VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
NICOLAU LOBATO
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

Espelho da Realidade
A Esperança Nunca Morre
TIMOR-LESTE



Interview with Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name
UKUN HAMUTUK?
Sorumutu "Meja Bo'ot" nakonu ho "bua-malus". Sei lo'ok ba malu hela hodi mama hamutuk.
Fretilin
Fretilin - CNRT
Fretilin - PLP
Fretilin - PD
Fretilin - KHUNTO

 
 
   

domingo, 22 de janeiro de 2012

A REVOLTA DE QUELICAI (continuação)

A revolta de Quelicai terminou n dia 26 de Julho de 1912. Os “rebeldes” que estavam entrincheirados nas cavernas eram apertados pela sede, pela fome. Estando cercados pelas forças governamentais, foram obrigados a sair dos seus esconderijos e a apresentarem-se às forças do governo.

Uma das situações mais difíceis por que passaram os “revoltosos” era a falta de água. Das suas cavernas tinham de ir à fonte buscar água. Aconteceu que as nascentes estavam nas zonas dos atacantes, alguns mataram os búfalos para lhes beberem o sangue matando assim a sede. Com a ocupação de Ira-Osso, os rebeldes repeliam os atacantes defendendo-se nas rochas com tiros, pedradas e “azagaiadas”. Depois metiam-se nas cavernas através de escadas de bambus. Em Ira-Osso, os soldados portugueses muitos animais abatidos pelos rebeldes. Os rapazes que saíam dos buracos para irem buscar água eram presos. Todos eles estavam magros e com aparência de privações. Não resistindo mais aos cercos, os rebeldes tiveram de apresentar a rendição e apresentar-se. Finalmente com a escalada e o consequente cerco da montanha de Ossuqueli, nos dias 18 e 23 de Julho, renderam-se 182 homens, mulheres e crianças. Entre os que saíram das cavernas contava-se o chefe João de Bou-Osso.

Quando os presos foram interrogados eles declaram que os cabecilhas da revolta eram os chefes de Bolehá, Lawateri, Larigua e Quelicai. Mas o principal instigador da revolta era Loi-Lari, o major da segunda linha e dois datos de Bolehá. Seguiram-se na ordem de responsabilidade, Reci-Ma, tenente-coronel da 2ª linha e chefe de Bolehá, dois chefes de Lawateri e dois chefes de Larigua.

Declararam também que o motivo da revolta era o aumento do imposto que os habitantes não podiam pagar. Por isso, eles queriam marchar sobre Baucau para saquearem e destruírem a sede do comando e as lojas dos chineses a fim de arranjarem o dinheiro para o imposto.

Na operação de Quelicai as forças do governo tiveram um morto e 15 feridos, e entre os rebeldes contaram-se 21 mortos e 15 prisioneiros. Nessa campanha o governo mobilizou 342 timorenses e 12 marinheiros.
A revolta de Quelicai deixou muitas aldeias incendiadas e a perda do gado e das culturas.

Porto, 18 de Janeiro de 2012.
Dom Carlos Filipe Ximenes Belo

Sem comentários:

Enviar um comentário

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.