VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Congresso  Nacional de Recontrucão de Timor-Leste Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente Partido Democratico Frenti-Mudança FM Partido Socialista Timor Partido do Desenvolvimento Nacional Associação Social-Democrata Timorense União Nacional Democrática de Resistência Timorense União Democrática Timorense Partidu Republikanu Partido Libertasaun Povu 

Aileba Partido Democrática Republica de 

Timor Associação Popular Monarquia Timorense Partido Unidade Nacional Partido Milénio Democrático Klibur Oan Timor Asuwain Aliança Democrática Partido Timorense Democrático Partidu Democrática Liberal Partido do Desenvolvimento Popular Partido Democrata Cristão
"Bye bye" depois da cimeira da CPLP. ... dar lugar às novas gerações, para que estas se preparem para defender o país das ameaças à soberania do país.
H
O
M
E
Um consórcio petrolífero que atenue a hegemonia australiana
Sukses Selenggarakan KTT CPLP, Timor Leste Dapat Pujian
Xanana Gusmão quer maior dinamização económica na CPLP
KTT CPLP Hasilkan Sejumlah Draft Resolusi
Promoção da língua portuguesa reforçada...
Relatório Fundo do Petróleo mostra resultados positivos
   Cimeira CPLP
Passos elogia Xanana
e fala em «nova fase» da nação timorense
Os seis desafios da CPLP .. passagem da liderança da organização para TL
Teacher brings Timor tale to life Rich rewards from sponsorship of child

quinta-feira, 30 de Agosto de 2007

Oinsa Maka Marie Alkateri To´o Poder?

Artigo ne´e STL hatun ka publika iha edisaun de opiniaun iha 17, 18 i 19, fulan Agosto iha tinan 2005. Objektivo iha hakerek ne´e oinsa maka halo hanesan antevisaun ba akontecimentu politika iha tinan 2006/07. Iha ne´e analise konaba Eleisaun interna ka kongresso iha Fretilin (Maio 2006) nebe mosu FR/M (Fretilin Renovadores/Mudanças) nebe sai hanesan oposisaun politika ba Mari Alkatiri iha Fretilin laran. No mosu UNDERTIM nebe bele hadaun votus ba Fretilin iha legislativa 2007. Anticipa witoan, oinsa maka estrategia Mari Alkatiri ho grupo maputo ninia estrategia. Impakto ba artigo ne´e mos iha witoan, halo Mari Alkatiri preokupado witoan, hare deit husi Telefone nebe maka Rogerio Lobato (eis-Ministro do interior dere arame ka telefone mai amigo ida iha lisboa) hodi koalia konaba artigo ne´e. Fo reforsa ba argumentus «reivendicativa» ba grupo FR/M. Hare fila fali artigo ne´e iha karaik ne´e.

Hakerek Nain,
António Ramos Naikoli

----------------------------

OINSA MARI ALKATIRI TO’O PODER

1. Lia Ulun (Introduçao)

Mari Alkateri to´o iha poder ka kaer Ukun iha Timor LoroSae nudar Primeiro Ministro (PM) liu husi processu ida, laos tur-tur sai PM. Iha hakerek ne hakarak fahe ba parte barak: hahu husi enquadramento teorico konaba jogo poder tuir Maquivalismo no Lord Acton ninia definisaun konaba poder. Iha sorin seluk hare witoan breve historial konaba precurso politika Mari Alkateri nian. Ikus mai koalia konaba oinsa maka to´o poder hahu husi “Convensaun Penhice iha Lisboa 1998 ba konferencia extraordinaria Fretilin iha Sidney 1998 no iha kontextu Ukun Rasik An sai nudar PM.

2. Enquadramento Teorico

Tuir Maquivalismo nebe maka nebe estabelece relasoens husi “«Etica e Politica»”, hatutan hodi hakanuk ho Lian Português katak “«Construção totalmente amoral, se de uma visão moral em que a elevação dos fins justificaria a admissibilidade de quisquer meios, se de criação de uma nova moral»”. Mos autor seluk hanesan Lord Acton dehan katak: “«O poder é corupto»“. Koruptu iha ne ninia interpretasaun bele oi-oin, laos definisaun nebe iha Timor LoroSae nian maka reduz ba KKN deit,mos balun ninia definisaun konaba monopoliu ba opiniaun, trafiku influencia, monopoliu ba Instituisaun Estado nian, no sst.

3. Breve Historial

a) Tuir José Ramos Horta hakerek iha nia livro “Amanha Em Dili” katak (...) Sira nebe maka Fundador ASDT, maka Ramos Horta, Nicolau Loubato, Xavier do Amaral, Mari Alkateri, no sst. (Horta: 1993, pp230). Waihira ASDT transforma ba Fretilin Mari Alkateri mos foti nudar membro CCF no mesmo orgaun maka nomeia Delegaçâo Externa ba halao kampanya iha liur.

b) Nukleo Mozambique; Mari Alkateri hela kleur liu iha Mozambique, husi neba harii nukleu Fretilin Mozambique.

c) No iha periudu funu ba Ukun Rasik An, ulun bos sira iha liur iha maka Politika rivalidade Ramos Horta i Abilio de Araujo. Mari Alkateri joga husi kotuk, to ikus Abilio de Araujo ho Ramos Horta sai hotu husi Fretilin.

d) Waihira Funu Nain sira tur hamutuk hodi harii CNRT, Mari Alkateri maka mosu nudar Autor ba hakerek “Magna carta CNRT” Abril Penhice 1998. Iha Penhice Lisboa, iha proposta barak konaba «Magna carta», maibe inklui iha resolusaun final maka Proposta Mari Alkateri nian no hatama mos parte husi proposta «Magna Carta da Renetil».

