VISAO MISAO OBJECTIVO SPORTIMOR FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Congresso  Nacional de Recontrucão de Timor-Leste Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente Partido Democratico Frenti-Mudança FM Partido Socialista Timor Partido do Desenvolvimento Nacional Associação Social-Democrata Timorense União Nacional Democrática de Resistência Timorense União Democrática Timorense Partidu Republikanu Partido Libertasaun Povu 

Aileba Partido Democrática Republica de 

Timor Associação Popular Monarquia Timorense Partido Unidade Nacional Partido Milénio Democrático Klibur Oan Timor Asuwain Aliança Democrática Partido Timorense Democrático Partidu Democrática Liberal Partido do 

Desenvolvimento Popular Partido Democrata Cristão

Ohin, 7 Dezembru, Tinan 41 Liu-ba Indonesia Invade Timor-Leste (1975-2016)
7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste 7 Dez 1975 Indonesia Kamat Timor-Leste
TIMOR-LESTE
Ami nia mehi ma'ak Liberta ita nia Rain no Liberta ita nia Povo, Ita hotu nia Mehi ma'ak Ukun Rasik An!".


Memoria 7 Dezembru 1975 - Invazaun Militar Indonesia Mai Timor-Leste
Portugal disse aos EUA que não se oporia à invasão de Timor-Leste
Mengungkap Invasi Indonesia di Timor-Timur

Kopassus veterans mark 41 years since Indonesia's invasion of East Timor

Pertempuran sengit & berdarah di Dili, Kopassus Vs Tropaz

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Timor-Leste é dos primeiros países a aprovar novos Objetivos Globais de Desenvolvimento

LUSA

PM Rui Maria de Araujo. Foto jndiario
Timor-Leste tornou-se hoje num dos primeiros países do mundo a subscrever os novos Objetivos Globais de Desenvolvimento Sustentável, um conjunto de 17 metas que devem ser aprovadas esta semana na Assembleia Geral da ONU.

Rui Maria de Araújo, primeiro-ministro timorense, disse que o Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros uma resolução para "reconhecer formalmente estes objetivos" bem como a criação de um mecanismo para a sua implementação a nível nacional.

"É um momento de orgulho para nós, que lideramos o mundo no cometimento a um novo quadro de desenvolvimento com objetivos para os próximos 15 anos", disse hoje em Díli.

Os objetivos (GGSD na sua sigla inglesa) foram negociados ao longo dos últimos anos e deverão ser aprovados pelos 193 Estados que participam na reunião desta semana em Nova Iorque.

Abrangendo diversas áreas, pretendem alcançar, nos próximos 15 anos, três grandes metas, nomeadamente o fim da pobreza extrema, o combate à desigualdade e injustiça e o combate às alterações climáticas.

Rui Araújo falava numa conferência sobre a perspetiva do G7 sobre a agenda de desenvolvimento pós-2015, que decorreu hoje em Díli e que foi organizada pelo Ministério das Finanças timorense em parceria com a Foreign Policy Forum.

Com sede em Díli, o g7+ é uma organização intergovernamental que reúne países considerados frágeis que recentemente passaram por conflito e que hoje partilham experiências no processo de desenvolvimento.

Foi a organização que estimulou a inclusão, entre os GGSD, do objetivo 16 que defende a promoção de "sociedades pacíficas e inclusivas para um desenvolvimento sustentável", providenciando a todos acesso à justiça e a construção de "instituições inclusivas e responsáveis a todos os níveis".

Rui Araújo destacou o facto da recente história de Timor-Leste demonstrar a importância do "reforço institucional para promover o desenvolvimento", com a experiência do país a mostrar que "não pode haver paz sem desenvolvimento e não pode haver desenvolvimento sem paz".

"Se não promovermos sociedades pacificas e inclusivas, se não dermos acesso a justiça para todos e se na construímos instituição efetivas e responsáveis a todo os níveis, nenhuma pobreza extrema pode ser terminada, a desigualdade e a injustiça prevalecerão e as alterações climáticas terão a sua conclusão drástica", disse.

O chefe do Governo timorense destacou a necessidade de fomentar parcerias para conseguir estes objetivos, recordando os esforços de Timor-Leste desde a independência e a colaboração que o país tem dado a outros Estados frágeis.

Entre outras, recordou, Timor-Leste apoiou o processo eleitoral na Guiné-Bissau, doou 2 milhões de dólares para o combate da Ébola e apoio os esforços de paz na Republica Centro Africana.

Hélder Lopes, vice-ministro das Finanças, destacou os progressos que a organização tem vindo a registar nos últimos anos e o contributo da Serra Leoa, apesar dos desafios que o surto de ébola trouxe ao país.

"Não é fácil olhar para os desafios globais que todos enfrentamos, quando temos desafios como esses em casa. Mas esta é a solidariedade que está base do G7+, que nos une, apesar das nossas diferenças", afirmou.

"É encorajador ver que os membros do g7+ estão a partilhar experiências e a ajudar-se mutuamente em áreas como paz e reconciliação, gestão de recursos naturais e gestão fiscal", afirmou.

Atualmente o g7+ conta com 20 membros de África e da Ásia: Afeganistão, Burundi, Chade, Cômoros, Costa do Marfim, Guiné, Guiné-Bissau, Haiti, Ilhas Salomão, Libéria, Papua Nova Guiné, Republica Centro Africana, República Democrática do Congo, S. Tomé e Príncipe, Serra Leoa, Somália, Sudão do Sul, Timor-Leste, Togo e Iémen.

Até maio de 2014 a presidência do organismo era da responsabilidade da ex-ministra das Finanças Timorense, Emília Pires, que foi substituída no cargo por Kaifala Marah.

ASP // PJA

Lusa/Fim

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.