VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Congresso  Nacional de Recontrucão de Timor-Leste Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente Partido Democratico Frenti-Mudança FM Partido Socialista Timor Partido do Desenvolvimento Nacional Associação Social-Democrata Timorense União Nacional Democrática de Resistência Timorense União Democrática Timorense Partidu Republikanu Partido Libertasaun Povu 

Aileba Partido Democrática Republica de 

Timor Associação Popular Monarquia Timorense Partido Unidade Nacional Partido Milénio Democrático Klibur Oan Timor Asuwain Aliança Democrática Partido Timorense Democrático Partidu Democrática Liberal Partido do 

Desenvolvimento Popular Partido Democrata Cristão

Ohin, 7 Dezembru, Tinan 41 Liu-ba Indonesia Invade Timor-Leste (1975-2016)
7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste
TIMOR-LESTE
Ami nia mehi ma'ak Liberta ita nia Rain no Liberta ita nia Povo, Ita hotu nia Mehi ma'ak Ukun Rasik An!".


Memoria 7 Dezembru 1975 - Invazaun Militar Indonesia Mai Timor-Leste
Portugal disse aos EUA que não se oporia à invasão de Timor-Leste
Mengungkap Invasi Indonesia di Timor-Timur

Kopassus veterans mark 41 years since Indonesia's invasion of East Timor

Pertempuran sengit & berdarah di Dili, Kopassus Vs Tropaz

sexta-feira, 21 de agosto de 2015

FALINTIL - FDTL: As "lições da história"

DISCURSO DE SUA EXCELÊNCIA 
O PRESIDENTE TAUR MATAN RUAK 
NA COMEMORAÇÃO DO 40º ANIVERSÁRIO
 DA CRIAÇÃO DAS FALINTIL 

Tasi Tolu, 20 de agosto de 2015

Presidente da Republica
Taur Matan Ruak
Militares.
Veteranos das Falintil.
Povo amado de Timor-Leste!

É com muita satisfação que tenho a honra de presidir a esta festa dos 40 anos da constituição das Falintil.

Saúdo todos os presentes e dou boas-vindas aos ilustres convidados de países amigos que atravessaram o mar para se associarem à nossa festa, o senhor Almirante Ray Griggs,  das Forças de Defesa da Austrália,  e o senhor General Ci Guowei, do Exército Popular de Libertação, da República Popular da China.

Saúdo também as delegações de Veteranos da Austrália, do Japão, da Guiné-Bissau, da Serra Leoa e do Sudão do Sul. A visita destes veteranos dá-nos grande satisfação.

Quarenta anos é um marco importante: na vida das pessoas e na vida das instituições.

Olho hoje para as Falintil-FDTL e vejo uma instituição pujante, em renovação rápida, que olha o futuro com confiança, sem esquecer as lições da história.

As Falintil são a instituição mais antiga do Estado de Timor-Leste.

Há 40 anos, quando as Falintil foram criadas, vivíamos momentos de grande perigo. A Nação timorense atravessava uma das crises mais graves da nossa história.

Criar as Falintil significou organizar os timorenses para enfrentar as ameaças e preparar o ato mais alto da cidadania timorense – a Proclamação da Independência, cujo 40º Aniversário vamos também comemorar este ano.

Curvo-me perante a memória de Francisco Xavier do Amaral, o saudoso líder Proclamador. Ao proclamar a Independência, a voz de Francisco Xavier do Amaral deu expressão ao sentimento e à vontade de cidadania do nosso povo.

A organização das Falintil criou condições novas para enquadrar a participação dos cidadãos na defesa da terra amada de Timor e do conjunto da nossa comunidade.

Criar as Falintil foi uma manifestação de vontade nacional e a adesão do povo às Falintil foi uma expressão de determinação e vontade de participação, respondendo ao apelo dos líderes, em defesa da nossa terra.

Curvo-me perante a memória dos saudosos mártires, homens e mulheres que deram a vida pela sobrevivência da Nação e ao serviço das Falintil.

Presto honra à memória do saudoso Nicolau Lobato, pai das Falintil e do nacionalismo timorense. O seu exemplo de liderança, inteligência e a sua memória foram a luz que iluminou o caminho da Resistência e nos ajudou a alcançar a vitória, após 24 anos de luta.