4. Husi Peniche ba Sydney 1998

Afasta José Luis Guterres husi DEF (Delegação Externa da Fretilin) i extinto CDF (Conselho Directivo da Fretilin) liu husi Conferência Extra-ordinaria, Sydney Agusto 1998. Husi neba sai “Reorganizasaun Fretilin”, kria estrutura foun: Presidencia do Conselho da Fretilin, Lu´Olo maka Presidente, Vices maka Mau Huno no Mari Alkatiri, hodi elimina CDF (molok Hudo, Konis no Lu´Olo maka kaer) no elimina estrutura DEF nebe molok Abilio de Araujo no José Luis Guterres maka kaer. Reorganizasaun Fretilin, acelera waihira Konis Santana nudar cefe CDF nian mate iha fulan Março tinan 1998, Abril 1998 Convenção Peniche hodi harii CNRT no Conferencia Sydney hodi reorganiza Fretilin. Husi Sydney maka hahu passo foun ba Fretilin no liliu ba kareira politika Mari Alkateri atu hadia dalan ba to´o kaer Ukun iha Timor LoroSae. Iha ne ita koloka lian litik maka ne: Se Konis Santana moris Mari Alkateri bele to´o topo lideransa Fretilin? Se Ma´udo la mate no Ma´uhuno la moras paralisa Mari Alkateri bele konkista poder? Hatan ba lian ida uluk, se Konis Santana maka moris, nia (Konis) maka kaer ulun Fretilin liu husi CDF no Falentil, José Luis Guterres maka kaer nafatin DEF. Tamba Konis Santana nebe iha liu ligasaun ho Xanana Gusmao, buat hotu tenke husu husi Xanana. Iha kasu Ma´uhudo i Ma´uhuno mos hanesan,akontece kala Mari hela nafatin nudar vice, maibe laos sekretariu Jeral, tamba husi Sydney Hudo maka tur iha secretariado. NEDUNI se Konis Santana ho Ma´uho sei moris karik Mari Alkateri mos la sei to´o ba kaer Ukun iha Fretilin no nudar PM iha Timor LoroSae.

5. Iha kontextu Ukun Rasik An

Konferencia Extra-Ordinaria iha Abril 2000 no Kongresso iha Agusto 2001. Rompe ho CNRT ka sai husi CNRT. Prepara terreno ba eleisaun Konstituiente no to´o kaer Ukun. Reforsa lideransa Marie Alkateri liu husi “Kongreso” waihira foti nudar Sekjen Fretilin no konsegue domina iha “Estatuto Fretilin” nian poder ba Sekjen. Ninia nukleo nebe maka kaer husi Mozambique, no balun husi Australia. Waihira hahu prepara dalan ba konferencia extra-ordinaria iha Abril 2000, buka aliados foun oinsa maka bele lori Fretilin ne ba oin, ema nebe maka ninia principal apoiante maka “Vitor Costa no Francisco Cepeda (Membro CCF), no seluk tan”. Ho elementus sira nebe iha laran (Timor LoroSae), nebe iha biban neba konsidere hanesan oposisaun ka kritika ba Politika Marie Alkateri nian maka “Grupo Abel Ximenes Larisina no José Reis”. SE memoria la faila iha Konferencia extraordinario Fretilin iha fulan Abril/Maio 2000, grupos nebe maka litik no teri netik makas politika Mari Alkateri maka “Grupo Abel Ximenes no José Reis”.

6. Kaer Poder

Adopta estrategia foun maka ne: Ida (1); Konstroe Nukleo foun hodi suporte ba ninia poder, nukleo ho base grupo Mozambique no destroe aliados sira nebe maka tulun hodi to´o poder tamba hare katak sira ne hanesan ameasa bot ida. Hare deit exemplu konkretu maka grupos sira nebe suporte ba Marie Alkateri molok Konferensia extra-ordinaria iha Abril 2000 no Kongresso iha Agusto 2001, hanesan membros CCF balun maka: Vitor Costa no Francisco Cepeda, Vicente Maubossi, Marito Midar. Waihira Gropos CCF ne harii Fretilin reformist/Pembaharu,Marie Alkateri akusa sira katak “Ema Lubung oan ida maka moras”. Rua (2); Forma Governo ho elementus nebe mai husi gurpos independentes no domina iha estrutura interna Fretilin liliu CCF. Forma Governo figura independente no CCF tau figura sira nebe maka bele kontrola ka ho lian seluk sira be fraku, atu nune bele konsilida ninia poder. Marie Alkateri mos hatudu katak “Politiku nebe maka iha karakter koerente” liliu iha materia hanesan Negociasaun ba Timor-Gap, lakohi deve Osan ba Banku Mundial no FMI, nebe aban bai rua bele sai tusun makas ba rai Timor Lorosae ninia jerasaun mai.

7. To´o topo no dekliniu husi Poder

Waihira to´o iha topo “poder” Dr. Marie Alkateri halao estrategia politika oinsa maka bele assegura ninia governasaun. Kuando iha topo poder ona, Marie Alkateri ninia konsepsaun ba poder maka “Poder tuir definisaun klasika” maka: Nudar ulun bot ka Ukun Nain ne tur iha «topo pirâmida» nia leten no hodi manda ba sira iha karaik ka «base»”. Adopta estrategia politika husi “Top Down” no ladun fo hanesan atensaun ba politika “Button Up”. Katak poder ne husi leten ba hatun ba karaik, laos husi karaik maka hasae ba leten. Tamba ita hare ba natureza emar rai Timor LoroSae ninia koncepsaun ba poder maka ne “«Iha Reno maka Iha Ukun Nain, La Iha Reno la Iha Ukun Nain sira»“. Tamba fiel deit ba ninia koncepsaun konaba Poder no ninia materializasaun liu husi: Ladun promove dialog ho Oposisaun, ladun fo hanesan atensaun ba kritiku sira, no utiliza diskursu sira hanesan “hau maka PM hau maka manda, ami povo maka hili hodi Governo (Maibe Timor seidauk halo tok Eleisaun Legislativa)”, eleisaun iha maka eleisaun ba Assembleia Konstituiente ho mandatu hodi hakerek Ukun Fuan Inan (UFI).

1) Hetan garantia husi Parlamento Nasional (PN) nebe Fretilin maioria.

