VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

I N T E R F E T
15 Setembro 1999
O Conselho de Segurança da ONU aprova a Resolução n° 1264,
que autoriza a criação de uma força internacional para Timor-Leste (INTERFET)
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
Dezenvolvimentu Nasional presija iha Programa nebeé Programátiku
Reasun Oposisaun ba Programa VII gov
Primeiro-ministro timorense não entende críticas a programas..
Oposição exige explicações ao Gov sobre justiça e reforma adm..
Xanana Gusmão quer "ganhar experiência" como oposição..
Governo quer duplicar receitas domésticas com IVA e impostos tabaco...
Masuk Indonesia Tanpa Paspor, 2 Warga Timor Leste Diamankan Polisi
Opozisaun Rejeita, Programa VII Governu, Alkatiri: “Hau Prontu...”
Timor "satisfeito" novo acordo que regula fronteira com Austrália
Comissão confirma acordo entre Timor-Leste e Austrália

 
 
   

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

Timor-Leste deverá ter estatuto de observador na ASEAN este ano

LUSA, 27 de Agosto de 2015, às 11:41

Timor-Leste deverá ter estatuto
de observador na ASEAN este ano
Timor-Leste deverá adquirir o estatuto de observador na Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) este ano, disse o coordenador dos Assuntos Económicos e ministro da Agricultura e Pescas, Estanislau da Silva.

O mais recente país do Sudeste Asiático apresentou a candidatura oficial à ASEAN em 2011, mas Singapura - o único Estado-membro que tem mostrado reservas -, defendeu, desde logo, que tal devia acontecer só em 2015.

Contudo, segundo o governante timorense, para já deverá ser apenas atribuído o estatuto de observador, em concreto na cimeira de novembro na Malásia, país com a presidência rotativa.

Estanislau da Silva, que falava à agência Lusa durante uma visita oficial de três dias à Indonésia, encabeçada pelo primeiro-ministro, Rui Maria de Araújo, e que conta com a presença de outros seis ministros, citou fontes diplomáticas e pessoas diretamente ligadas à ASEAN.

O ministro reconheceu que o país "ainda tem muito para preparar para preencher os critérios exigidos" pela ASEAN.

Uma fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros timorense confirmou à Lusa que Timor-Leste ainda não tem formalmente o estatuto de observador, pertencendo para já ao Fórum Regional da ASEAN, tal como a Índia, o Japão, o Canadá e a Rússia.

Timor-Leste, explicou a mesma fonte, optou por não ter o estatuto de observador, como o de que goza a Papua Nova Guiné, participando nas reuniões da ASEAN como "convidado especial".

Questionado pela Lusa em janeiro, o embaixador de Singapura junto da ASEAN, Tan Hung Seng, não falou em datas, preferindo frisar que, numa altura em que a ASEAN se prepara para estabelecer uma zona de comércio livre a 31 de dezembro deste ano, "é importante" que "se torne numa organização baseada em regras".

No âmbito dos critérios de avaliação das candidaturas à ASEAN, que abrangem as áreas económica, sociocultural e política e de segurança, Timor-Leste está a ser alvo de análises.

Também em janeiro, Shahriman Lockman, analista do Instituto de Estudos Estratégicos e Internacionais da Malásia, disse à Lusa que os países fundadores retiraram uma lição da entrada da Birmânia, cujos problemas "se tornaram em problemas da ASEAN".

Shahriman Lockman explicou que a criação da Comunidade Económica da ASEAN em dezembro irá expor uma associação a duas velocidades, dado que o Camboja, o Laos, a Birmânia e o Vietname só irão participar no acordo de comércio livre em 2018, sendo, por isso, necessário à ASEAN "pôr ordem na casa" antes de aceitar mais membros.

A ASEAN, que conta com dez Estados-membros desde que foi criada a 08 de agosto de 1967, tem como principais objetivos fomentar o crescimento económico e a estabilidade na região.

AYN/ASP // APN

Lusa/Fim

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.