Envio um abraço forte e caloroso ao meu irmão Xanana Gusmão, que sucedeu a Nicolau Lobato e guiou com êxito as Falintil e toda a Resistência até à vitória do povo.

Pelo seu exemplo, em momentos-chave da nossa história, e pela capacidade de liderança, Xanana Gusmão foi verdadeiramente um pai fundador de Timor-Leste. A sua visão – antes e depois da Independência – está na base da política de reconciliação, paz e estabilidade que o nosso país e o nosso povo adotaram e implementaram com grande determinação e de coração aberto.

As Falintil e a Resistência defenderam sempre o diálogo para alcançar a paz na nossa terra e a segurança do nosso povo. Combatemos sempre pela paz.

E hoje as Falintil-FDTL trabalham para reforçar a paz e ajudam à consolidação e à estabilidade do país. O 40º aniversário das Falintil é um momento adequado para prestar homenagem ao líder máximo da Resistência e fundador de Timor-Leste independente, Kay Rala Xanana Gusmão, e manifestar-lhe  o reconhecimento da Nação.

Abraço também os heróis desconhecidos da nossa terra: todos os irmãos e irmãs que trabalharam para a vitória e contribuíram para a Independência.

Abraço todos os participantes na Frente Armada, na Frente Clandestina e na Frente Diplomática. Foi a sua coragem e o trabalho conjunto que tornou possível trazer a Nação à vitória e assegurar a sobrevivência da nossa comunidade, cultura e tradições.

Muitos continuam a trabalhar ainda para reforçarem Timor-Leste. Abraço os meus irmãos José Ramos-Horta, Mari Alkatiri e Francisco Lu-O’lo. Recordo o saudoso irmão Fernando La Sama de Araújo que nos deixou cedo demais.

O êxito das Falintil deve-se a muitos heróis e mártires e recordo os saudosos irmãos Ma’hudu, Nino Konis Santana, David Alex Daitula e Ular, entre outros.

Muitos continuam connosco e contribuem para erguer as Falintil-FDTL e consolidar o país – incluindo comandantes heroicos como os meus irmãos Lere Anan Timur, Ma’hunu, Sabika, Aluk Descartes, Falur Rate Laek, Trix, Maunana, Maubuti, Maukalo e outros que trabalham para defender a soberania nacional e a estabilidade.

Os líderes e comandantes foram sempre apoiados por milhares de outros militares e de civis. A contribuição destes heróis desconhecidos foi decisiva para a vitória.

Na comemoração dos 40 anos das Falintil quero, em nome do país, lembrar a memória de todos os nacionalistas, que tombaram pela liberdade da terra amada de Timor – militares e civis. Curvo-me perante a memória de saudosos líderes e comandantes: membros do Comité Central da Fretilin, adjuntos do Comité Central, Comandantes de Setor e de Brigada e todos os saudosos irmãos e irmãs que tombaram nas violentas ofensivas contra as bases de apoio e outros combates sangrentos, durante os anos 80 e 90.

O êxito das Falintil deveu-se a todos. Todas as famílias timorenses fizeram sacrifícios. Quase todas perderam entes queridos. Quase todos os filhos de Timor enfrentaram perigos e ajudaram a fazer a história que nos trouxe à Restauração da Independência.

Verdadeiramente, cada pessoa, uma história. Foi o trabalho silencioso de milhares e milhares de heróis desconhecidos, em unidade com os líderes, que ajudou a conquistar a vitória das Falintil e da Nação. O país reconhece e tem honrado a contribuição e sacrifício dos veteranos. Temos de dar um novo impulso e desenvolver o processo de reconhecimento, com rigor e com verdade. Renovo o meu apelo aos veteranos para contribuírem para ajudar a clarificar situações que levantam dúvidas, para o governo poder resolver os casos pendentes. Vejo com preocupação que o processo continua a arrastar-se. As dificuldades existentes têm de ser superadas com Justiça e com rigor.

Militares. Povo de Timor-Leste.

As forças armadas continuam a realizar a renovação de gerações. Este mesmo aniversário é assinalado pela passagem à reforma de 27 militares distintos, com carreiras honrosas na guerrilha das Falintil e que integraram as F-FDTL, até hoje.

