VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente

Hili ho konsiensia, vota ho Hanoin ba POVU no Domin ba TIMOR-LESTE
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...
TIMOR-LESTE



Entrevista
a Nicolau dos Reis Lobato


Lei Bandu Labarik Labele Involve Iha Kampaha Ba Futuru, Vota ho Dame! Sukit-malu mak "interesse nacional" Partido nebe la halo promesa iha eleisaun... Pemilu Timor-Leste: "Keadilan Waktu" Mestri demokrasia sira kontra fali demokrasia “LÍDER IDEAL” Não creio que TMR possa vir a ser o Macron de Timor

sexta-feira, 7 de junho de 2013

Excertos do Discurso de J. Ramos-Horta por Ocasião da Apresentação do Relatório sobre Desenvolvimento Humano

6 de Junho de 2013

Aqui, na Guiné-Bissau, entretanto, para olharmos para o futuro temos primeiro de reflectir sobre a situação actual. Neste sentido, quero saudar a aprovação, pela Assembleia Extraordinária de 29 de Maio passado, dos instrumentos de transição:
  1. Pacto de transição e acordo político;
  2. Roteiro de transição política; e o
  3. Acordo de princípio para a restauração da ordem constitucional, que já tinha sido assinado em 30 de Abril.
Sem dúvida que a aprovação destes instrumentos foi um passo positivo para a restauração da ordem constitucional.

O pacto de transição e acordo político foi o resultado de um longo processo de consultas da Comissão Parlamentar sobre o Pacto de Regime com os partidos políticos, os militares e a sociedade civil, desde Dezembro de 2012, e foi assinado por todas as partes, antes de ser submetido ao Parlamento Nacional. Por outro lado, o Acordo assinado entre os dois maiores partidos representados na Assembleia Nacional Popular é um sinal de que existe o compromisso de procurar consensos, relativamente às reformas necessárias, e tanto no período até à realização de eleições, como no período pós eleições.

Estes compromissos são essenciais para as prioridades de garantir o apoio da Comunidade Internacional e da restauração da ordem constitucional.

Neste domínio, a Comunidade Internacional está alinhada e a sua concertação foi reconhecida pelo Conselho de Segurança que se “congratulou com os esforços conjuntos por parte dos parceiros internacionais, em particular da União Africana, da CPLP, a CEDEAO, da União Europeia e das Nações Unidas, no sentido de reforçarem a cooperação no apoio à restauração da ordem constitucional na Guiné-Bissau.”

E frisou a importância da realização de eleições livres, justas e transparentes para assegurar o restabelecimento da ordem constitucional até o final de 2013.

Todos os parceiros o exigem e não poderá haver dúvidas sobre o rigor destas exigências da Comunidade Internacional. Espera-se que o novo governo inclusivo possa ser anunciado até ao final desta semana.

Os compromissos exigidos aos Guineenses não se esgotam na realização dessas eleições.

As eleições serão apenas um passo – necessário e fundamental – para que se inicie uma segunda etapa de transição, com o apoio da Comunidade Internacional.

E quanto às eleições tenho defendido que os Guineenses devem adoptar uma nova cultura política onde as eleições não levem a divisões, onde quem ganha não leva tudo.

Os enormes desafios da Guiné-Bissau impõe que não seja apenas um partido político a levar a cabo a 2.ª etapa da reorganização e modernização do Estado, com colocação de peritos internacionais em todas as áreas estratégicas.

Para este fim, é necessário um largo consenso que apenas um governo de unidade nacional, mas saído das próximas eleições, conseguirá forjar. É este o esforço dos Guineenses, e não outro, que será apoiado pela Comunidade Internacional.

Para além de todos os indicadores estruturais, a situação económica e social que se vive na Guiné-Bissau é preocupante:
  • A Guiné-Bissau, segundo dados do UNICEF, é o sétimo país do mundo onde morrem mais crianças antes de completarem os cinco anos de idade.
  • Muitas pessoas seropositivas deixaram de beneficiar dos medicamentos necessários para a sobrevivência.
  • A violência contra as mulheres tem aumentado. Diversos projectos legislativos neste domínio já finalizados devem ser aprovados e promulgados o mais rapidamente possível.
  • A redução da pobreza, um dos principais Objectivos do Milénio para o Desenvolvimento, é uma meta quase inatingível – o desemprego persiste, as desigualdades agravam-se, as condições de saúde e educação deterioram-se.
As dificuldades do governo com o pagamento de salários resultou em greves da função pública. E se não forem tomadas medidas atempadas, estas greves poderão, por exemplo, por em causa, mais uma vez, o ano lectivo, prejudicando assim o presente e o futuro de milhares de crianças – é quase uma geração de rendimento escolar ameaçado, num país onde os níveis de iliteracia já eram muito elevados.

Para além do não pagamento de salários, o que aumenta a desmotivação dos funcionários nas tarefas em benefício da população, o País não tem conseguido assegurar serviços mínimos, nomeadamente o abastecimento de água, electricidade, saneamento ou estradas.

