VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

I N T E R F E T
15 Setembro 1999
O Conselho de Segurança da ONU aprova a Resolução n° 1264,
que autoriza a criação de uma força internacional para Timor-Leste (INTERFET)
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
Dezenvolvimentu Nasional presija iha Programa nebeé Programátiku
Reasun Oposisaun ba Programa VII gov
Primeiro-ministro timorense não entende críticas a programas..
Oposição exige explicações ao Gov sobre justiça e reforma adm..
Xanana Gusmão quer "ganhar experiência" como oposição..
Governo quer duplicar receitas domésticas com IVA e impostos tabaco...
Masuk Indonesia Tanpa Paspor, 2 Warga Timor Leste Diamankan Polisi
Opozisaun Rejeita, Programa VII Governu, Alkatiri: “Hau Prontu...”
Timor "satisfeito" novo acordo que regula fronteira com Austrália
Comissão confirma acordo entre Timor-Leste e Austrália

 
 
   

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

PSD pede Investigação à Procuradora Geral da República, Dra. Ana Pessoa Pinto

DECLARAÇÃO POLÍTICA

Deputado Hermes Barros, PSD

Investigação à Procuradora Geral da República, Dra. Ana Pessoa Pinto

I. Introdução

Antes de iniciar esta declaração política no Parlamento Nacional, segundo o regimento do Parlamento, cada deputado tem o direito de fazer declarações, sobre os assuntos de interesse público. Trazer para debate o tema desta declaração política: Investigação à PGR, Dra. Ana Pessoa Pinto.

Antes de mais, gostaria de colocar as seguintes questões como ponto de partida: Porquê? Com base em quê? Venho fazer este declaração política.

Porquê?

II. Caso Vice Primeiro-Ministro (VPM) José Luis Guterres (JLG) e Ministro dos Negócios Estrangeiros (MNE) Zacarias Albano da Costa (ZAC)

No processo que envolve os governantes, VPM JLG e MNE ZAC, a PGR Dra. Ana Pessoa Pinto, confundiu o exercício do poder como Ministério Público e a sua ligação político-partidária. No caso concreto, como Ministério Público que conduziu o processo da investigação e deduziu a acusação. Ao mesmo tempo, a PGR condena os acusados ou arguidos. A prova concreta disso, é que a PGR Dra. Ana Pessoa Pinto, enviou carta e anexo da acusação do MP ao Primeiro-Ministro, Kay Rala Xanana Gusmão, no dia 30 de Agosto de 2010, notificando o chefe do Governo sobre os membros do governo acusados e pedindo, ao mesmo tempo, a suspensão dos mesmos dos seus cargos. Só demonstra que, com base no interesse do poder político, a actuação da Sra. PGR comete erros graves, dos quais vou apenas enumerar três:


1. Abuso de poder

O Ministério Público exerce a sua função, de conduzir o processo de investigação até deduzir as acusações contra os arguidos. Depois do final da investigação, o processo segue para tribunal. De acordo com o Código de Processo Penal (CPP) de Timor-Leste, no seu artigo 239, cabe ao juiz do processo que avalia o caso, dizer se tem mérito e se os argumentos da acusação têm fundamento ou não. Se o juiz que liderou o processo, considerar que o processo tem fundamento, a partir daí, o juiz notifica os arguidos. No caso concreto, foi levantada a imunidade aos dois membros do governo, VPM JLG e MNE ZAC, os quais se apresentam como cidadãos normais, de acordo com a Constituição da RDTL, no seu artigo 113º.

2. Fraude contra o PM

Atráves da carta que a Procuradora Geral da República (PGR), Dra. Ana Pessoa Pinto, enviou ao PM Kay Rala Xanana Gusmão, no dia 30 de Agosto de 2010. Aproveitou o ambiente político que o governo enfrentou, com o objectivo de criar o «caos» no governo liderado pelo PM Kay Rala Xanana Gusmão.

3. Distribui a acusação do Ministério Público no Parlamento Nacional

A Dra. Ana Pessoa Pinto, como PGR, não conseguiu separar os interesses da política partidária do interesse nacional, uma vez que continua a ser militante activa e ideológica do partido Fretilin. Actualmente, a exercer a função de PGR, cometeu mais um erro grave, distribuindo a acusação do Ministério Público no Parlamento Nacional, principalmente na Comissão A do Parlamento.

