VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Governo Timor-Leste irá procura solução para resolver o problema de Timor Telecom

Dili, Forum Haksesuk (FH) . Governo de Timor-Leste atráves do Ministerio das Obras Públicas, Transporte e Comunicações (MOPTC) irá procurar solução para resolver problemas que a operadora  Timor Telecom (TT)  enfrentam, operadora atualmente controlada pela PT e que a OI quer agora alienar,  afirmou o Ministro Eng. Gastão de Sousa depois de reunir com Presidente Autoridade Nacional das Comunicações (ANC) António Correia.

Depois MOPTC Eng. Gastão de Sousa  informou a Ministro do Planeamento e Investimento Estratégica (MPIE) Kay Rala Xanana Gusmão e o PM Rui de Araujo, no seu escritorio em Fatuhada, este Quinta-Feira (19/02/2015).  Em breve irá discutir no Conselho de Ministro, afirmou ainda Ministro Gastão de Sousa.

Segundo o Ministro das Obras Públicas,Transporte e Comunicações (MOPTC) Eng. Gastão de Sousa,  em declaração a agencia Lusa (20/02/2015), “ há várias opções em aberto", confirmou que uma das hipóteses é o Estado timorense "adquirir todas as ações da Portugal Telecom", devendo agora ocorrer conversações "com todas as partes envolvidas, com a PT e o setor privado timorense”.

Continua  o Ministro Gastão, ”vamos discutir com os interessados,  como Portugal Telecom, ANC e setor privados de Timor-Leste”, escreveu em  comunicado que o Forum Haksesuk teve acesso,  este sexta-feira (20/02/2015).   Em causa está a maior fatia de capital da TT (54,01%), controlada pela sociedade Telecomunicações Públicas de Timor (TPT) onde, por sua vez, a PT controla 76% do capital.   Os restantes acionistas da TPT são a Fundação Harii - Sociedade para o Desenvolvimento de Timor-Leste (ligada à diocese de Baucau) que controla 18% e pela Fundação Oriente (6%).Na TT o capital está dividido entre a TPT (54,01%), o Estado timorense (20,59%), a empresa com sede em Macau VDT Operator Holdings (17,86%), o empresário timorense Julio Alfaro (4,49%) e a PT Participações SGPS (3,05%).

Fontes:

*Comunicado Gabinete Média MOPTC (20/02/2015)!
* Agencia Lusa (20/02/2015)!

Noticias relacionado:

http://noticias.sapo.tl/portugues/info/artigo/1431710.html

1) Governo quer manter a Timor Telecom como “ativo timorense” - ministro.

Número de Documento: 18879303

Dili, Timor-Leste 20/02/2015 05:48 (LUSA)
Temas: Economia, Negócios e Finanças, telecomunicações, empresas, Negócios (geral), Política, Governo (sistema), ministros

Díli, 20 fev (Lusa) - O Governo timorense quer manter, com investimento seu e eventualmente dos acionistas privados da empresa, a Timor Telecom (TT) como um "ativo timorense", disse hoje à Lusa o ministro das Obras Públicas, Transportes e Telecomunicações de Timor-Leste.

"Devemos fazer todos os esforços para manter este ativo no Estado de Timor-Leste", disse Gastão de Sousa.

"A melhor solução seria algo conjunto, entre os acionistas privados e o Estado", afirmou, referindo que vai procurar que o assunto seja já debatido na reunião do Conselho de Ministros da próxima semana.

Os comentários de Gastão de Sousa surgem depois de movimentações de vários dos acionistas privados da TT para tentar garantir que investidores timorenses e o próprio Estado compram a parte da operadora atualmente controlada pela PT e que a OI quer agora alienar.

Explicando que "há várias opções em aberto", confirmou que uma das hipóteses é o Estado timorense "adquirir todas as ações da Portugal Telecom", devendo agora ocorrer conversações "com todas as partes envolvidas, com a PT e o setor privado timorense".

Gastão de Sousa confirmou que houve já interesse de pelo menos um fundo de investimento da região que terá apresentado uma oferta, por um valor não conhecido, para a compra da parte da PT.

"É um assunto muito importante que estamos a acompanhar. Já falei sobre ele, informalmente com o primeiro-ministro (Rui Maria Araújo) e também com o ministro do Planeamento (Xanana Gusmão)", afirmou.

"Vamos envolver vários Ministérios nesta questão e o assunto vai ser agora debatido ao nível do Conselho de Ministros", afirmou Gastão de Sousa que esta semana se reuniu com o presidente da Autoridade Nacional das Comunicações (ANC), António Correia, com quem analisou esta questão.

Em causa está a maior fatia de capital da TT (54,01%), controlada pela sociedade Telecomunicações Públicas de Timor (TPT) onde, por sua vez, a PT controla 76% do capital.

Os restantes acionistas da TPT são a Fundação Harii - Sociedade para o Desenvolvimento de Timor-Leste (ligada à diocese de Baucau) que controla 18% e pela Fundação Oriente (6%).

Na TT o capital está dividido entre a TPT (54,01%), o Estado timorense (20,59%), a empresa com sede em Macau VDT Operator Holdings (17,86%), o empresário timorense Julio Alfaro (4,49%) e a PT Participações SGPS (3,05%).

Basílio do Nascimento, bispo de Baucau e responsável da Fundação Harii confirmou à Lusa que o objetivo é que o ativo continue em Timor-Leste.

