VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
NICOLAU LOBATO
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

Espelho da Realidade
A Esperança Nunca Morre
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
POVU NIA LIAN
Bazeia Polemika Iha Publiku, Deputadu sira Kansela Leilaun Prado
Estraga Karreta 12, MUTL Husu PNTL Investiga
Membru PNTL Asalta UNTL
Lejislatura Da-haat Mak Sei Ezekuta Kareta Prado

 
 
   

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Guine-Bissau e Mocambique na cauda do desenvolvimento humano

Jorge Heitor )*

Excluindo Portugal, considerado entre os 43 países onde melhor se vive, o Brasil e Cabo Verde são os países lusófonos com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), de acordo com o relatório 2010 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), ontem distribuído.

O Brasil encontra-se num índice de desenvolvimento elevado e Cabo Verde num índice de desenvolvimento médio, tal como Timor-Leste e São Tomé e Príncipe, enquanto os restantes países de língua oficial portuguesa já caem na categoria dos de desenvolvimento humano baixo: Angola, Guiné-Bissau e Moçambique.

Os brasileiros registam um IDH de 0,699, não muito diferente do que tinham há cinco anos, se bem que os critérios adoptados este ano sejam diferentes, e têm uma esperança de vida de 72,9 anos, bem como uma escolaridade média de 7,2 anos.

Cabo Verde está agora com um índice de 0,534, à frente da Índia, tem uma esperança de vida de 71,9 anos e um Produto Nacional Bruto (PNB) per capita de 3.306 dólares. Timor-Leste regista o índice 0,502, tem vindo a subir muito desde 2005, mas a sua esperança de vida é de apenas 62,1 anos, não chegando os seus habitantes a ter em média três anos de escolaridade.

Para as ilhas de São Tomé e Príncipe o índice é de 0,488, a esperança de vida, 66,1 anos, a escolaridade média de 4,2 e o PNB per capita de 1.918, superior ao do Quénia ou ao do Bangladesh.

Angola não consegue mais do que a 146ª posição reste ranking do PNUD, com um índice de 0.403 (ligeiramente inferior ao do Haiti), apenas uma esperança de vida de 48,1 anos e uma escolaridade média de 4,4, apesar de ter um PNB per capita de 4.941 dólares, o mais elevado de todos os países com um baixo IDH.

A Guiné-Bissau, apesar de ter sido a primeira das colónias africanas de Portugal que no século passado se tornaram independentes, ainda se encontra abaixo do Chade em questões de desenvolvimento humano, com o índice 0,289, 48,6 anos de esperança de vida e um mero PNB per capita de 538 dólares, inferior ao de países como a Serra Leoa ou o Níger.

Por último, de entre os territórios lusófonos, está Moçambique, com o IDH 0, 284, 48,2 anos de esperança de vida e uma escolariedade média de uns escassos 1,2 anos.

)* Jornalista do Público
http://www.publico.clix.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.