VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

I N D E P E N D E N S I A
28 Novembru 1975 - Declaração Unilateral da Independência de Timor-Leste, proclamada pela FRETILIN em 28 de Novembro de 1975
TIMOR-LESTE


Interview with
Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name

 
 
   

quinta-feira, 9 de março de 2017

Fretilin lidera nas sondagens em Timor-Leste mas ainda com muitos indecisos

Trio Forca Politica TL:
Fretilin, CNRT no PD
Fretilin lidera nas sondagens em Timor-Leste mas ainda com muitos indecisos

Díli, 09 mar (Lusa) - A Fretilin, segundo partido timorense em representação parlamentar, lidera as intenções de voto com 29% de apoio, à frente do CNRT com 17%, num cenário em que um quarto se declara indeciso, segundo uma sondagem hoje divulgada.

Os dados avançados, facultados à Lusa, fazem parte da sondagem Tatoli 2016 realizada pela Asia Foundation e que envolveu questões sobre vários assuntos, incluindo política, colocadas a 1239 pessoas nos 13 municípios timorenses.

Segundo a sondagem a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin) tem o apoio de 29% dos sondados (era 32% em 2012), com o Congresso Nacional da Reconstrução Timorense (CNRT) a perder dois pontos percentuais de apoio de 19% em 2012 para 17%.

Como terceira força política surge o Partido Democrático (PD), que perde 1 ponto percentual para 5% e em quarto com 4% de apoio surge o Partido Libertação do Povo (PLP), criado no final de 2015 e que deverá apresentar o atual Presidente da República, Taur Matan Ruak como candidato a chefe de Governo nas eleições legislativas de julho.

O dado de 4% é significativo já que mediante a alteração à lei eleitoral aprovada no Parlamento Nacional - e à espera de promulgação pelo chefe de Estado - sobre de 3 para 4% dos votos válidos a barreira para atribuição de mandato.

De fora do futuro parlamento ficaria, segundo a sondagem, a Frente Mudança (FM) que obteve 3% de apoio em 2012 e se fica agora apenas pelo 1%.

A informação avançada é conhecida quando Timor-Leste está em campanha para as eleições presidenciais - a que se apresentam oito candidatos, vários apoiados diretamente por partidos políticos - mas apenas questionou os sondados sobre apoio partidário.

Significativa é a percentagem de sondados que diz não saber quem vai apoiar - a percentagem subiu de 20% em 2012 para 23% agora - e dos que se recusam a responder, valor que passa de 16 para 17%.

Ainda assim a sondagem mostra intenções de voto elevadas com 98% a dizerem que tencionam votar nas eleições legislativas, valor idêntico ao registado em 2012.

Noutro âmbito, a sondagem mostra uma queda significativa (de 73 para 58%) no número dos sondados que acha que o país está a ir na direção certa, com a percentagem dos que pensam o contrário a aumentar de 25 para 32%.

A variação entre 2012 e 2016 é ainda maior entre os sondados com menos de 25 anos, tendo caído de 80% para 50% o número dos que pensam que o país está na direção certa e aumentado os que pensam o inverso de 17 para 41%.

A sondagem mostra variações nas perceções sobre os maiores problemas do país entre a capital e o resto de Timor-Leste, com a falta de empregos a ser o maior problema para os residentes em Díli (29%) à frente do futuro económico do país.

No resto do país o futuro económico de Timor-Leste é apontado como o maior problema (35%), à frente de preocupações como corrupção (11%), estradas (10%) e empregos.

Quando questionados sobre os maiores problemas que as populações onde vivem enfrentam, acesso a água e saneamento é o mais destacado em Díli (68%) com o resto do país a dar mais importância a estradas e pontes.

Sobre as motivações para apoiar um ou outro candidato, a maioria dos sondados (58%) destaca o seu papel no movimento de independência timorense e só 8% referem a sua experiência de liderança.

Ainda assim a maioria, 54%, diz que em 2012 votou com base na posição dos partidos sobre os assuntos e não sobre as ligações de uma ou outra figura ao partido.

Os dados totais da sondagem serão revelados em abril.

A sondagem foi realizada entre 22 novembro e 14 de dezembro de 2016 e envolveu entrevistas a 1.239 pessoas nos 13 municípios usando uma seleção aleatória de aldeias com base no censo de 2016.

Os dados foram recolhidos por equipas do Timor-Leste Research and Advocacy Network (TRAIN) para a Asia Foundation e têm uma margem de erro de 2,8%.

ASP // VM
Lusa/Fim

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.