O acto demonstra que a Dra. Ana Pessoa Pinto, usa a justiça como meio de atingir os seus objectivos políticos, através da perseguição política aos seus adversários políticos, começando com o caso do VPM JLG e MNE ZAC. Quem será o futuro alvo a atingir?

III. Corrupção, má administração e enriquecimento ilícito

1. Produzir cartão eleitoral para as eleições de 2006

Produzir cartão eleitoral em 2006, com o montante orçamental de cerca de US$1,113 mil, através do single source, e indicando a companhia VIP Computer.
.
Agiu contra a Lei de aprovisionamento centralizado, a qual centralizou essas decisões no Ministério do Planeamento e Finanças (MPF) do governo anterior.
.
Com estes actos e práticas, demonstrou claramente que, enquanto Ex-Ministra Estatal e actual PGR, a Dra. Ana Pessoa Pinto, praticou Corrupção, má administração e enriquecimento ilicito.

2. Geradores

No tempo em que desempenhou a sua função como Ministra Estatal do governo anterior, a Dra. Ana Pessoa Pinto, decidiu comprar 52 unidades de geradores. O processo foi o mesmo, violando as regras do aprovisionamento e indicando a companhia Digital Printer para efectuar a compra.

Não só se verificaram irregularidades no processo de tenderização, como até especulação dos preços. Se comprasse os geradores em Díli, cada unidade custaria US$800. Comprando em Surabaya, o preço por unidade foi de US$3,200.
.
A companhia Digital Printer, foi comprar os geradores em Surabaya com o preço especulativo apresentada pelo Ministério Estatal. Demonstra uma vez mais, prática de corrupção, má administração e enriquecimento ilícito.

Com base em Quê:

1. Segundo o Código de Processo Penal (CPP) de Timor-Leste, no seu artigo 12º, nº.2, alínea a), “ é da competência do supremo tribunal de justiça” julgar processos por crimes cometidos pelos juízes do Supremo tribunal da Justiça, Procurador-geral da República e demais agentes do Ministerio Público que exerçam funções junto daquele tribunal”. Quando Timor-Leste ainda não tinha estabelecido o Supremo Tribunal de Justiça, todos os processos eram enviados para o Tribunal de Recurso.

2. Segundo o Estatuto do Ministério Público, no seu artigo 42º, alínea 3),” - inquérito ao Procurador-geral da República e Adjuntos de PGR”. Cabe ao Supremo Tribunal de Justiça ou Tribunal de Recurso, prosseguir com o processo de investigação criminal contra a Dra. Ana Pessoa Pinto, como Procuradora Geral da República.

IV. Atráves do Parlamento Nacional, venho exigir:

1. Com base no CPP, artigo 12º, cabe ao Supremo Tribunal de Justiça ou Tribunal de Recurso investigar a Dra. Ana Pessoa Pinto, como Procuradora Geral da República.

2. Segundo o Estatuto do Ministerio Público, no seu artigo 42º, alínea 3), a Dra. Ana Pessoa Pinto, como PGR, está submetida a investigação por parte do Supremo Tribunal de Justiça ou Tribunal de Recurso.

3. Tem indicação de abuso de poder e prática de corrupção, má administração e enriquecimento ilícito, e tornar-se-á como conhecimento de oficiosa pública. O Supremo Tribunal de Justiça ou Tribunal de Recurso, devem averiguar crimes com indicação de abuso de poder, prática de corrupção, má administração e enriquecimento ilícito.

4. Porque o crime é público, ou do conhecimento público, o Supremo Tribunal de Justiça ou o Tribunal de Recurso, devem efectuar uma investigação, porque o crime já se tornou do conhecimento público.

5. Para facilitar o processo da investigação, à Dra. Ana Pessoa, Pinto como Procuradora Geral da República, deveria ser retirada a imunidade como detentor de cargo dum órgão da soberania, para se submeter a investigação.

Parlamento Nacional, 19.10.2010!

Versaun Tetum: http://forum-haksesuk.blogspot.com/2010/10/psd-husu-investigasaun-ba-prokuradora.html

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.