VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE

domingo, 30 de junho de 2013

Fundo desbloqueado

Quase três anos depois de ter sido anunciado pelo antigo primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, está já disponível a primeira tranche do Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa. São 125 milhões de dólares americanos (quase de mil milhões de patacas) para financiar investimentos de empresas chinesas e do universo lusófono.

Pedro Galinha

O anúncio foi feito ontem, mas o Fundo da Cooperação para o Desenvolvimento entre a China e os Países de Língua Portuguesa foi criado oficialmente na quarta-feira, lia-se no comunicado da Direcção dos Serviços de Economia. Ou seja, quase três anos depois de ter sido apregoado, em Novembro de 2010, pelo então primeiro-ministro chinês, Wen Jiabao, na 3ª Conferência Ministerial do Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Fórum Macau).

O valor global deste fundo é de mil milhões de dólares americanos, mas a primeira tranche está fixada em 125 milhões de dólares americanos. As entidades responsáveis pelo financiamento desta iniciativa, promovida pelo Governo Central, são o Banco de Desenvolvimento da China e o Fundo de Desenvolvimento Industrial e de Comercialização de Macau.

“É melhor tarde que nunca”, começa por dizer o presidente da Associação Comercial Internacional para os Mercados Lusófonos (ACIML), Eduardo Ambrósio, antes de revelar que, “até agora, os empresários não têm conhecimento sobre quais são os trâmites e procedimentos para pedir apoio do fundo”.

“Não temos qualquer informação”, insiste o dirigente da ACIML.

“Já pedimos algumas vezes, mas disseram sempre que a resposta viria em breve. Não temos nada na mão, mas, de qualquer maneira, é uma boa notícia e, assim que tivermos mais tempo, vamos ter uma reunião com os nossos associados para discutir como podemos aproveitar este fundo e expandir as nossas oportunidades de negócios”, afirma Eduardo Ambrósio.

O PONTO FINAL contactou o secretário-geral do Fórum Macau, Chang Hexi, que prometeu prestar todos os esclarecimentos sobre o fundo depois do “IX Encontro de Empresários para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e Países de Língua Portuguesa”. A reunião terá lugar em Díli (Timor-Leste), entre 1 e 3 de Julho, e conta com uma apresentação feita pelo Banco de Desenvolvimento da China no programa.

Áreas bem definidas

“O fundo concentrar-se-á nas necessidades de investimento e financiamento das empresas do Interior da China (incluindo Macau) e dos países de língua portuguesa”, precisava o comunicado da Direcção dos Serviços de Economia, que acrescentava que a sua constituição serve ainda para “promover a construção de infra-estruturas, transportes, telecomunicações, energia, agricultura e recursos naturais”.

Carmen Amado Mendes defende que a definição destas áreas de investimento revela “de forma transparente” os “interesses económicos e comerciais subjacentes à criação do Fórum Macau”. Mas a investigadora da Universidade Coimbra, que tem realizado vários estudos sobre esta plataforma multilateral, alerta para o facto de “o peso que cada uma destas áreas tem em cada um dos países de língua portuguesa varia”.

“Por exemplo, em Angola, o interesse na construção de infra-estruturas por empresas e trabalhadores chineses é particularmente evidente, a par da importação de petróleo, numa lógica conhecida por ‘Resources for Infrastructure’. No Brasil, o envolvimento nas infra-estruturas não é tão visível e está geralmente confinado à área de exploração e transporte de recursos naturais. A importação de petróleo, minério de ferro e soja domina a balança comercial”, nota Carmen Amado Mendes.

Em Portugal, o investimento chinês na EDP e REN são “uma história bem conhecida”. Já em Timor-Leste, chegou à rede de distribuição eléctrica nacional, “pelas montanhas mais recônditas”, e o petróleo “também tem um peso importante na equação”.

A aposta no sector agrícola é outra face visível da relação comercial e económica entre a China e o mundo lusófono. “O investimento chinês na agricultura é crescente em muitos destes países, nomeadamente Moçambique, e o peixe da Guiné tem características de grande atractividade para os chineses. Guiné e Moçambique são também países que têm exportado muita madeira (não transformada) de todas as qualidades para a China”, aponta a académica.

“Em suma, não espanta que o fundo se concentre em apoiar as áreas de principal interesse chinês nos restantes países do Fórum Macau. Este fundo vai, assim, facilitar o investimento nessas áreas e, embora teoricamente funcione também no sentido contrário, ou seja, para apoiar o desenvolvimento das empresas desses países na China, o grande objectivo é reforçar a presença chinesa no mundo lusófono com um instrumento que tornará as empresas chinesas ainda mais competitivas, para desespero das outras dos países membros do Fórum Macau, nomeadamente portuguesas e brasileiras”, conclui Carmen Amado Mendes.

O comércio entre a China e os países de língua portuguesa atingiu 523 milhões de patacas, em 2012. De acordo com o comunicado de ontem da Direcção dos Serviços de Economia, a constituição e o funcionamento do fundo agora desbloqueado, “alarga o espaço da cooperação económica e comercial” entre os actores da relação sino-lusófona, sem esquecer as oportunidades para Macau.

Pedro Galinha
Fundo desbloqueado
Opiniao: www.pontofinalmacau.wordpress.com

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.