Neduni bele facilita ba politika nebe maka Governo atu halao. Foti exemplo: hanesan Lian Tasi Timor (Timor-Gap), nebe PM Dr. Alkateri maka nudar “Principal Negociador” ho Australia. Marie Alkateri no Governo nebe nia maka dirigi buka aposta liu iha Politika ba Mina Rai nian. Tamba waihira Osan Mina rai nian maka sai ona, bele avansa ho Projektu sira seluk nebe maka Governo ninia perioridade. Maibe iha processu negociasaun ne, Governo ladun klaru no la respeitu ba Instituisaun hanesan Parlamento Nasional (PN). Kria hela expektativa psikologika ba povo tomak katak buat hotu sei lao diak waihira Osan Mina Rai nian sai, neduni waihira hahu negociasaun ba Tasi Timor, PM Marie Alkateri lori buat ne hanesan duplo objectivu: Ida (1); Projektu ne hanesan Fretilin nian, ka ho lia fuan seluk sai fali hanesan triumfo eleitoral ba Fretilin. Rua (2); Buat Tasi Timor nian sai hanesa aposta pessoal ba PM Marie Alkateri, hatudu katak nia iha duni.

2) Kombate ba KKN

Tau maun no alin, familiar, amigos sira ho beneficio husi Estado. Hare deit nomeasaun alin ka maun ida ba Embaixador, nomeasaun nia Fen Marina Ribeiro Alkateri ba representante interese Timor nian iha Mozambique, familiar no amigos sira maka hetan acessu ba sasan sira estado nian. Preveligiu ba apoiantes sira iha fatin Estado nian. Ho lian seluk “Apropriaçaõ dos meios do Estado (material, judicial, etc)”. Empresas familiar maka suplay hahan ba FDTL, kaer Gozolina atu nune kareta Governo nian obrigatorio ba abastece ka hola iha empresa sira nebe maka pertence ba familia Alkateri nian, empresa Cavalo Bravo, Lda maka iha direito ba sosa kilat musan no munisoes ba Polisia Nacional.

3) Timor-Gap, Korupsaun iha Tasi Timor

Iha fulan Março tinan 2004, Empresa Mina Rai (Petroleo) Oceano Exploration (OE) kesar Empresa Mina Rai OconoPhilips ba Tribunal Washington nian. Iha akusasaun sira nebe maka OE akusa OconoPhilips fo suap ka pratika korupsaun maka manan tender hodi ba explora Mina Rai iha Tasi Timor (Timor-Gap), iha kasu ne implika mos PM Mari Alkateri nia naran iha laran. Liu semana ida Journal “Australian Financial Review (AFR) “hatun lian tatoli konaba (...) “Marie no Ahmad Alkateri iha No. Rekening rua iha Banku ANZ iha Casuarina, Darwin Australia(AFR, 08/03/2004)”. Kasu Timor-Gap ne mos doko witoan Mari Alkateri.

4) Kontra Media, liliu STL

Konotasaun ba Media nasional ninia hakerek los ka relatu faktus konsidere hanesan Inimigo ka kontra Governo. Kasu STL nian, waihira koalia los konaba Hamlaha, koalia konaba Korupsaun iha Governo, ho ida ne Marie ho ninia Governo toma medida balun nebe maka hodi halo hanesan prejudikasaun ba STL, liliu hanesan obriga STL tenke sai husi nia fatin, ho deit argumentus katak uma nebe maka STL okupa ne “Propriataria Estado” tamba ne heransa kolonial, se Lei ka Ukun fuan aplika lolos tenke aplika ba hot-hotu,nusa maka Fretilin iha legitimidade saida hodi okupa edificio BP7? nusa maka PD hakarak rehap deit uma Dolog nian la admite tamba Uma dolog ne mos pertence ba Estado. Mos akontese ho media sira seluk hanesan Timor Post mos TVTL. TVTL waihira denuncia kasu KKN konaba Minesteriu balun ninia “Abuso de Poder” journalista TVTL nian hetan presaun, no seluk tan.

5) Ignora Oposisaun

Konsidera Oposisaun maka “Mesak Lanu Ten deit”. Tamba Minoria maka dehan oposisaun la vale, neduni kuando koalia demokrasia tenke mos respeitu ka fo konsiderasaun ba Minoria. Waihira la valoriza ba minoria, ne laos ona demokrasia. Labele hatou diskursu retorika sira waihira la respeita ba oposisaun. Se koalia konaba projecto ba desenvolvimentu nasional nem Partido Governo mos apresenta projecto, ida tan Partido Oposisaun.

6) Igreja ninia knar

“Ami povo maka hili hodi Ukun”, maibe Bispos sira “Vaticano maka nomeia”. “Se hakarak halo politika diak liu hasae batina mai ita halo politika”. Igreja nudar instituisaun nebe maka ninia raiz ka abut mos metin iha Timor LoroSae. Laos tur-tur hirarquia Igreja nian.

8. Konsilida Poder

Hela tinan rua atu termina legislatura iha tinan 2007, Mari Alkateri ninia objectivo maka oinsa maka bele Konsilida Poder atu nune bele manan tan eleisaun iha tinan 2007. Estrategia nia adopta maka koresponde ba pontus tolu: (i) Oinsa maka kontrola Oposisaun Interna; (ii) Estrategia ba desenvolvimento nasional; (iii) Presaun husi Komunidade Internasional. Ninia materializasaun liu husi II Remodelasaun, objectivo II Remodelasaun hodi hatan ba estrategia sira nebe maka nomera ona ne.

