VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE

 
 
   

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Guine-Bissau e Mocambique na cauda do desenvolvimento humano

Jorge Heitor )*

Excluindo Portugal, considerado entre os 43 países onde melhor se vive, o Brasil e Cabo Verde são os países lusófonos com o melhor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), de acordo com o relatório 2010 do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), ontem distribuído.

O Brasil encontra-se num índice de desenvolvimento elevado e Cabo Verde num índice de desenvolvimento médio, tal como Timor-Leste e São Tomé e Príncipe, enquanto os restantes países de língua oficial portuguesa já caem na categoria dos de desenvolvimento humano baixo: Angola, Guiné-Bissau e Moçambique.

Os brasileiros registam um IDH de 0,699, não muito diferente do que tinham há cinco anos, se bem que os critérios adoptados este ano sejam diferentes, e têm uma esperança de vida de 72,9 anos, bem como uma escolaridade média de 7,2 anos.

Cabo Verde está agora com um índice de 0,534, à frente da Índia, tem uma esperança de vida de 71,9 anos e um Produto Nacional Bruto (PNB) per capita de 3.306 dólares. Timor-Leste regista o índice 0,502, tem vindo a subir muito desde 2005, mas a sua esperança de vida é de apenas 62,1 anos, não chegando os seus habitantes a ter em média três anos de escolaridade.

Para as ilhas de São Tomé e Príncipe o índice é de 0,488, a esperança de vida, 66,1 anos, a escolaridade média de 4,2 e o PNB per capita de 1.918, superior ao do Quénia ou ao do Bangladesh.

Angola não consegue mais do que a 146ª posição reste ranking do PNUD, com um índice de 0.403 (ligeiramente inferior ao do Haiti), apenas uma esperança de vida de 48,1 anos e uma escolaridade média de 4,4, apesar de ter um PNB per capita de 4.941 dólares, o mais elevado de todos os países com um baixo IDH.

A Guiné-Bissau, apesar de ter sido a primeira das colónias africanas de Portugal que no século passado se tornaram independentes, ainda se encontra abaixo do Chade em questões de desenvolvimento humano, com o índice 0,289, 48,6 anos de esperança de vida e um mero PNB per capita de 538 dólares, inferior ao de países como a Serra Leoa ou o Níger.

Por último, de entre os territórios lusófonos, está Moçambique, com o IDH 0, 284, 48,2 anos de esperança de vida e uma escolariedade média de uns escassos 1,2 anos.

)* Jornalista do Público
http://www.publico.clix.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.