VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

I N T E R F E T
15 Setembro 1999
O Conselho de Segurança da ONU aprova a Resolução n° 1264,
que autoriza a criação de uma força internacional para Timor-Leste (INTERFET)
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
Dezenvolvimentu Nasional presija iha Programa nebeé Programátiku
Reasun Oposisaun ba Programa VII gov
Primeiro-ministro timorense não entende críticas a programas..
Oposição exige explicações ao Gov sobre justiça e reforma adm..
Xanana Gusmão quer "ganhar experiência" como oposição..
Governo quer duplicar receitas domésticas com IVA e impostos tabaco...
Masuk Indonesia Tanpa Paspor, 2 Warga Timor Leste Diamankan Polisi
Opozisaun Rejeita, Programa VII Governu, Alkatiri: “Hau Prontu...”
Timor "satisfeito" novo acordo que regula fronteira com Austrália
Comissão confirma acordo entre Timor-Leste e Austrália

 
 
   

terça-feira, 5 de junho de 2007

Timor, outra vez?

Pe. Tony Neves

Timor continua a preocupar o mundo. Viveu tempos de massacre e de opressão durante a dominação indonésia. Depois, veio a libertação com a independência. Mas este mais jovem país do mundo tem dado provas de pouca capacidade de gestão da diversidade étnica e cultural que possui. Muita violência e instabilidade têm marcado o dia a dia dos timorenses. Nem o carisma de Xanana Gusmão nem a força moral dos prémios Nobel da Paz, D. Ximenes e Ramos-Horta são argumentos suficientes para dar serenidade ao povo e permitir o desenvolvimento do país.

O desenvolvimento parecia ganhar corpo com o aparecimento do petróleo. Mas, mais uma vez, as riquezas naturais de um país não jogam a favor das populações. O cheiro ao petróleo atrai cobiças desmedidas e faz surgir oportunistas que se aproveitam e acabam por gerar violências internas que criam condições favoráveis ao caos e à violência. O país parece outra vez á deriva, com o povo simples a pagar sempre as facturas. Dá vontade de continuar a cantar com Luís Represas: ‘Se outros calam, cantemos nós!’.

Houve eleições presidenciais. Ban Ki-Moon, Secretário-Geral da ONU, pediu que fossem livres e leais, transparentes e credíveis. Mas elas foram marcadas por muitas ambiguidades e problemas e Timor voltou ás primeiras páginas dos meios de comunicação, não pelas melhores razões. Ramos-Horta venceu e convenceu, nas urnas. Tomou posse a 20 de Maio e lançou um apelo ao abandono da vingança e da violência. Alguns timorenses não o escutaram pois houve grandes confrontos em Dili e em Bobonaro, nos sítios do costume. O novo Presidente da República prometeu dar o seu melhor para a concretização dos sonhos deste povo a quem lembrou que o progresso e paz só se obtêm com ‘consciência nos corações e nas mentes, com livros e computadores’. O Nobel da Paz apontou como prioridades da sua Presidência a estabilidade governativa, a resolução do problema dos deslocados e o combate à pobreza.

A Igreja Católica é uma referência incontornável em Timor-Leste, país com 96% de católicos. D. Alberto da Silva, Bispo de Dili, disse que a Igreja não tolera a violência e D. Basílio Nascimento, Bispo de Baucau, apelou a todos os cidadãos para que se amassem uns aos outros, citando a Bíblia. Recordo-me sempre, nos tempos da repressão, de jantar com Ramos Horta em Bruxelas, do encontro com D. Ximenes Belo na Universidade Católica, em Lisboa e na conversa serena com o P. João Felgueiras, no Colégio S. João de Brito. Eram homens abatidos pela crueldade da situação mas, ao mesmo tempo, confiantes na força de tanto sangue derramado e da alma cristã do povo timorense. É bom não esquecer o passado para evitar cometer os mesmos erros no presente e no futuro.

Mas, melhor ainda, é honrar o futuro com um presente que rime com paz, progresso e fraternidade. Quero crer que o povo vai trabalhar com os novos líderes eleitos para que a independência tenha valido a pena. E que os petróleos e outras riquezas abram caminhos a um verdadeiro desenvolvimento.

Pe. Tony Neves
01-06-2007 12:00:24 Copyright© FEC http://www.fecongd.net/

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.