Kongresso nebe maka atu halao iha fula Maio Tinan 2005. Konfronto husi projecto rua (2) konaba aban bai rua (futuro, red) Fretilin nian, husi Mari Alkateri ninia projecto vs Grupos Renovadores sira ninia projecto. Husi sorin,Mari Alkateri nian oinsa maka bele manan iha Kongresso, tamba iha ne jogo buat rua,manutensaun Mari nudar Sekjen Fretilin no konsilida poder nudar PM. Tamba hela tinan ida deit Mari oras ne hahu dadaun prepara dalan ba to´o kongresso. Hadia dalan liu husi: (i) II Remodelasaun Governo hodi aumenta deit Ministros, Vices-Ministros no Secretario do Estado. Husi elementus II Remodelasaun ne klasifika ba buat hat (4): a) Ministro sira nebe maka iha duni kompetensia maka manten iha posisaun ka promove ba Minsitro. b) Hasae Ministro sira nebe maka iha Konatasaun ho KKN, tamba Mari hare katak sira pratika KKN neduni tenke hasae sira.Komitemen ida ne bele hare husi deklarasaun PM Mari Alkateri nian katak (...) Toleransia zero ba korupsaun (STL, 05/8). c)Ho aumenta tan Ministro sira foun, reduz ona numeros Ministros nebe mai Husi Mozambique,tamba iha neba hare mos barak maka hasae curso iha Indonesia. Desavia ida ba sira nebe maka aponta ba domina husi nukleu Mozambique nian iha Governo. d) Ministro sira nebe maka iha ligasaun ho massa, hanesan: David Ximenes ba kaer pasta antigos kombatentes, José Manuel Fernandes ba kaer Desporto no Juventude, mos Secretario do Estado ba regiaun sira (I, II, III, IV i V). Mos Mari Alkateri hetan tulun (apoios, red) husi Lu´olo no Rogerio Loubato, sira nain rua maka nudar nukleo duro nebe maka Mari Alkateri kaer oinsa maka bele manan iha kongresso.

Faktor seluk maka kestaun Prezidencial, Alkateri iha ikus mai hatou ba opiniaun publika katak nia defende Xanana maka rekandidata fali iha eleisaun 2008, kontrario iha eleisaun Prezidencial iha tinan 2002 Mari Alkateri assumi ruptura ho kandidatura Xanana nudar independente.

Iha sorin Renovadores sira nian maka, sira koloka kestaun maka buat rua deit: Salva ema ida (Sekjen Fretilin no PM) ka salva Fretilin? Iha orientasaun Renovadores sira salva Fretilin hodi manan eleisaun ba tinan 2007. Neduni sira nia posisaun litik makas ba politika nebe maka Mari Alkateri nian iha tinan tolu (3) nia governa. Hare deit husi artigos no deklarasaun membros renovadores sira nian, hanesan Reis Kadalak nia artigo iha STL (edisaun, 4/7) no deklarasaun Vicente Maubosy iha STL (edisaun, 03/08). Renovadores sira nia objectivo maka oinsa maka altera “Estatuto Fretilin (EF)” nian, tamba EF nian oras ne fo margen bot ba Sekjen maka iha poder hodi governo, forma governa no nomeia Ministros. Tuir Renovadores sira altera EF nian iha kongresso atu fo liu knar no poder makas ba CCF, laos hanesan EF nebe maka sei iha vigor katak CCF nudar orgaun konsultivo deit maibe la iha poder vinculativo.

Se projecto Renovadores sira nian maka manan iha Kongresso saida maka akontece? Tuir hau nia hare maka ne: ida (1), Renovadores maka manan, sira elege Sekjen foun Fretilin nian. Rua (2), PM Mari Alkateri, kaer governo maibe laos nia maka kaer Partido, ne reflekte maka ne: Governo ne fragil, tamba iha momento partido bele hasae nia hodi nomeia PM foun. Tolu (3) Husi Mari Alkateri kumpri legislatura to´o eleisaun iha tinan 2007. Ba cenario ida ne, hare hanesan parte rua ladun aceite, tuir renovadores sira nia alvo maka Mari Alkateri maka nudar porblema ba Fretilin, neduni projecto Renovadores sira manan, nudar solusaun sira sei la aceite tan nia nudar PM. Husi parte, PM Mari Alkateri maka ne sei la aceite waihira laos nia maka nudar Sekjen Fretilin, tamba Governa sei la estavel tamba bele monu iha biban nebe deit waihira Partido hakarak.

Lisboa, Agosto 2007

Antonio Ramos Naikoli
NOTA: Artigo ne'e STL hatun iha loron 17, 18 i 19 Agosto 2005

8 comentários:

  1. Antes podia-se dizer que o Alkatiri tinha governado bem ou mal
    Agora quem é que se vai responsabilizar?
    O Australiano que foi mau primeiro-ministro, … porque o que estamos já a ver é que o Xanana não vai governar coisa nenhuma, quem vai governar é o Australiano e o Xanana assina por baixo.
    Para além de não ter dado a maioria ao Xanana para ser primeiro ministro, o povo Timorense ainda vai ter de chupar com um primeiro-ministro Australiano.

    Em termos de ciência politica Timor é interessantíssimo enquanto estado democrático:
    O presidente do Parlamento é presidente do quarto maior partido votado.
    O primeiro-ministro é presidente do segundo partido mais votado.
    O partido mais votado não consegue representar os seus eleitores nos órgãos do Estado.
    O primeiro-ministro entrega o país ao um Trust” económico que o vai passar a governar.

    Bem o comandante vai ser uma "câmara" de ar de encher. Uma floreira de rosas mal cheirosas. O comandante apenas tem que assinar aquilo que lhe colocam para em cima da mesa. O comandante está se marimbando para o povo maubére. O comandante (o tal sem ambições políticas e cultivador de abóboras), tem o tachito garantido e que lixe o resto...A "belarina" mais o australiano lá se encarregarão de dirigir os negócios do estado, com a ajudazita do Ramos Horta...

    Tradução da biografia;

