VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente

Hili ho konsiensia, vota ho Hanoin ba POVU no Domin ba TIMOR-LESTE
... ... ... ... ... ... ... ... ... ... ...
TIMOR-LESTE



Entrevista
a Nicolau dos Reis Lobato


Lei Bandu Labarik Labele Involve Iha Kampaha Ba Futuru, Vota ho Dame! Sukit-malu mak "interesse nacional" Partido nebe la halo promesa iha eleisaun... Pemilu Timor-Leste: "Keadilan Waktu" Mestri demokrasia sira kontra fali demokrasia “LÍDER IDEAL” Não creio que TMR possa vir a ser o Macron de Timor

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Portugal e Timor: 500 anos demasiado distantes

Publicado em: 27/11/2015 - 0:05:17

Portugal e Timor: 500 anos demasiado distantes

António Prôa
Vereador na Câmara Municipal de Lisboa
Lamentavelmente, em Portugal, as comemorações desta efeméride passam despercebidas

Timor-Leste celebra neste ano os quinhentos anos da chegada dos portugueses a Oecusse (atual enclave). Pese embora não seja possível determinar com exatidão o ano efetivo da chegada dos primeiros navegadores e missionários, estima-se que terão desembarcado neste território por volta de 1515.

Em Timor, os portugueses beneficiaram da abundância de sândalo (madeira aromática de elevado valor) e posteriormente da comercialização do café, cana-de-açúcar e algodão das plantações que introduziram. Paralelamente, os missionários católicos portugueses promoveram a implantação da religião católica entre os timorenses.

Hoje, cinco séculos depois, mesmo do outro lado do mundo, Timor-Leste conserva bem presente a marca da passagem dos portugueses seja na arquitetura, na cultura, nas relações familiares entre portugueses e timorenses ou na língua – talvez o “ativo estratégico” mais relevante.

Facto talvez inédito, mas seguramente muito pouco frequente, é a circunstância de um povo, outrora colonizado, celebrar a chegada dos seus colonizadores e cerca de cinco séculos de colonização. Esta circunstância deve merecer reflexão e respeito.

A comemoração em Timor-Leste de cinco séculos sobre a chegada dos portugueses a esta ilha é a prova mais evidente de estarem ultrapassadas eventuais feridas coloniais e que se evoluiu para uma relação exemplar entre dois povos, sem complexos e sem preconceitos.

O Governo timorense constituiu uma comissão organizadora das comemorações dos quinhentos anos da chegada dos portugueses que promove um conjunto extenso e diversificado de eventos de caráter cultural, desportivo e religioso que ocorrem sobretudo em Lifau (Oecusse) e Díli durante todo o mês de novembro. Entre estes, destacam-se a inauguração de um monumento em Lifau e a sessão solene de comemoração no dia 28 de novembro.

Perante o facto histórico e o empenho de Timor-Leste na comemoração dos quinhentos anos da chegada dos portugueses a Timor-Leste, Portugal tinha obrigação (para não se referir o “interesse”) de corresponder em empenho e consideração.

Lamentavelmente, em Portugal, as comemorações desta efeméride passam despercebidas. Assim, entre os velhos complexos do ex-colonizador (que em Timor foram ultrapassados) e a indiferença acentuada pela distância geográfica, a representação oficial portuguesa fica-se pela quarta figura do estado (não há justificação para não estar o presidente da Assembleia da República), esquece-se a possibilidade de estar presente um ex-presidente da república (por ex. Jorge Sampaio) e em Portugal não se conhecem eventos evocativos que correspondam, pelo menos, à importância que Timor-Leste conferiu.

Este afastamento de Timor-Leste é tanto mais estranho quando, ainda nos anos noventa, na sequência do massacre indonésio sobre os timorenses no cemitério de Santa Cruz, Portugal e o mundo “acordaram” para a situação dramática de violação dos direitos humanos a que foram sujeitos os timorenses. Nessa ocasião, mesmo longe geograficamente, todo o país se mobilizou em iniciativas de apoio que só cessaram depois de conquistada a independência Timor-Leste e reposto o devido respeito pelo povo de Timor.

Agora, perante o este gesto de maturidade histórica, quinhentos anos depois, Portugal fica mais longe de Timor-Leste porque não correspondeu à aproximação dos timorenses.

António Prôa
Vereador na Câmara Municipal de Lisboa
http://www.oje.pt/portugal-e-timor-500-anos-demasiado-distantes/
www.oje.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.