no avaliasaun ba implementasaun Planu Asaun Annual hosi ministériu hirak iha. Situasaun hanesan ne’e defisil atu realiza metas hirak hatuur ona iha PEDN. Kestaun ne’e sai ona preokupasaun ne’ebé mosu iha Reuniaun Parseriu Dezenvolvimentu iha loron 25-26 Jullu 2014 katak planu estratejia ne’ebé durante ne’e tinan tolu resin ne’e implementa la’o la tuir ona matriz PED 2011-2030 ne’ebé trasa tiha ona. Primeiru Ministru Kay Rala Xanana Gusmão rasik rekoñese matriz ba PED nian ne’ebé iha tuir Deklarasaun Dili tinan 2011 oras ne’e seidauk bele haree nia progresu tanba falta koordenasaun (Business Timor 04-10 Agostu 2014, p4: Reuniaun Parseiru Dezenvolvimentu: Governu Rekoñese PED Falta Koordenasaun). Bazeia ba realidade ida ne’e mak  to’o ona tempu atu Ajênsia ne’e transforma ba Ministeriu Planeamentu hodi akumula Timor-oan matenek na’in sira ho esperiénsia hosi setór hotuhotu atu ajuda governu tau matan no asegura koordenasaun, harmonizasaun, sinkronizasaun ba implementasaun no realizasaun alvu/target PEDN 2011-2030 ne’ebé hatuur ona iha Matriz Setor Estratejia PEDN. Kestaun no preokupasaun kona-ba planeamentu mai mós hosi setór privadu sira. Ezemplu, Presidente Consorsiu Nacional (CNT) Señor Jorge Serano ne’ebé preokupa tebes ho PEDN ne’ebé oras ne’e la’o ladun di’ak tamba ne’e nia husu ba governu no setor privadu atu halo tratamentu ne’ebé di’ak. Tuir Jorge Serano katak tanba laiha tratamentu ne’ebé di’ak ba planu estratejia dezenvolvimentu nasionál ne’e mak durante ne’e ema hotu hakilar dehan setor privadu ho governu mak sala, no orsamentu malgastu tan buat sira ne’e. Ita tenke halo tratamentu ida di’ak hosi planu estratéjiku nasionál ne’ebé mak trasa tiha ona (Timor Post, 8 Agostu 2014, p.11: CNT Preokupa ho PDN). Purtantu hamosu Ministériu ida ba assuntu Planeamentu Nasionál ne’e importante no urjenti ona. Opsaun ba postura estrutura ida ne’e iha fleksibilidade no bele rezulta membru governu hamutuk mais ou menus tolu nulu resin lima (33) kompostu hosi PM, Vice PM rua (2), Ministru Koordenador haat (4), Ministru sanulu resin tolu (13), Vice Ministru sanulu resin (13), no bele aumenta tan ho Sekretariu Estadu balun tuir nesesidades. 

Postura estrutura ida hanesan ne’e sei la burokrátiku liu, maibé natoon, tau importansia ba nesesidade no volume servisu liuliu atu asegura realizasaun PEDN ne’ebé refleta povu nia mehi, aspirasaun, no hakarak ne’ebé atu mosu iha tinan 2030 oin mai. Atu realiza mehi, aspirasaun no hakarak, la’os hein tinan lima, sanulu ka ruanulu oin mai, tenke hahuu agora ona liu hosi afirmasaun ne’ebé refleta iha postura estrutura governusaun ba tinan hirak oin mai. Maun Bo’ot no PM Xanana Gusmão estabelese no monta ona iha fatin PEDN 2011-2030, tuir mai tenke monta mós sistema no estrutura ne’ebé bele asegura no garante mehi no aspirasaun povu nian bele realiza ona tuir faze dezenvolvimentu kurtu praju, mediu praju no longu praju estabelese ona iha PEDN ne’e.  

Postura estrutura governasaun ne’ebé reforsa servisu tékniku no reforsa governu lokal liu hosi implementasaun Polítika Pre-Deskonsentrasaun.

Re-estruturasaun ka remodelasaun ba postu Ministériu no Sekretariu Estadu sira iha tempu oin mai importante tebes atu bele fó liu kompetensia bo’ot ba funsionáriu tékniku sira atu halo servisu tékniku. Ohin loron ita nota katak Ministériu sira hamosu tan Diresaun Jeral barak. Servisu sira hirak agora hala’o hosi Sekretariu Estadu balun bele transfere ba iha Diresaun Jeral ho ninia Diresaun Nasional balun ne’ebé foku liu ba servisu tékniku duke polítika. Nune’e mós redusaun ka eliminasaun ba estrutura Ministériu no Sekretariu Estadu tenke liga ona ba planu Governu nian atu implementa Polítika Desentralizasaun ne’eb’e hahuu ho Polítika Pre-deskonsentrasaun. Hamenus estrutura Ministériu no Sekretariu Estadu alein bele fó liu kompetensia ba Diresaun Tékniku sira iha nivel sentral, iha sorin seluk,  bele reforsa kompetensia hirak tuir Polítika Pre-deskonsentrasaun ne’ebé sei delega ba distritu sira. Ita haree iha Polítika Pre-deskonsentrasaun, kompetensia barak mak sei hatuun ba distritu sira. Ministériu balun mós iha ona planu atu reduz funsionáriu iha nasionál ba distritu. Maski Polítika refere seidauk la’o maibe bele antisipa ona. Signifika katak planu, programa, atividade barak liu sei demenui iha governu sentral ne’ebé rezulta hamenus burokrasia tamba ne’e la presiza ona Ministériu apalagi Sekretariu Estadu barak-barak iha governu sentral Dili. 

Postura estrutura governu hanesan temin iha leten foin iha baze fundamentu, iha korelasaun, aliñamentu, no kompatibel duni ho PEDN 2011-2030. Ida ne’e bele halo kaman servisu PM nian no  hatudu jestaun estadu nian ba dezenvolvimentu nasionál bom orientadu, mais etruturadu, sistemátiku, koerente, realístiku, responde ba nesesidade públiku ho lalais, dinamiku, efikaz no efisiente, no responsabilidade hodi realiza alvu ka target hirak ne’ebé hatuur ona iha PEDN 2011-2030. ITA HEIN………..

*Hela iha Dili, email: augustosbarreto2010@gmail.com

who's online