    Stephen Philip Bracks (melhor conhecido como Steve Bracks) (nascido em 5 de Outubro de 1954), político Australiano, foi o 44º Premier de Victoria, estando no cargo oito anos, de 1999 a 2007. Nasceu em Ballarat, onde a família tem um negócio de moda. Foi educado no St Patrick's College e no Ballarat College of Advanced Education (agora a Universidade de Ballarat), onde se graduou em estudos comerciais e educação. Bracks é um fã das regras do football Australiano, apoiante do Geelong Football Club. A mulher, Terry, é a primeira mulher que tem o cartão de apoiante do Melbourne Football Club.
    Bracks, o primeiro Premier Católico do Labor de Victoria desde 1932, é de descendência Libanesa . O seu avô paterno, cujo nome de família era Barakat, veio para a Austrália em criança de Zahle no Vale de Begaa do Líbano nos anos 1890s.
    Bracks anunciou a sua resignação como Premier em Julho 27, 2007, e resignou formalmente do cargo em Julho 30.
    Primeiro mandato como Premier
    Os observadores políticos eram quase unânimes em como Bracks não tinha a possibilidade de derrotar o premier Liberal Jeff Kennett nas eleições de Novembro de 1999: as sondagens davam a Kennett 60% de popularidade. Bracks e os seus colegas de topo (particularmente Brumby, que vem de Bendigo) fizeram muita campanha nas zonas regionais, acusando Kennett de ignorar as comunidades regionais. Em resposta, eleitores das zonas regionais desertaram do governo de Kennett e o Labor aumentou os lugares de 29 para 42, tendo os Liberais e os seus aliados do Partido Nacional obtido 43, e indo três para independentes rurais. Sem nenhum partido ter tido uma maioria clara, os independentes concordaram em apoiar um governo de minoria do Labor .
    O antigo líder Brumby, nomeado para o Orçamento, era encarado como a parte principal do sucesso do governo. Ele e o Vice-Premier, John Thwaites, e o Procurador-Geral, Rob Hulls, foram vistos como os ministros chave do governo Bracks.
    Após uma promessa pré-eleitoral de 1999 de considerar a possibilidade de introduzir serviços rápidos de comboio para centros regionais, em 2000 o governo aprovou o financiamento para melhorar as linhas de comboio para providenciar serviços de passageiros de comboio rápido entre Melbourne e Ballarat, Bendigo, Geelong e Traralgon. Contudo, o Inspector-Geral de Victoria chamou a atenção que apesar dos $750 milhões gastos, "Descobrimos que o fornecimento dos serviços de comboio rápido mais frequentes nos corredores de Geelong, Ballarat, e Bendigo não tinha sido conseguido nas datas acordadas. No total, os resultados dos tempos de viagem serão mais modestos do que tínhamos esperado havendo apenas a probabilidade uma minoria de viajantes beneficiar de reduções significativas no tempo das viagens. Estes resultados ocorrem porque dar a alguns passageiros serviços expressos completos significa muitas vezes ultrapassar grandes números de passageiros em estações intermédias ao longo dos corredores."
    Em D14 de Dezembro de, 2000, Steve Bracks emitiu um documento sublinhando a intenção do seu governo de introduzir a Lei 2001 de Tolerância Racial e Religiosa. Sob esta lei, podem-se prender pessoas durante seis meses e/ou multados em $6,000, e as organizações multadas em $30,000 por "difamar pessoas com base na raça ou na religião." A extraordinariamente ampla lei permitiria levar a tribunal por virtualmente qualquer coisa incluindo chamar nomes, declarações verbais ou escritas, gestos, uso de símbolos ou de uniformes, ou qualquer outra coisa que um "observador racional" possa interpretar como uma ofensa a um "grupo racial ou religioso." Cobrirá declarações ou actividades, mesmo dentro de casas particulares, e o peso da prova é da competência do acusado que tem de provar que ele ou ela é inocente. E ass acusações podem ser feitas por uma "terceira parte, - não sequer pela pessoa que foi ofendida."
    A maior crítica ao primeiro governo de Bracks foi que a insistência nas consultas atrapalhou a governação eficaz e pró-activa. De acordo com os críticos, Bracks, pouco fez, e perdeu-se a excitação da mudança constante que era característica dos anos de Kennett. Os talentos de alguns ministros mais juniores foi também questionado. Contudo Bracks atravessou o primeiro mandato sem asneiras de maior e manteve a popularidade.
    Segundo mandato como Premier
    O Labor ganhou as eleições de 2002 à vontade, obtendo 62 lugares em 88 na Assembleia Legislativa, e pela primeira vez na história de Victoria, também uma magra mas clara maioria no Conselho Legislativo. Conquanto esta fosse a maior vitória do o Labor alguma vez teve numa eleição estatal em Victoria, trouxe riscos consideráveis. Com maiorias nas suas câmaras Bracks já não podia como desculpa para a inacção citar a sua posição parlamentar fraca. Os sindicatos que tradicionalmente têm um forte sentimento de pertença de governos de estados do Labor começaram a ser mais assertivos e inflexíveis durante 2003 e 2004.
    Em 28 de Agosto de 2002, Bracks em conjunto com o seu colega de NSW Bob Carr, inaugurou o aqueduto de Mowamba entre Jindabyne e Dalgety, para desviarem 38 gigalitros de água por ano da barragem de Jindabyne para os rios Snowy e Murray. O plano de dez anos custou $300 milhões AUD dividindo Victoria e s NSW os custos a meias. Melbourne Water afirmou que dentro de 50 anos haverá 20 por cento menos de água a ir para o reservatório de Victoria.
    Em Maio de 2003 Bracks quebrou uma promessa eleitoral e anunciou que a proposta Via livre de Scoresby nos subúrbios a leste de Melbourne será antes uma via com portagens pagas ao contrário do prometido nas eleições de 2002. Além de arriscar uma perda de apoio e de lugares no leste de Melbourne, esta decisão acarretou uma resposta forte do governo federal de Howard que cortou o financiamento federal do projecto com o pretexto de o governo de Bracks ter quebrado a promessa dos termos do acordo do financiamento federal com o Estado. A decisão parece ter sido tomada sob recomendação de Brumby, que estava preocupado com o orçamento do Estado. Quem também se opunha à decisão foi a Oposição Federal do Labor, que receava reacções anti-Labor nas eleições Federais de 2004. O então líder da Oposição Mark Latham descreveu um encontro com Bracks e ministros sombra Federais, escrevendo:

