VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

7 Dezembru 1975
Invazaun Militar Indonesia nian ba Timor-Leste
TIMOR-LESTE


Interview with
Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name

 
 
   

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

A PAZ E A GUERRA NO MUNDO

Todos os anos, no dia primeiro de Janeiro, a Igreja católica celebra o Dia Mundial da Paz. A Paz é um bem para a humanidade, por isso, a Igreja não cessa de falar neste tema. Uma primeira compreensão da paz tem a ver com ausência da guerra, de violência e de conflito. Onde há guerra não paz. E quando reina a paz não há guerra.

Dizem os historiadores que ao longo de 6 mil anos da história (4 mil a. C até ao dia de hoje) o mundo só terá conhecido 300 anos de paz, tendo-se travado umas 14.000 guerras, onde teriam perecido três mil milhões de homens. Só no século XX, nas duas guerras mundiais, a primeira (1914-1918) e a segunda (1939-1945), morreram 32 milhões de soldados, 20 milhões de idosos, mulheres e crianças pelos bombardeamentos e radiações atómicas, 20 milhões nos campos de concentração, sem contar milhões de mutilados e feridos, de órfãos e sem abrigo.

Na guerra moderna, é habitual recorrerem-se aos armamentos mais sofisticados. No ano de 1980 o mundo gastou mais 600 mil milhões de dólares, despendendo-se cerca de 1 milhão de dólares por minuto. Um porta-aviões equipado com aviões e navios escolta quanto não custa? Segundo dados da UNESO, os gastos com um bombardeiro último modelo, bem equipado, equivale ao salário de 250.000 operários, às despesas para construir 75 hospitais com cem camas cada uma, à construção de 30 escolas com 1000 alunos, ao preço de 50.000 tractores. E qualquer destes aparelhos da guerra pode ser destruídos em minutos, podendo perder-se em poucas horas, somas incalculáveis de dinheiro que alimentaria durante anos os países mais pobres! Mas, para que a guerra?

Mais, em todo o mundo, mais de 50 milhões de pessoas trabalham em fábricas de armamento (metade são soldados). Todos os químicos, biólogos, astrónomos, etc, que trabalham em armas, se dedicassem ao estudo de novos produtos alimentares, ao aperfeiçoamento da medicina, ao controlo dos ciclones, dos tsunami, já teriam acabado com a fome no mundo, o cancro e a sida seriam debelados, evitar-se-iam cataclismos e destruições…

Fala-se muito de paz; organizam-se congresso sobre a paz, a justiça, os direitos humanos, mas as guerras continuam a persistir neste século XXI. Temos os casos de Afeganistão, Iraque, Somália, Congo. Há conflitos na península coreana (Coreia do Norte e Coreia do Sul), etc. Mas, quando se fala de guerras não só se aborda a guerra ou conflito armado entre dois estados, entre nações ou regiões. Há outros tipos de conflitos: terrorismo, tráfico de drogas, pobreza extrema, injustiças, racismo, discriminação religiosa, cultural e étnica, etc. Para contrapor a esta situação, só um remédio é possível: a PAZ. É uma palavra pequena, formada só de três letras, mas ela é tão bonita, é tão singela, tão desejada e tão difícil. Que é a Paz?

Santo Agostinho, um bispo do século IV, deu uma definição que se tornou clássica: “A Paz é a tranquilidade na ordem”. Uma ordem nova e renovada, na família, na escola, na vila e nas cidades, nas nações e no mundo. Que no novo Ano de 2011, esta “tranquilidade na ordem” reine em Timor-Leste!”

Porto, 30 de Dezembro de 2010
Dom Carlos Filipe Ximenes Belo

Exclusivo ao Forum Haksesuk!

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.