VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Congresso  Nacional de Recontrucão de Timor-Leste Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente Partido Democratico Frenti-Mudança FM Partido Socialista Timor Partido do Desenvolvimento Nacional Associação Social-Democrata Timorense União Nacional Democrática de Resistência Timorense União Democrática Timorense Partidu Republikanu Partido Libertasaun Povu 

Aileba Partido Democrática Republica de 

Timor Associação Popular Monarquia Timorense Partido Unidade Nacional Partido Milénio Democrático Klibur Oan Timor Asuwain Aliança Democrática Partido Timorense Democrático Partidu Democrática Liberal Partido do 

Desenvolvimento Popular Partido Democrata Cristão

TIMOR-LESTE
Ami nia mehi ma'ak Liberta ita nia Rain no Liberta ita nia Povo, Ita hotu nia Mehi ma'ak Ukun Rasik An!".


Se Ma'ak Atu Ba Tuur Iha
Palasiu Prezidensial Nicolau Lobato?

Antonio Maher Lopes "Fatuk Mutin"

Francisco Guterres "Lu Olo"

Amorim Vieira

José Neves "Samala Rua"

Jose Luis Guterres "Lugu"

Angela Freitas

Luis Alves Tilman

António da Conceição “Kalohan”

terça-feira, 21 de junho de 2016

SÃO TOMÁS MORE (Inglês), Padroeiro dos governantes e dos políticos

Dom Carlos Filipe Ximenes Belo
Ocorre no dia 22 de Junho a memória de dois santos ingleses: São João Fisher e São Tomás More, mártires. São João Fisher (nasceu em 1469) era bispo de Rochester. Foi Chanceler da Universidade Cambridge. Insurgiu-se contra de Henrique VII e foi condenado à morte em 1535.

Tomás More era leigo e político. Nasceu em Londres em 1478. Estudou em Oxford. De grande cultura intelectual, conhecia bem as correntes que proliferavam pela Europa. Do século XVI. Manteve-se sempre intransigente na defesa dos princípios morais da Igreja. Foi nomeado pelo rei Chanceler do Reino em 1529. O Papa São João Paulo II, publicou uma carta apostólica “E Sancti Tomae Mori”, e que proclamou Tomás More patrono dos governantes e dos políticos (31 de Outubro de 2000), com devida vénia, extraímos: “Fiel aos seus princípios, empenhou-se por promover a justiça e conter a danosa influência de quem buscava os próprios interesses à custa dos mais débeis. Em 1532, não querendo dar o próprio apoio ao plano de Henrique VIII que desejava assumir o controle da Igreja da Inglaterra, pediu a própria demissão. Retirou-se da vida pública, resignando-se a sofrer, com a sua família, a pobreza e o abandono de muitos que, na prova, se revelaram falos amigos.

Constatando a firmeza irremovível com que ele recusava qualquer compromisso contra a própria consciência, o rei mandou prendê-lo, em 1534, na Torre de Londres, onde foi sujeito a várias formas de pressão. Mas Tomás More não se deixou vencer, recusando prestar o juramento que lhe fora pedido, porque comportaria um a aceitação de um sistema politico e eclesiástico que preparava terreno para um despotismo incontrolável. 

Ao longo do processo que lhe moveram, pronunciou uma ardente apologia das suas convicções sobre a indissolubilidade do matrimónio, o respeito pelo património jurídico inspirado nos valores cristãos, a liberdade da Igreja face ao Estado. Condenado pelo Tribunal foi decapitado” e isso no ano de 1535.

Que São Tomás More proteja os governantes e políticos timorenses no desempenho das suas funções ao serviço do Povo e do Bem Comum.

Porto, 21 de Junho de 2016

Dom Carlos Filipe Ximenes Belo

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.