VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
NICOLAU LOBATO
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

Espelho da Realidade
A Esperança Nunca Morre
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
O lema UNIDADE, ACÇÃO, PROGRESSO, representa os valores básicos da política e moral em que assenta a vida da nação e do povo.
Marie Amude Bim Alkatiri
José Alexandre "Kay Rala Xanana" Gusmão
José Maria Vasconcelos "Taur Matan Ruak"
Mariano Sabino Lopes "Assanami"
Armanda Berta dos Santos

sexta-feira, 25 de abril de 2014

Timor-Leste vai começar a celebrar a chegada dos portugueses

@Foto www.virtualtourist.com
Díli – O Governo decidiu começar, no próximo ano, a assinalar o aniversário da primeira chegada dos portugueses a solo timorense. A comemoração terá lugar em Oe-Cusse.

Oe-Cusse foi a primeira parte da ilha de Timor onde os portugueses se estabeleceram, e é normalmente considerada o berço de Timor-Leste.

Em 1556 um grupo de frades dominicanos começou o trabalho missionário na costa norte de Timor. Em 1641 chegaram à aldeia de Lifau, cinco quilómetros a Oeste de Pante Macassar, onde baptizaram a família real do Reino Ambeno.

A população euro-asiática em Lifau ficou conhecida como «topasses». Depois de 1664 eram governados por funcionários pertencentes às famílias Hornay e Da Costa, e foram capazes de dominar a maioria de Timor.

Em 1859, com o Tratado de Lisboa, Portugal e Holanda dividiram a ilha entre si. Timor Ocidental tornou-se holandês, com sede colonial em Kupang, e Timor-Leste tornou-se português, com sede em Díli. Esta medida deixou Oe-Cusse como um enclave cercado de território holandês.

Timor Ocidental tornou-se parte da Indonésia e ganhou a sua independência em 1945. Após a revolução em Lisboa, em 1974, os timorenses formaram partidos políticos.

O partido FRETILIN queria a independência total, o partido UDT queria autonomia especial em Lisboa por dez anos, antes da independência total, e a APODETI queria integração na Indonésia.

KOTA e TRABALISTA eram pequenos partidos que finalmente se juntaram ao APODETI e UDT para favorecerem a junção de Timor Português à Indonésia, após Jacarta invadir o território no início de Dezembro de 1975, quando a descolonização ainda não tinha começado.

Indonésia de seguida mudou o nome de Timor Português para Timor-Timur (Timor-Leste) e criou as suas 27 províncias.

Durante 24 anos de ocupação, apesar de Oe-Cusse estar na área Indonésia foi sempre considerado por Jacarta como parte de Timor-Timur, até que o povo timorense ganhou a sua liberdade através do referendo organizado pelas Nações Unidas em 1999.

Após a independência, Timor-Leste decidiu dar um estatuto especial a Oe-Cusse, como Administração Autónoma, por causa da história do país.

Todos os timorenses concordam que Oe-Cusse é um local muito importante para a história de Timor-Leste, porque foi onde os portugueses desembarcaram pela primeira vez, antes de terem ocupado todas as áreas do país insular.

Oe-Cusse era a porta de Timor-Leste há centenas de anos. Para pensar sobre a história do país, Oe-Cusse foi escolhido pelo Governo como lugar para a celebração da primeira chegada de Portugal a Timor –Leste, no próximo ano.

O Executivo disse que a celebração também irá fortalecer a relação bilateral entre Díli e Lisboa. O Primeiro-ministro Xanana Gusmão visitou Oe-Cusse esta semana para realizar muitas actividades, inclusive informar as pessoas sobre a celebração e o plano do Governo para mudar o bairro para Zona Estratégica Económica, em breve.

O Governo de Xanana Gusmão escolheu Mari Alkatiri, secretário-geral da FRETILIN, para apresentar o plano da Zona Estratégica Económica.

Mari Alkatiri tem trabalhado para desenhar uma estratégica para alterar o distrito rural, com o fim de torna-lo numa zona económica mundial.

(c) PNN Portuguese News Network
http://www.jornaldigital.com/noticias.php?noticia=41441

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.