Ao longo dos últimos 15 anos, estes militares experientes trabalharam para a transformação das Falintil em Falintil-FDTL. Eles transmitiram aos novos efetivos a experiência e os princípios e valores das Falintil.

No momento em que estes militares passam à reforma, quero manifestar-lhes, publicamente, o reconhecimento do país pelo trabalho e a dedicação como militares.

Agora, que terminaram com honra a sua carreira militar, estes homens merecem ser apoiados na sua integração na vida civil. Eles ainda têm contributos a dar ao país.

As nossas Forças continuam a formar novos efetivos. Para responder aos novos desafios, devemos ter presente as lições da história.

Os valores aprendidos na luta são uma riqueza da Nação e um património da instituição militar. A força desses valores é que nos trouxe à vitória da Independência:

A lealdade das Falintil ao povo;
A confiança do povo nas Falintil;
A unidade entre militares e civis;
O espírito de serviço à Nação, a dedicação ao trabalho para o bem comum. 
O país continua a precisar destes valores para alcançar novas vitórias. 
Militares. Irmãos e irmãs. 
O combate de 24 anos passou por derrotas e vitórias. Houve debates para adaptar a estratégia da Resistência e das Falintil aos desafios da ocupação, que foram evoluindo com o tempo. 
Todos os livros do mundo, todas as universidade do mundo não tinham respostas para os problemas da Resistência. Nós é que tivemos de descobrir as estratégias novas e as soluções para garantir a sobrevivência das Falintil, da Resistência e do povo. 
A vitória foi possível pelo comportamento dos que resistiram – nas montanhas, nas cidades, nos campos. 
Também houve os que desistiram. Mas a vitória foi resultado do esforço e sacrifício dos que lutaram e não desistiram. 
A vitória do povo e das Falintil criou um país para todos os filhos de Timor.  Ninguém é excluído.  Mas a admiração da Nação está com os que resistiram e protegeram o povo. A admiração da Nação está com os que não desistiram. 
A Restauração da Independência foi possível porque se construiu uma verdadeira unidade entre o povo e os combatentes, ao serviço da Nação. 
Esta lição continua a ser importante, no presente e para o futuro do país. É preciso reforçar a Unidade, e reforçar a confiança do povo nas instituições, civis e militares.
Irmãos e irmãs. 
Servir o país durante 36 anos nas Falintil e Falintil-FDTL foi a maior honra da minha vida.  Foi uma honra para mim iniciar e liderar o processo de transformação da guerrilha das Falintil numa força militar moderna, capaz de responder às novas necessidades do país. 
As Falintil-FDTL têm feito importantes progressos. Neste trabalho, temos tido o apoio de militares de muitos países amigos. Agradeço a todos os parceiros da cooperação militar a sua assistência, a partilha da sua experiência e a sua amizade. 
Agora, o principal combate das Falintil-FDTL é desenvolver e aumentar a competência técnica e o profissionalismo para cumprirem as suas missões constitucionais de garantir a independência, a integridade territorial – em terra e no mar – e a liberdade e segurança da população. 
Enquanto Presidente da República nunca esqueço as lições que as Falintil me deram e dão à Nação. 
A confiança do povo nos militares, e a proteção que o povo deu aos combatentes, foram sempre a fonte e a raiz da força das Falintil – e o segredo da vitória. 
Os homens e mulheres das Falintil-FDTL devem estudar e nunca esquecer esta lição.
Sem a confiança do povo, sem a unidade da Nação os militares não têm condições para cumprir as missões que o país lhes pede. 
Às novas gerações de militares, eu digo: bem-vindos às Falintil-FDTL. 
Estudem as lições da nossa própria história. Trabalhem para aumentar a confiança do povo nos militares, com profissionalismo e espírito de serviço do país. 
Através do vosso exemplo, dedicação, competência, e rigor, ajudem o país a ir mais longe! 
Honra às Falintil. Honra aos Heróis.  Vivam as Falintil-FDTL. 
Que Deus abençoe todos vós e as vossas famílias e abençoe Timor-Leste. 
Presidente da Republica
Taur Matan Ruak

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.