    Bracks quebrou a sua promessa, na esperança de que o ódio passe antes das próximas eleições do Estado . Mas sob o ponto de vista eleitoral arriscamo-nos a cair ... Bracks, contudo, não se sensibilizou, mesmo quando Faulkner pôs as culpas nele ... Continuou sentado como uma estátua, com aquele sorriso forçado tonto na cara.
    Esta cambalhota, vista por muitos como uma oportunidade para dar espaço aos Liberais, deu a oportunidade ao líder dos Liberais, Robert Doyle, para adoptar uma política muito criticada de meias portagens, que mais tarde foi deixada cair pelo seu sucessor, Ted Baillieu.
    Em 2005, Bracks anunciou que os criadores de gado de Victoria seriam proibidos de usar as “Planícies Altas” de Victoria para pastorear o gado, pondo fim a uma tradição com 170 anos. Os fazendeidos já receavam esta decisão desde 1984, quando um governo Labor cortou terras para criar o Alpine National Park. 300 criadores de gado vieram de cavalo até á rua de Bourke em protesto. O Líder do Partido Nacional de Victoria Peter Ryan foi citado como tendo dito que Bracks tinha "morto o homem do rio Snowy", uma referência ao poema de Banjo Paterson "O homem do rio Snowy."
    O que o segundo governo de Bracks conseguiu foi um dos mais antigos objectivos do Labor de Victoria a reforma completa do sistema de eleição da câmara suprema . Foi a introdução da representação proporcional, com oitenta e cinco membros das regiões a substituírem as secções eleitorais correntes de um membro. Este sistema aumenta as oportunidades para os partidos mais pequenos como os Verdes e o DLP para ganharem lugares no Conselho Legislativo, dando-lhes mais possibilidades de ganharem a balança do poder. Para ilustrar a imposrtância histórica que o Labor dá à mudança, num discurso numa conferência que comemorava o 150º aniversário da Eureka Stockade, Bracks disse que era "uma outra vitória para as aspirações de Eureka", e tem descrito as mudanças como "o feito de que mais se orgulha".
    A realização dos Jogos da Commonwealth 2006, geralmente vista como um sucesso (apesar de muito caro) foi visto como uma vitória de Bracks e do governo.
    Na corrida para as eleições de 2006 election, nalguns aspectos, a situação política do Estado reflectiu a do governo federal, apesar de ter outro partido maior no comando. Com tempos razoavelmente bons , uma percepção discutível reforçada por uma extensa campanha de propaganda do governo a vender as virtudes de Victoria para os Victorianos, as eleições mostraram pouco interesse na mudança, apesar de para o fim da campanha as sondagens terem indicado que os Liberais sob Baillieu estavam a aproximar-se.
    Terceiro mandato como Premier
    A campanha eleitoral foi relativamente controlada, com o Governo e Bracks a concorrer grandemente com o seu registo como Premier, bem como planos para tratar de questões de infra-estruturas no terceiro mandato. A imagem de Bracks apareceu em grande na propaganda eleitoral do Labor. Os ataques dos Liberais concentraram-se no processo lento do desenvolvimento das infra-estruturas sob Bracks (especialmente nas questões do abastecimento de água relacionadas com as várias secas que afectaram Victoria antes das eleições), e o novo líder Liberal Ted Baillieu prometeu começar com a construção de uma série de iniciativas de novas infra-estruturas incluindo uma nova barragem no rio Maribyrnong e uma instalação de desalinação. A promessa quebrada do Laborem Eastlink espserava-se ainda que fosse um factor no subúrbio leste de Melbourne.
    Em 25 Novembro 2006, Steve Bracks ganhou a terceira eleição, derrotando confortavelmente Baillieu para assegurar o terceiro mandato, com uma maioria ligeiramente reduzida na Câmara Baixa. Esta foi apenas a segunda vez que o Labor de Victoria ganhou um terceiro mandato no governo. O seu Gabinete tomou posse em 1 Dezembro 2006 com Bracks a ficar também com as pastas dos Assuntos dos Veteranos e Assuntos Multiculturais.
    Resignação
    Bracks aunciou a resignação como Premier em 27 Julho de 2007, dizendo que era para passar mais tempo com a família. Saíu do cargo em Julho 30, 2007. De acordo com a ABC Bracks tinha estado sob pressão política e pessoal nas semanas antes da sua resignação. Só entre outros Premieres de Estado ele tinha recusado concordar com o plano de conservação de água do Governo Federal de $10 bilões da Bacia Murray-Darling, e o seu filho tinha estado envolvido num acidente que envolvia uma acusação de guiar so efeito do álcool. Bracks disse numa conferência de imprensa que não podia por mais tempo ter um compromisso a 100 por cento com a política:

    Uma vez que se chega a um ponto onde não se pode mais ter esse compromisso, a escolha é clara – Eu escolhi.


    Steve Bracks, a anunciar a resignação
    O Vice de Bracks John Thwaites anunciou a sua resignação no mesmo dia. As notícias da resignação causaram surpresa à comunidade em geral bem como na política. Foi revelado que o líder Federal do Labor Kevin Rudd, foi informado apenas minutos antes do anúncio e que tentou dissuadir Bracks desta decisão. O homem de Bracks do Orçamento John Brumby foi eleito sem oposição pela Convenção do Labor de Victoria o seu sucessor, enquanto o Procurador-Geral Rob Hulls foi eleito Vice-Premier.

    http://en.wikipedia.org/wiki/Steve_Bracks

    ResponderEliminar
  2. "NÃO APRENDEMOS NADA DO PASSADO" - disse Ramos Horta

    O Presidente da República, José Ramos-Horta, afirmou hoje no Parlamento Nacional que os timorenses «não aprenderam nada com o passado» e, num discurso comemorativo do referendo pela independência, teceu duras críticas à Fretilin.

    «O nosso ego tem sido sempre demasiado grande», afirmou José Ramos-Horta perante os deputados e vários convidados estrangeiros.
    O discurso assinalou os oito anos sobre a consulta popular que, em 30 de Agosto de 1999, abriu caminho à independência de Timor-Leste, concretizada a 20 de Maio de 2002, após um período de transição de dois anos considerado «curto» por José Ramos-Horta.
    «Não aprendemos nada do passado e continuamos a cometer os mesmos erros que custaram muitas vidas no passado não distante», declarou o Presidente da República.
    «Mais de três décadas passadas, tenhamos a coragem de reconhecer os erros cometidos pela elite política da geração de 70 pois os erros cometidos em determinada época custaram muito caro ao povo», acrescentou José Ramos-Horta.