"Eu gostaria que a empresa ficasse em timor. Eu acho que Timor fica melhor servido. Mas acho que só os sócios privados não seremos capazes. Agora se o Estado entrar é outra coisa", disse.

"Para isso ficar cá, é necessário que haja uma maioria do controlo da parte de Timor. O que tenho ouvido dos responsáveis da TT é de que os membros do Governo já mostraram interesse em falar e colher informação", afirmou.

Também o empresário timorense Julio Alfaro disse recentemente à Lusa estar interessado em ampliar a sua participação na Timor Telecom se o Estado timorense assumir o controlo da operadora.

"Esta seria a melhor saída para o atual cenário. Se o Estado ampliasse o seu capital, ficando como maior acionista e gestor da empresa, nessa altura eu teria confiança e teria tranquilidade para comprar uma parte das ações de acordo com a minha participação", disse à Lusa.

Estimativas sugerem que em 2012, o "melhor ano" da operadora, a empresa poderia valer entre 200 e 250 milhões de euros e que hoje esse valor pode rondar entre 90 e 110 milhões de euros.

Uma queda em valor que se deve, em grande parte, à entrada de dois concorrentes no mercado, a indonésia Telkomsel e a vietnamita Telemor.

ASP // DM.
Lusa/Fim

2) Empresário timorense saúda vontade do Estado em estudar compra capital da Oi na TT.

Número de Documento: 18879244

Dili, Timor-Leste 20/02/2015 07:18 (LUSA)
Temas: Economia, Negócios e Finanças, telecomunicações, Informação sobre empresas, empresas, Economia (geral)

Díli, 20 fev (Lusa) - O empresário timorense Julio Alfaro considerou hoje "muito boa notícia" a vontade manifestada pelo Governo timorense de estudar a eventual compra do capital que a OI detém na Timor Telecom, mantendo assim a empresa como operadora nacional.

"É muito boa notícia. Temos vindo a desenvolver esforços no sentido de conseguir que seja o Estado a conseguir as ações e que fiquem nas mãos de investidores estrangeiros", disse à Lusa o empresário, que é também acionista da TT (controla 4,49% do capital).

"Já temos duas operadoras estatais estrangeiras em Timor. Não faz sentido que o nosso país, que só tem a Timor Telecom como única operadora de telecomunicações nacional, a deixe cair em mãos estrangeiras também", afirmou.

Hoje o ministro das Obras Públicas, Transportes e Telecomunicações de Timor-Leste, Gastão de Sousa, disse que o Governo timorense quer manter, com investimento seu e eventualmente dos acionistas privados da empresa, a Timor Telecom (TT) como um "ativo timorense".

"Devemos fazer todos os esforços para manter este ativo no Estado de Timor-Leste",sublinhou.

"A melhor solução seria algo conjunto, entre os acionistas privados e o Estado", afirmou, referindo que vai procurar que o assunto seja já debatido na reunião do Conselho de Ministros da próxima semana.

Vários dos acionistas privados da TT e outros empresários timorenses têm-se movimentado nas últimas semanas para tentar garantir que investidores timorenses e o próprio Estado compram a parte da operadora atualmente controlada pela PT e que a OI quer agora alienar.

Gastão de Sousa confirmou que houve já interesse de pelo menos um fundo de investimento da região, que terá apresentado uma oferta, por um valor não conhecido, para a compra da parte da PT.

"É um assunto muito importante que estamos a acompanhar. Já falei sobre ele, informalmente com o primeiro-ministro (Rui Maria Araújo) e também com o ministro do Planeamento (Xanana Gusmão)", afirmou.

Julio Alfaro confirmou à Lusa que o interesse no capital que era da PT e hoje é da Oi foi manifestado por um fundo de investimento das ilhas Fiji que vão agora preparar uma oferta.

"Vamos esperar para ver qual é essa oferta e depois responderemos à PT, ou à Oi, para dar conta das nossas intenções. Ainda não sabemos o valor da oferta mas esse será o valor de referência", disse.

Alfaro insistiu que devem ser mãos timorenses a controlar a TT já que as duas outras operadoras no país - a indonésia Telkomsel e a vietnamita Telemor - são não só estrangeiras mas ambas estatais.

"Se fossem propriedades de privados era uma coisa. Mas ter operadores que são propriedades de Estados soberanos e deixar a TT ir também para mãos estrangeiras, não me parece correto", disse.

"Em especial tendo em conta a situação muito delicada do país em termos de informação", sublinhou.

Em causa está a maior fatia de capital da TT (54,01%), controlada pela sociedade Telecomunicações Públicas de Timor (TPT), na qual, por sua vez, a PT controla 76% do capital.

Os restantes acionistas da TPT são a Fundação Harii - Sociedade para o Desenvolvimento de Timor-Leste (ligada à diocese de Baucau) que controla 18% e pela Fundação Oriente (6%).

Na TT o capital está dividido entre a TPT (54,01%), o Estado timorense (20,59%), a empresa com sede em Macau VDT Operator Holdings (17,86%), o empresário timorense Julio Alfaro (4,49%) e a PT Participações SGPS (3,05%).

Basílio do Nascimento, bispo de Baucau e responsável da Fundação Harii confirmou à Lusa também hoje que o objetivo é que o ativo continue em Timor-Leste.

"Eu gostaria que a empresa ficasse em Timor. Eu acho que Timor fica mais bem servido. Mas acho que só os sócios privados, não seremos capazes. Agora, se o Estado entrar é outra coisa", concluiu.

ASP // JPS
Lusa/Fim

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.