A época das chuvas que agora se inicia poderá trazer novo surto de cólera e outras epidemias se não se tomarem medidas urgentes de prevenção.

Com a tradição de trocar caju por arroz, há fortes probabilidades de a segurança alimentar da população estar em risco, o que sucede numa altura em que, como sabeis, alguns dos parceiros que sempre apoiaram a Guiné-Bissau nestes domínios, como o PAM, também enfrentam dificuldades.

Algumas das maiores riquezas do país, as suas madeiras, estão a ser abusivamente exploradas. Isso está a ter efeitos negativos imediatos sobre as populações que vivem das florestas. Mas também ameaça a biodiversidade e a resiliência da Guiné-Bissau aos impactos das alterações climáticas.

Os recursos piscícolas também não estão a ser protegidos e o Estado não tem capacidade para fiscalizar as suas águas.

Estas preocupações foram expressas pelo Conselho de Segurança que reforçou o mandato do UNIOGBIS. Foi estabelecida uma agenda de paz e segurança que deverá ser cumprida para permitir lançar as bases do desenvolvimento humano na Guiné Bissau.

Por isto, o Conselho de Segurança reconhece uma transição em duas etapas para a consolidação da paz e reconstituição das instituições do Estado.

Durante a primeira etapa – apoio ao retorno à ordem constitucional através de eleições – o Conselho de segurança exorta o UNIOGBIS a apoiar as autoridades da Guiné-Bissau, entre outras prioridades, a:
  • Estabelecer o controlo civil sobre as forças armadas;
  • Aumentar a coerência, a coordenação e eficiência no combate ao trafico de drogas e crime organizado;
  • Proteger os direitos humanos, acabar com a impunidade, o clima de medo e as restrições à liberdade;
O sucesso desta agenda permitirá garantir, numa segunda etapa, um apoio eficaz ao fortalecimento das instituições do Estado, não apenas através de apoio financeiro mas também através da co-locação de peritos no sentido de implementar os planos de desenvolvimento nacionais, tais como o DENARP II.

Neste sentido, as Nações Unidas são um parceiro muito bem posicionado para apoiar a Guiné-Bissau a fazer face a algumas das dificuldades do país.

Sim, mas todos os guineenses, sobretudo aqueles que têm mais poder de decisão e intervenção, têm de demonstrar uma vontade, uma capacidade e um empenho forte de viverem em paz e construírem uma sociedade mais justa, mais dialogante e mais voltada para o desenvolvimento humano.

No relatório que o PNUD hoje vos convida a debater, vemos muitos exemplos de Estados que, apesar de décadas de uma situação de pobreza e de progressos muito lentos ou quase inexistentes, conseguiram dar o salto e emergir nos mercados mundiais ou pelo menos no âmbito regional.

Tudo aconteceu porque apostaram em nichos de mercado, porque investiram na educação de qualidade, na saúde de excelência e em maior equidade. Sobretudo, porque se aplicaram em garantir a estabilidade, a paz e a segurança da população e dos investidores internacionais.

O Governo que sair das próximas eleições herda uma situação política, social e económica complexa que vai exigir respostas imediatas e que não podem ser pensadas apenas depois das eleições, devendo começar já a ser definidas todas as prioridades. É também necessário começar já a procurar possíveis fontes de financiamento.

Propus a criação de uma comissão envolvendo o Presidente da República de transição, o Governo e representantes da comunidade internacional para:
  1. Definir as prioridades até ao final do ano: a situação actual que se vive exige medidas urgentes para a estabilização económica e social.
  2. Definir as prioridades de governo para o ano de 2014.
  3. Organizar e preparar uma conferência de parceiros de desenvolvimento logo após as eleições.
Porém, o sucesso de uma conferência de parceiros de desenvolvimento depende de ser bem preparada e do seu timing. Para que possa capitalizar o sucesso da organização das eleições e permitir o funcionamento do governo, logo após eleições. Deve começar a ser planeada, pelo menos, 6 meses antes.

Um dos primeiros passos a empreender para resolver os numerosos desafios sociais e económicos da Guiné-Bissau, de que aqui deixei alguns exemplos ilustrativos, consiste em encontrar soluções para o embaraço da situação política.

Encontrar novas parcerias pode ser uma resposta para relançar o progresso do país e a conferência de parceiros pode ser determinante para os próximos anos na Guiné-Bissau.

Mas para isso é necessário que o Estado recupere a confiança dos seus parceiros de desenvolvimento.

Esta a esperança de todos nós numa Guiné-Bissau próspera e digna da tradição de luta pela liberdade, a justiça e a paz que sempre foi a do povo guineense.

www.ramoshorta.com
Jose Ramos Horta
Special Representative for the Secretary-General and head of the UN Integrated Peacebuilding Office in Guinea-Bissau (UNIOGBIS)

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.