    O Presidente da República analisou os factores que conduziram à independência e criticou a liderança que ocupou o poder nos primeiros cinco anos do Estado timorense, incluindo ele próprio, chefe da diplomacia no I Governo e primeiro-ministro do II Governo Constitucional.
    «A diáspora timorense viu-se de repente com o poder nas mãos», recordou José Ramos-Horta.
    «Afastados 24 anos da Pátria, estávamos alienados da nova realidade timorense», afirmou.
    «Apesar de minoria, fomos nós que mais poder acumulámos, criando logo à partida forte ressentimento, acentuado quando a nova elite política foi sendo percepcionada como arrogante e alienada da nova realidade timorense».
    «Não soubemos construir pontes entre as gerações e diferentes camadas sociais, entre Díli e as zonas pobres do Timor-Leste interior, entre a elite governativa e a sociedade civil, em particular a Igreja», considerou também o chefe de Estado.

    João Cravinho, secretário de Estado português dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, foi um dos convidados da cerimónia oficial e considerou, no final, «extremamente interessante» o discurso do chefe de Estado.
    João Cravinho chegou pouco depois das 08:00 (00:00 em Lisboa) a Díli, para uma visita oficial de quatro dias, durante a qual visitará vários projectos da Cooperação Portuguesa nas áreas da educação, justiça, agricultura e infra-estruturas.

    Diário Digital / Lusa



    Não, ele nos quatro anos em que foi Ministro do I Governo Constitucional passava metade do tempo no estrangeiro a tratar da vidinha e mesmo quando estava em TL no intervalo das viagens nem aos conselhos de ministro ia! Este estupor andou sempre ao serviço dos estrangeiros e tem nojo dos que cá, laboriosamente, tolerantemente, persistentemente iam construindo as instituições democráticas, iam montando serviços, iam refazendo as infra-estruturas, iam construindo o estado de direito que hoje é Timor-Leste.

    Ele - como sempre - é que nada aprendeu! Ele é dos que se pensa predestinado para ser servido, nunca para servir. Ele não passa de um pavão, de um boi inchado, é de facto uma criatura desprezível que cospe na sopa de quem o ajudou.

    Mas o que sobe desce, e ele já começou a descer, em primeiro lugar na consideração da sua gente. Este gajo não dura porque este gajo está velho, gasto, desgastado, está um nojo.



    sr.dr.António Ramos aqui vai a minha opinião e espero que você aprenda tb com esta realidade, não só sentar no mesmo sítio e criticar, venha para Timor meu Irmão é que ele precisa da sua nojenta ideia......

    ResponderEliminar
  3. "CONSULTOR" BRACKS METIDO EM ALHADAS?

    "Era esse o nível de conforto que na altura ia na minha mente ," disse ele.
    "Acredito que era o entendimento geral da direcção . Foi uma discussão livre e aberta ," disse o Sr Kerr.
    A sua evidência segue-se a meses de negações pelo Sr Bracks de que alguma vez sequer tivesse discutido arranjos de licenças com Tatts ou os seus intermediários.
    Um antigo patrão da Tattersall diz que discutiu licenças de jogo com Steve Bracks, contradizendo negações repetidas pelo antigo premier.
    O ex-consignatário do Tatts, Peter Kerr disse num inquérito parlamentar que o Sr Bracks tinha livremente discutido licenças num encontro secreto na sala de administração da companhia em Fevereiro de 2003.

    O Sr Kerr disse numa comissão escolhida na Câmara Alta que tinha saído do encontro com a clara compreensão de que o Governo apoiava o duopólio de máquinas de jogo de multi-bilião de dólares que o Tatts partilhava com o rival operador de jogos, Tabcorp.
    David White, apoia os relatos do Herald Sun durante a eleição no Estado no ano passado, que desencadeou o inquérito.
    Tatts e Tabcorp colheram enormes lucros anuais das suas 27,500 máquinas de jogos. Os Victorianos perderam $2.5 biliões nas máquinas no ano passado.
    Em Novembro último, o gabinete do Sr Bracks afirmava "ele nunca discutiu licenças com David White nem com mais ninguém de fora do governo".

    No Parlamento em 27 de Fevereiro, o líder da Oposição Ted Baillieu perguntou ao Sr Bracks se ele mantinha isso.
    O Sr Bracks respondeu: "O Governo, eu como Premier, ou qualquer outro ministro, não discutimos licenças de jogo quando há um processo de propostas, nem sequer discutimos essas matérias antes disso."
    Ontem, o Sr Kerr contou na comissão que o relato do Sr White sobre a administração do Tatts de um jantar de trabalho que ele teve com o Sr Bracks em Lorne nas férias 2003/04 foi o desenvolvimento da "bomba muito potente" que o levou a decidir vender na bolsa de valores.

    "Ele tinha uma mensagem muito forte a passar à administração. O modo como David pôs as coisas, tanto quanto me lembro foi : `se queres manter a licença, tens de entrar no público.'
    "Isto era David White a citar um encontro que afirma ter tido com o premier. A administração estava de certo modo impressionada pela natureza da mensagem. . . sempre me lembrarei disso."

    O Sr Bracks admitiu o encontro com o Sr White mas disse que não discutiram licenças, e acusou o ex-ministro de inventar coisas.
    O porta-voz da Oposição para o jogo Michael O'Brien pediu ao Sr Bracks para aparecer no inquérito : "A evidência de hoje sugere que ou foi o Sr Bracks que mentiu, ou foi David White."
    Ontem à noite a comissão votou a favor de convidar o Sr Bracks para aparecer.
    Disse o Sr White ontem à noite: "Aparecerei frente à comissão em 17 de Setembro."

    O colega consignatário do Tatts, Ray Hornsby disse ontem que o Sr White tinha transmitido uma mensagem do Governo do encontro de Lorne. "O Sr White disse-nos que se estavam a inclinar para a continuação do duopólio . . . tinha servido bem. Não viram nenhum razão urgente porque deveriam mudar," disse no inquérito.
    Mas o Sr Hornsby e o Sr Kerr disseram ambos na comissão que acreditavam que o Sr Bracks nunca tinha dado garantias que a companhia seria tratada favoravelmente ou que lhe seria dado um tratamento preferencial.
    "Não houve promessas, obrigações ou mesmo inferências," disse o Sr Hornsby. "Acreditei sempre que haveria um processo total de propostas."
    O Sr Kerr acrescentou: "Senti que teríamos as nossas licenças renovadas com base nos nossos méritos. Não penso que David declarou ser um mágico de maneira alguma."
    O Sr Hornsby disse que acreditava que o Sr White pode ter estado a dizer à administração o que eles queriam ouvir.
    "Sou um cínico, não acredito na cara das pessoas sem algumas provas," disse.
    Mas o Sr Kerr disse que o Sr White se tinha gabado à administração de ser o consultor de e de exercer influência sobre, o Sr Bracks, o agora responsável do Orçamento John Lenders, o agora Premier John Brumby, os ministros Bronwyn Pike e Lynne Kosky, e responsável do Orçamento Ian Little, que já faleceu.

