VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Congresso  Nacional de Recontrucão de Timor-Leste Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente Partido Democratico Frenti-Mudança FM Partido Socialista Timor Partido do Desenvolvimento Nacional Associação Social-Democrata Timorense União Nacional Democrática de Resistência Timorense União Democrática Timorense Partidu Republikanu Partido Libertasaun Povu 

Aileba Partido Democrática Republica de 

Timor Associação Popular Monarquia Timorense Partido Unidade Nacional Partido Milénio Democrático Klibur Oan Timor Asuwain Aliança Democrática Partido Timorense Democrático Partidu Democrática Liberal Partido do 

Desenvolvimento Popular Partido Democrata Cristão

Ohin, 7 Dezembru, Tinan 41 Liu-ba Indonesia Invade Timor-Leste (1975-2016)
7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste
TIMOR-LESTE
Ami nia mehi ma'ak Liberta ita nia Rain no Liberta ita nia Povo, Ita hotu nia Mehi ma'ak Ukun Rasik An!".


Memoria 7 Dezembru 1975 - Invazaun Militar Indonesia Mai Timor-Leste
Portugal disse aos EUA que não se oporia à invasão de Timor-Leste
Mengungkap Invasi Indonesia di Timor-Timur

Kopassus veterans mark 41 years since Indonesia's invasion of East Timor

Pertempuran sengit & berdarah di Dili, Kopassus Vs Tropaz

segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Wikileaks: Diplomacia EUA refere elite conflituosa como uma das razões para instabilidade em Díli

Lisboa, 26 ago (Lusa) - Uma série de 23 telegramas da embaixada dos Estados Unidos em Díli elaborados entre 2008 e este ano, divulgados na quinta-feira pela Wikileaks, referem uma “elite altamente conflituosa” como uma das razões da instabilidade em Timor-Leste.

Os documentos cobrem a transição da crise política e militar de 2006 para a “estabilidade progressiva” do país, as eleições de 2007, o problema dos deslocados internos, os casos dos peticionários e do major Alfredo Reinado, as estratégias políticas de homens como José Ramos-Horta, Xanana Gusmão, Mari Alkatiri ou Fernando Lasama ou os processos de reconciliação e aproximação com a Indonésia.

As questões de justiça e impunidade, por um lado, e as fragilidades do setor de segurança, por outro, são os temas que atravessam de forma marcante os telegramas agora divulgados pelo "site" Wikileaks, que tem revelado milhares de documentos confidenciais da diplomacia norte-americana a que teve acesso.

“As maiores causas da instabilidade de Timor-Leste incluem uma elite política altamente conflituosa; instituições de segurança fracas, politizadas, com pouca motivação ou com pouco comando; fraco acesso à justiça e uma cultura de impunidade, especialmente entre a elite”, resume um telegrama de março de 2009.

O telegrama, assinado pelo então embaixador dos Estados Unidos em Díli, Hans Klemm, refere também ”a desilusão e a alienação que tem acompanhado o falhanço de Timor(-Leste) em elevar o seu povo da pobreza aflitiva”.

Hans Klemm avisa também o comandante da Marinha norte-americana no Pacífico, tenente-general Stalder, antes da sua visita ao país, que, “desde que ganhou a independência em 2002, Timor-Leste estabeleceu um padrão trágico de violência periódica ou de instabilidade, com distúrbios de grande escala quase anuais”.

Sobre as instituições de segurança, o olhar da embaixada não é mais favorável. A Polícia Nacional, escrevia Klemm em 2009, tinha “uma liderança fraca, motivação insuficiente, recursos a menos e má preparação”, além de “ser manchada pelos antecedentes históricos com a polícia indonésia e uma história de séria politização em 2006”.

Quanto às Falintil-Forças de Defesa (F-FDTL), se “têm razões para ter orgulho na sua herança de força de guerrilha nas montanhas timorenses”, são também “deficientes em comando, disciplina, treino e capacidade logística de um exército profissional moderno”.

O diplomata insiste mais à frente que “as F-FDTL têm sido infelizmente uma fonte de instabilidade nacional desde a independência em maio de 2002”.

O embaixador salientava também que, “apesar do reconhecimento da necessidade de reforma” do setor de segurança, “pouco se tem feito”, referindo que “as Nações Unidas em particular têm um longo cadastro de falhanços em iniciar uma reforma com sentido”.

PRM/HB/EL
Lusa/Fim

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.