VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
NICOLAU LOBATO
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

Espelho da Realidade
A Esperança Nunca Morre
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
POVU NIA LIAN
Bazeia Polemika Iha Publiku, Deputadu sira Kansela Leilaun Prado
Estraga Karreta 12, MUTL Husu PNTL Investiga
Membru PNTL Asalta UNTL
Lejislatura Da-haat Mak Sei Ezekuta Kareta Prado

 
 
   

quarta-feira, 12 de novembro de 2008

Uma Cadeira de lona que sirva para contar a história de 12 de Novembro

Por: Celso Oliveira

Há muitos anos atrás, vivia um velho de barba branca, chamado Meles, no bairro de Bemori, Díli. Era muito respeitado e conhecido por toda a gente naquele bairro. Costumava ir sozinho à igreja e rezava pela paz e harmonia em Timor Leste.

Um dia, quando chegou a noite, o velho de barba branca juntou os seus netos e netas e começou a contar a história de Timor.

Era uma vez, em 1992, um ano depois de massacre de Santa Cruz, o velho de barba branca mandou reunir todos os seus netos e netas, um total de 35 crianças e mandou trazer uma cadeira de lona para pôr de baixo de uma árvore de manga, e começou a contar a história de 12 de Novembro.

«Fugiram para a nossa casa cinco jovens. Eu mandei-os entrar. Passados alguns minutos, apareceram soldados indonésios com armas na mão, a procurar esses jovens que tinham fugido na direcção da nossa casa e eu disse que não sabia de nada. Os soldados apontaram-me armas e gritaram-me: “Comunista! Comunista! Comunista”! E ameaçaram toda a gente em casa. Outros entraram, e encontraram os jovens debaixo da cama. Puxaram-nos para fora, bateram-lhes e chamavam-lhes: “Comunistas! Comunistas! Comunistas! Xanana é comunista! Ramos Horta é comunista! Bispo Belo é comunista! Fretilin é comunista”! Depois, levaram-nos para a polícia. Passados muitos meses, um jovem apareceu em casa, a agradecer o abrigo que nós lhes tínhamos oferecido. Eu disse ao jovem para não nos agradecer, porque era um dever nosso ajudar-nos uns aos outros. “Os Indonésios chamaram-nos comunistas, mas eles é que são comunistas», terminou o velho de barba branca.

O velho de barba branca parou, respirou, olhou para os seus netos e netas e começou a perguntar: “Onde é que estão os meus dois netos”? Alguém respondeu: “Um morreu e outro está na prisão”.

Na verdade, um ano depois do massacre de Santa Cruz em 1991, ninguém sabia o verdadeiro número de pessoas mortas e desaparecidas. Os mortos foram levados sem destino. Os vivos foram presos em todo o território de Timor Leste e alguns prisioneiros foram levados para outras ilhas da Indonésia. O que é certo, é que as mães continuaram a rezar e a procurar os seus filhos e filhas amados que morreram e desapareceram durante o massacre. As mulheres continuaram a chorar, à procura dos seus homens amados e os homens continuaram a lutar, clandestinamente. O sangue de 12 de Novembro era tão forte, que ninguém conseguiu esquecer este massacre.

3 anos depois do massacre de Santa Cruz , o neto do velho de barba branca que estava na prisão foi libertado.

Com uma bíblia numa mão e o terço noutra, o velho de barba branca começou a rezar e os seus netos e netas começaram a cantar.

O velho de barba branca recordou que antes do massacre de 12 de Novembro, os seus netos costumavam passar por aí para dizer “abo diak ka lae”? E depois o velho de barba branca deu um recado aos seus netos, para terem fé em Deus e terem muito cuidado.

***

A manifestação de 12 de Novembro de 1991 era uma manifestação pacífica e digna dos jovens e estudantes Timorenses, contra a ocupação ilegal da República Indonésia em Timor Leste.

Até esta data, nós ainda não sabemos os corpos dos que foram mortos e desaparecidos durante o massacre de Santa Cruz de 1991.

O Velho de barba branca e os que morreram durante o massacre de Santa Cruz de 1991 e outros que morreram durante a guerra em Timor Leste continuam a olhar para nós (os vivos), à espera que haja uma verdadeira “paz e progresso” em Timor Leste.

18 anos depois, muitas mães mandaram construir uma campa dentro das suas próprias quintas para recordarem a memória dos seus filhos amados que morreram durante o massacre de Santa Cruz. ###

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.