    Ele confirmou que horas antes do encontro de 2003, o Sr White informou a administração sobre questões a pôr ao Sr Bracks. O Sr Kerr disse que o Tatts tinha contratado o Sr White por causa da sua capacidade de abrir portas dentro do Governo.
    "Foi por isso que foi contratado, para actuar para nós. Esse era o papel que esperávamos que tivesse," disse o Sr Kerr.
    Ambos os consignatários confirmaram ainda a autenticidade de um documento interno do Tatts, publicado pelo Herald Sun, esboçando um plano para uma oferta "escrita num pedaço de papel " para ser entregue ao Sr Bracks pelo Sr White.
    "Isto pode ser entregue a Bracks para leitura atenta e aceitação," afirma o documento.
    "David White pode apresentar este pedaço de papel. Nada oficial, apenas verbal."

    O inquérito parlamentar foi convocado no princípio do ano depois de uma série de artigos no Herald Sun terem revelado o jantar de Lorne e as discussões do Sr Bracks no encontro da sala de administração do Tattersall.
    O Vice-Premier Rob Hulls ontem defendeu o Sr Bracks, dizendo que nem o Sr Kerr nem o Sr Hornsby tinham afirmado que o processo das máquinas de jogo ou das licenças da lotaria tinha sido negociado inadequadamente.
    "Foi dada evidência . . . de um encontro da administração que ocorreu dois anos antes de ocorrer o processo de propostas," disse o Sr Hulls.

    The Australian/Michael Warner

    ResponderEliminar
  4. Vamos ver quantas máquinas de jogo vamos passar a ter se este gajo ficar por cá algum tempo. Parece que a grande "obra" que deixou em Victória foram umas dezenas de milhares de máquinas de jogo, devidamente "legalizadas" com as "licenças" que deu a uns amigalhaços e que é por isso que vai ter de responder a um inquérito parlamentar.

    Já se começa a perceber o que este gajo vem fazer a Timor!
    Tratar do velho sonho do Horta em transformar Timor num segundo Macau e meter em Ataúro casinos.
    Depois do Petróleo entra agora o jogo.

    Então o Carrascalão não diz nada? Também está metido na "panelinha"?
    Ó senhor Mário, pela alminha do seu pai, ponha a boca no trombone e desmascare esse incompetente e vígaro do senhor Xananorta!

    ResponderEliminar
  5. Este eh um povo onde os "burros" dominam. Eu sou um desses "burros". Nada aprendemos do colonialismo portugues. Nada aprendemos da ocupacao japonesa (1942-1845). Nao aprendemos nada com a ocupacao indonesia. E nao vamos aprender nada com a ocupacao australiana. Porque somos "burros" e por enquanto queremos continuar a ser "burros". Conosco o ditado portugues "agua mole em pedra dura, tanto bate ate que fura" nao funciona. Nos somos "burros" e queremos continuar a ser "burros". Para nos, o tempo nao conta. Vamos esperando ate que um dia qualquer no futuro tiraremos a nossa mascara de "burros" e passaremos a ser so o que somos, isto eh, timorenses, e chamar "burro" a todos quantos ate la pensam que somos "burros"

    ResponderEliminar
  6. Como é que o homem há-de apresentar o progranma do governo.
    Não o sabe fazer!
    Está à espera que o Australiano o faça.
    É claro que vai haver prosperidade para o povo Timorense, a apertar porcas numa fábrica de ums Australiano.

    ResponderEliminar
  7. Deixem-se de merdas e de insultos! Mari Alkatiri, lá por ser árabe, nascido em Timor, é um homem com dignidade.
    Foi traído pelo Horta que aliado à bailarina e ao "bossal" do Xanana Gusmão fizeram o "cambalacho" para o colocarem foram da carroça.
    O Horta um espertalhão e de costela judaica (ele é que o disse!), tem sido um oportunista ao longo dos meandros do assunto Timor.
    Sempre foi o "tipo" que se valeu e viveu à conta dos pobres timorenses.
    Ele o Horta nunca teria margens nenhuma, de movimentação, se não estivesse aliado ao Mari Alkatiri. A bailarina que se apaixonou pelo "bossal" (acreditam-se por aí?), quando foi enviada à "choça" onde o privilegiado "bossal" tinha um doce cárcere, foi com a missão de explorar a fama (falsa) que o comandante da mata, gozava. A Austrália necessitava de Timor!
    O Horta cá por fora era uma Madalena "chorona" com o "bossal" na boca (o nosso camarada Xanana!)
    Ele bem sabia que deveria explorar o seu cárcere!
    O Alkatiri começou, na altura, politicamente a perder terreno. Entretanto o Horta por anos e mais anos foi-se aproveitando das benesses do Latirias e dos dinheiros que conseguia dos países que simpatizavam com o caso Timor.
    É dificl que o Alkatiri consiga sobreviver na política em Timor. As hienas tomaram conta desse poder e difícil, muito mesmo, num país de expressão religiosa católica um muçulmano conseguir ir em frente.
    Mari Alkatiri é um político honesto só que se meteu com ruim gente!

    ResponderEliminar
  8. Caros visitores, leitores e comentadores do Forum_Haksesuk, vós sois os detentores do direito de opiniões. Sejam elas como foram e como forem as opiniões sejam bem vindas à este forum.
    Mas atenção as palavras menos boas ou insultuosas a alguém não são bem vindas neste foum pelo que chamamos a atenção para o efeito e derivadas consequências que hão-de vir e ser aplicada pelo monitor do Forum_Haksesuk.
    Obrigado pela atenção e colaboração de todos.

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.


who's online