VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

I N T E R F E T
15 Setembro 1999
O Conselho de Segurança da ONU aprova a Resolução n° 1264,
que autoriza a criação de uma força internacional para Timor-Leste (INTERFET)
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
Dezenvolvimentu Nasional presija iha Programa nebeé Programátiku
Reasun Oposisaun ba Programa VII gov
Primeiro-ministro timorense não entende críticas a programas..
Oposição exige explicações ao Gov sobre justiça e reforma adm..
Xanana Gusmão quer "ganhar experiência" como oposição..
Governo quer duplicar receitas domésticas com IVA e impostos tabaco...
Masuk Indonesia Tanpa Paspor, 2 Warga Timor Leste Diamankan Polisi
Opozisaun Rejeita, Programa VII Governu, Alkatiri: “Hau Prontu...”
Timor "satisfeito" novo acordo que regula fronteira com Austrália
Comissão confirma acordo entre Timor-Leste e Austrália

 
 
   

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Portugal envia para Timor mais 58 professores para novas Escolas de Referência

Jornalista: Lúcia Vinheiras Alves / Imagem e Edição: António Manuel

© TV Ciência
Timor-Leste vai já no início de 2013 inaugurar mais quatro Escolas de Referência, onde vão colaborar mais 58 professores portugueses, anunciam Nuno Crato e Ministro Educação timorense, em Lisboa.

Ministro da Educação de Timor-Leste, Bendito Freitas, de visita oficial a Portugal teve um encontro com Nuno Crato, Ministro da Educação e Ciência, no final e em Conferência de Imprensa ambos os Ministros divulgaram o reforço dos professores portugueses em Timor-Leste.

No total o número professores portugueses destacados em Timor-Leste será 108 a partir de 2013. Sobre o projeto Escolas de Referencia, Nuno Crato explica que, «é um projeto em que o Governo português coopera com o Governo de Timor-Leste na construção de Escolas, uma por cada distrito». Escolas onde «não só são educados os jovens como também são treinados os candidatos a futuros professores», acrescentou o Ministro.

A partir de 2013 Timor-Leste passará a contar ao todo com nove Escolas de Referência e os Ministros esperam que em breve o projeto atinja as treze escolas, uma escola em cada distrito.

«Se conseguirmos ter este ano estas quatro e no novo ano as outras quatro que faltam será bom», afirmou Nuno Crato e acrescentou que «isto é um grande investimento de Timor-Leste em termos de construção e nosso também em termos de recursos humanos, seria bom conseguirmos daqui a dois ter os distritos todos cobertos».

Durante a visita a Portugal, o Ministro timorense esteve nas Universidades de Coimbra, Aveiro e Minho, onde debateu possíveis incrementos de colaboração.

Bendito Freitas explicou que «há algumas universidades que já têm cooperação com a nossa Universidade Nacional de Timor-Leste e vamos discutindo para futuras colaborações, para programas a seguir».

O Ministro timorense disse ainda que «quando as equipas destas universidades forem visitar Timor Leste poderemos abordar áreas mais específicas no domínio da ciência, das academias, de áreas mais especializadas, a que cabe às universidades negociação, porque em Timor-Leste a Universidade Nacional de Timor-Leste também tem autonomia em termos de gestão e dos seus planos de ação anual».

Taur Matan Ruak, Presidente da República de Timor Leste propôs recentemente que a língua portuguesa deverá ser lecionada como língua estrangeira em Timor, para que, como referiu, «numa década o panorama linguístico seja, de facto, alterado», em Timor.

Mas, o Ministro da Educação de Timor reforça que a língua portuguesa é uma das línguas oficiais.

Bendito Freitas afirmou que: «não vejo a língua portuguesa como uma língua estrangeira em Timor-Leste, porque a nossa Constituição consagrou o português como uma língua oficial e uma língua ensinada nas escolas. Não só agora na nossa Independência, mas há muito tempo, mesmo durante a ocupação da Indonésia havia escolas que ensinavam português».

«Agora é a consolidação da língua portuguesa para facilitar o processo de ensino e educação em Timor-Leste, o que exige uma educação de qualidade. Portanto, a língua portuguesa vai apoiar, enquanto instrumento eficaz para a difusão das disciplinas necessárias para o desenvolvimento do ensino em Timor-Leste», acrescentou.

Nuno Crato reafirmou que Portugal vai continuar a dar apoio de acordo com o que for decidido pelo Governo de Timor-Leste.

«Cabe a Timor-Leste decidir sobre isto», afirmou o Ministro português e acrescentou que «Timor-Leste decidiu, como o Senhor Ministro disse, que o português e o tétum são as duas línguas oficiais. E a nós cabe-nos fazer o que estiver nas nossas mãos, dentro daquilo que o Senhor Ministro e o Governo de Timor-Leste decidir, para apoiar o desenvolvimento do português. Portanto, nós temos uma grande confiança de que o português é uma língua necessária, uma língua útil».

Este apoio do Governo Português no ensino em Timor é reconhecido como importante pelo Ministro de Educação Timorense. Quero «agradecer o convite do Senhor Ministro, porque estamos a ter um apoio de cooperação muito forte. Estou aqui para agradecer esta cooperação, os laços históricos desde sempre que Portugal tem vindo a apoiar Timor-Leste».

«E neste momento estamos particularmente empenhados na educação, porque o Governo timorense exige uma educação de qualidade para cumprir esta necessidade, precisamente o nosso Governo com as parcerias estabelecidas com o Governo português, particularmente com o Ministério da Educação», afirmou Bendito Freitas.

O Ministro de Educação Timorense convidou o homólogo português, Nuno Crato, a visitar Timor em Fevereiro de 2013, um convite que foi aceite.

«Com o convite agora ao Ministro para visitar Timor Leste em Fevereiro de 2013, para a inauguração das Escolas de Referência e ao mesmo tempo participar num encontro, numa Conferência sobre Educação que é mesmo importante para decidir o seguimento das áreas de cooperação, mesmo na área da educação», referiu o Ministro timorense.

TV Cienca Online
http://www.tvciencia.pt/

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.