VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

I N D E P E N D E N S I A
28 Novembru 1975
Declaração Unilateral da Independência de Timor-Leste, proclamada pela FRETILIN em 28 de Novembro de 1975
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
Dezenvolvimentu Nasional presija iha Programa nebeé Programátiku
Reasun Oposisaun ba Programa VII gov
Primeiro-ministro timorense não entende críticas a programas..
Oposição exige explicações ao Gov sobre justiça e reforma adm..
Xanana Gusmão quer "ganhar experiência" como oposição..
Governo quer duplicar receitas domésticas com IVA e impostos tabaco...
Masuk Indonesia Tanpa Paspor, 2 Warga Timor Leste Diamankan Polisi
Opozisaun Rejeita, Programa VII Governu, Alkatiri: “Hau Prontu...”
Timor "satisfeito" novo acordo que regula fronteira com Austrália
Comissão confirma acordo entre Timor-Leste e Austrália

 
 
   

sexta-feira, 20 de outubro de 2017

Entre o Estado e a Uma Lulik: espaços de identidade, poder e justiça em Timor-Leste


Enquadramento

Após a Consulta Popular de 1999, Timor-Leste iniciou um processo de construção de um Estado democrático, liderado inicialmente pelas Nações Unidas e com um forte apoio da comunidade internacional. Passados 18 anos, e com a saída da última missão das Nações Unidas em 2012 e progressiva Timorização do Estado, diversos estudos realizados têm vindo a revelar a centralidade do local, das comunidades (sucos, aldeias, linhagens das casas sagradas) face às estruturas do Estado centralizado em Díli. 

Neste contexto, este seminário visa compreender as diversas articulações/tensões entre o Estado e as comunidades (sucos, aldeias, Uma Lulik), onde a terra e a casa sagrada permanecem lugares de identidade, governação e de justiça. Questões de identidade e reprodução social, governação, justiça e reivindicação de direitos, serão discutidas no amplo quadro de tensão/diálogo existente entre os diversos níveis do local com as estruturas do Estado, que pretende ser unificador de todas estas realidades plurais mas que encontra resistências à imposição de um sistema homogéneo de justiça, de governação e de identidade. Serão abordados, entre outros temas, os processos de construção do Estado e a intervenção das Nações Unidas, a administração local, o papel dos tribunais e das justiças comunitárias, as dinâmicas locais de promoção de direitos, os debates sobre o regime de distribuição e de propriedade das terras e as narrativas de nação, identidade e políticas culturais em disputa.

Este evento apresenta resultados de investigações realizadas por pesquisadores/as do CES, bem como de Timor-Leste e do Brasil, nas áreas de sociologia, direito, antropologia e ciência política.

No âmbito deste Colóquio estará patente uma exposição fotográfica com o tema Diálogos sobre Justiça e saberes em Timor-Leste.

Para mais informações:

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.