VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
NICOLAU LOBATO
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

Espelho da Realidade
A Esperança Nunca Morre
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
POVU NIA LIAN
Bazeia Polemika Iha Publiku, Deputadu sira Kansela Leilaun Prado
Estraga Karreta 12, MUTL Husu PNTL Investiga
Membru PNTL Asalta UNTL
Lejislatura Da-haat Mak Sei Ezekuta Kareta Prado

 
 
   

sexta-feira, 5 de junho de 2015

RENETIL – NOVA LIDERANÇA… NOVA MÍSTICA

Dom Carlos Filipe Ximenes Belo
Prémio Nobel da Paz 1996
O nome da Renetil (Resistência Nacional de Estudantes de Timor-Leste) ficou a ser mais conhecido em várias latitudes do planeta pela publicação do livro [RENETIL iha Luta Libertasuan Timor Loro Sa’e, Antes Sem Título do que Sem Pátia, de Carlos da Silva Saky] e, sobretudo pela morte do seu líder, Fernanda La Sama de Araújo. Passados que foram os dias de tristeza e de luto, os membros desta Associação patriótica irão escolher os novos dirigentes que, certamente, irão continuar a consolidar e renovar os quadros e ao mesmo tempo traçar novas estratégias para manter sempre atual a Renetil.

Todos nós sabemos que durante a ocupação das Forças Armadas Indonésias, a Renetil soube alimentar a chama do patriotismo nacionalista da juventude timorense e mobilizar o idealismo juvenil para uma continuada resistência aos ocupantes.

Hoje, Timor-Leste é um país independente; a independência reconhecida internacionalmente, a 20 de maio de 2002. E já la vão treze anos de independência… A despeito de todos os esforços para construir o país do “sol nascente” na justiça social, na igualdade de oportunidades para todos os timorenses, na convivência num clima de paz, de reconciliação e de  desenvolvimento, a República Democrática de Timor-Leste enfrenta problemas que exigem mais atenção da parte de todos. E aqui, os membros da Renetil devem assumir mais protagonismo no desenvolvimento integral do povo timorense.

Se no passado, os “lorico asuwa’in” foram corajosos em opor resistência aos invasores, hoje devem demonstrar a mesma coragem em opôr forte resistência à corrupção, ao nepotismo e à degradação dos valores morais na sociedade timorense.

A corrupção concorre para aumentar o nível de pobreza em Timor-Leste;  a pobreza coloca um dramático problema de justiça nas suas diferentes formas e caracteriza-se  por um crescimento desigual entre as populações. A corrupção e a má gestão dos dinheiros públicos aumentam a dívida de países pobres; a corrupção trai os princípios da moral, e as normas da justiça social e compromete o correcto funcionamento do sistema democrático e do próprio Estado. “A corrupção politica distorce na raiz a função das instituições representativas, porque as usa como terrenos de nogociata política entre solicitações clientelares e favores dos governantes. Deste modo, as opções políticas favorecem os objectivos restritos de quantos possuem os meios para influenciá-las e impedem a realização do bem comum de todos os cidadãos” (Compêndio da Doutrina Social da Igreja, n. 411).


Fernando La Sama com a Bandeira da RENETIL
Foto@Renetil
A sede da riqueza e da fama conduzem muitas vezes ao desprezo de normas que dizem respeito ao matrimónio e à família, “O amor é vocação fundamental e inata de todo o ser humanos” (Familiaris Consortio, n.º 11).  Porém, há situações que tendem a tornar-se “uma coisa normal” em Timor-Leste. Ocorrem adultérios, divórcios, poligamia, união livre que são ofensa grave à dignidade do matrimónio e à família. E a população timorense espera que os políticos e líderes partidários sejam os primeiros a darem exemplo de honestidade, de solidariedade, de disciplina e de sacrifico e de dedicação. 
Muitos ou todos os membros da Renetil são cristãos. Se cristão significa ser um estilo novo de ser homem com uma nova maneira de estar na sociedade e de olhar a vida e o homem. “Por ser cristão, ele sabe que no centro da sua fé está o mandamento do amor e que Deus se identificou de tal maneira com os homens que o que fazemos por eles e por cada um deles Deus o recebe como feito por a Si próprio” (Américo Veiga, A Educação hoje, p. 360). 
Louvamos e apoiamos aqueles que militam na Renetil, nos partidos políticos e no governo. Como remate deste nosso humilde apelo aos quadros da Renetil, seja-nos permitido citar as sábias recomendações do Concilio Vaticano II: 
“Os partidos políticos devem promover o que julgam ser exigido pelo bem comum, sem que jamais seja lícito antepor o próprio interesse ao bem comum. Deve atender-se cuidadosamente à educação cívica e política, hoje tão necessária à população e sobretudo aos jovens, para que todos os cidadãos possam participar na vida da comunidade política. Os que são ou podem tornar-se aptos para exercer a difícil e muito nobre arte politica , preparem-se para ela; e procurem exercê-la sem pensar nos interesses próprios ou em vantagens materiais. Procedam com inteireza e prudência contra a injustiça e a opressão, contra o arbitrário domínio de uma pessoa ou de um partido, e contra a intolerância. E dediquem-se com sinceridade e equidade, mais ainda, com caridade e fortaleza politica, ao bem de todos” (GS, n. 75). 
A todos os que militam na Renetil e aos seus simpatizantes, desejo muitas felicidades e muito entusiasmo para imprimir um novo espírito e um novo rumo à esta nobre organização estudantil e universitária. 
Porto, 5 de junho de 2015. 
Dom Carlos Filipe Ximenes Belo 
Prémio Nobel da Paz 1996.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.