VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

7 Dezembru 1975
Invazaun Militar Indonesia nian ba Timor-Leste
TIMOR-LESTE


Interview with
Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name

 
 
   

segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

2010: Os Leigos, construtores de Paz mas o que e a PAZ?

Porto (26/12/09) Todos os anos, no dia 1 de Janeiro, celebra-se na Igreja Católica, o Dia Mundial da Paz. Para este ano, o Santo Padre Bento XVI convida os cristãos espalhados pelo mundo a reflectirem sobre os problemas do meio ambiente e da paz “Se quiseres a paz, preserva a criação” mas o que é a Paz?
A palavra portuguesa Paz e as correspondentes em Inglês (peace) Francês (paix), Italiano (pace), Espanhol (paz), provém da palavra latina Pax, pacis. Antigamente, no mundo romano, a palavra “pax” indicava o período em que a nível interno, não havia guerras nem lutas civis. Essa situação geral de ordem e de tranquilidade no Império romano, denominava-as e "Pax Romana”. Ligado ao conceito da “pax”, os romanos cultivavam outros conceitos abstractos como concncordia, honor, fides, virtus, victoria, etc. Santo Agostinho, um bispo católico do século IV definia a “Pax” como a “tranquilidade na ordem”.

No contexto judeo-cristão, a palavra correspondente em Hebraico é Shalom, palavra que deriva da raiz shelemut, e significa perfeição, plenitude. Na Bíblia, Shalom aparece associada a um estado de harmonia, tranquilidade e prosperidade. Shalom significa, ainda, bênção, favor, manifestação da graça divina, justiça, verdade, felicidade, bem-estar.

Para os ambientes cristãos, a Paz verdadeira é a Pessoa de Jesus Cristo (cf. Ef. 2,14). Essa paz é fruto do Espírito Santo (Gal, 5,22-23). Depois da sua ressurreição, Jesus anuncia aos discípulos: “ A Paz esteja convosco” (Jo.21,21).

Ao longo dos séculos, as comunidades cristãs procuram viver a Paz trazida por Jesus Cristo. Por isso, na Teologia Espiritual, falava-se de paz interior e paz exterior. A Paz interior é a tranquilidade do espírito, proveniente do domínio das paixões e de uma consciência de estar em comunhão de amizade com Deus e com os homens. A paz exterior ou paz social é a convivência tranquila e fraterna com os homens na ordem, no respeito e na justiça.

O Concílio Vaticano II e os últimos Papas (João XXIII, Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI) têm insistido muito na doutrina sobre a Paz. A paz não é somente ausência de guerra ou de conflitos armados. Segundo o magistério da Igreja, a verdadeira paz funda-se no respeito da dignidade da pessoa humana, na erradicação de injustiças e da pobreza extrema, do combate à corrupção, ao terrorismo e a todas as formas de discriminação racial, étnica, religiosa e cultural.
A paz exige também a preservação da criação, isto é, o respeito pela ordem estabelecida na criação. E isto deve levar todos os homens a não destruírem as florestas, a não poluírem os rios e lagos e os oceanos. Nesta tarefa da implantação de uma cultura de paz no mundo, têm papel importante os cristãos, os chamados leigos que, vivendo nos mais diversos sectores da vida (família, profissão, trabalho, cultura ) podem inculcar na sociedade novos sentimentos geradores de paz e de fraternidade.

A todos, os meus votos de um Ano Novo de 2010, cheio de maiores venturas.

Porto, 26 de Dezembro de 2009.

Dom Carlos Filipe Ximenes Belo

Administrador Apostólico emérito de Díli (Timor-Leste)
Prémio Nobel da Paz 1996.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.