VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

7 Dezembru 1975
Invazaun Militar Indonesia nian ba Timor-Leste
TIMOR-LESTE


Interview with
Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name

 
 
   

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

AS ELEIÇÕES DE 2012 EM TIMOR-LESTE E A NECESSIDADE DA PRESERVAÇÃO DA PAZ

No ano de 2012 realizar-se-ão em Timor-Leste as eleições presidenciais e legislativas. Para que essas eleições sejam justas, é indispensável que elas decorrem num clima de paz e de tranquilidade. Para que haja paz e tranquilidade nas aldeias, vilas e em todo o país, é necessário que os Timorenses se eduquem para a paz, para a democracia, para o diálogo e vivam numa cultura de paz.

Mas o que é a paz? Em Tétum a paz diz-se “dame”, em Bahasa Indonésia “kedamaian”, em Português paz. A palavra portuguesa “paz”, a espanhola “paz”, a italiana “pace”, a francesa “paix” e a inglesa “peace”, provém da palavra latina “Pax, pacis”. O termo pax, pacis com o dativo pacem, corresponde ao termo hebraico shalom, palavra que deriva da raiz “shelemut” e, significa perfeição, plenitude.

No Império Romano o conceito de Pax indicava o período em que a nível interno, não havia lutas, nem conflitos nem guerras civis. Pelo contrário predominava uma ordem geral de ordem, de tranquilidade. Essa ordem geral chamava-se “Pax Romana”. Ligado ao conceito da paz, os romanos cultivavam outros conceitos abstractos, como concordia (concórdia), honor (honra), fides (fé), virtus (virtude), victoria (vitória).

No contexto judaico-cristão, ao termo Shalom existem termos associados como harmonia, tranquilidade, felicidade, prosperidade, bem-estar, graça. Shalom significa ainda bênção, manifestação da graça divina, justiça, verdade. No livro do profeta Isaías a “paz é fruto da justiça” (Is. 32,17). Segundo o mesmo Profeta “Deus é Príncipe da Paz messiánica (Is. 9, 5).

Nos Evangelhos, a palavra paz ocorre em várias passagens. Na noite em que nascia o menino Jesus, os Anjos cantavam: “Gloria a Deus nas alturas e paz aos homens de boa vontade”(Lc 2,14s); Depois da sua Ressurreição, Nosso senhor Jesus Cristo dirige palavras de paz aos seus discípulos: “ A paz seja convosco” (Jo. 21, 19 e 21); “Deixo-vos a paz, dou-vos a minha paz” (14,27). São Paulo afirma que a verdadeira paz é o pessoa de Jesus Cristo: “Ele é a nossa Paz” (Ef.2, 14).

Os Padres da Igreja nas suas catequeses insistiam muito a paz, a ordem, a tranquilidade, a justiça e o amor ao próximo. Santo Agostinho, bispo de Hipona (séc. IV), no norte da África, dizia que a paz é a “tranquilidade na ordem”.

No século XX, depois das duas Grandes Guerras Mundiais (1914-1918) e (1939-1945) As Nações Unidas publicaram a Declaração Universal dos Direitos Humanos (1948). Logo no Preâmbulo se pode ler: “Considerando que o reconhecimento d dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo.”

Ainda no século passado a Igreja Católica quer através dos Documentos do Concílio Vaticano II quer através do magistério dos Papas (João XXIII, Paulo VI e João Paulo II) tem repetido em várias ocasiões que questão da Paz é fundamental para a vida dos homens e do planeta.
O Concílio Vaticano II afiram que a paz não é só a ausência da guerra e nem se reduz ao estabelecimento de equilíbrio entre forças adversas (cfr. GS, n. 78). Para se edificar a paz é necessária a vontade firme de respeitar a dignidade dos outros homens, outros povos e, portanto, é necessária a prática da fraternidade.

Segundo o Papa Paulo VI (1963-1978) o novo nome da paz é desenvolvimento. Porém, não se trata apenas de um desenvolvimento económico, mas um desenvolvimento autêntico que visa promover todos os homens e o homem todo. Nesta perspectiva, a paz significa a erradicação de injustiças e desigualdades de ordem económica ou social; erradicação de invejas, de desconfiança e do orgulho que grassam entre os homens e as nações e que são uma constante ameaça a paz (cf. a Carta Encíclica Populorum Progressio, n. 5, n. 13, etc.).

O antecessor de Paulo VI, o Papa João XXIII (1958-1963), escreveu a Encíclica Pacem in Terris. Na perspectiva do Papa, “as mútuas relações internacionais devem regular-se não pelo recurso à força das armas, mas pela norma da recta razão, isto é, na base da verdade, da justiça e de uma activa solidariedade.” (cfr. P. in T., nn. 34-38).

(continia no próximo número).

Porto, 30 de Dezembro de 2011.
Dom Carlos Filipe ximenes Belo


Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.