VISAO MISAO OBJECTIVO HAKSESUK BOLA FH KKN HOME FH LPV ARTIGOS FH MUZIKA LIA MENON FH RESPONDE
Bloku Unidade Popular Associação Popular Monarquia Timorense Kmanek Haburas Unidade Nasional Timor Oan Partido Esperança da Pátria Partido Socialista de Timor Partido Desenvolvimento Popular Congresso Nacional para a Reconstrução de Timor-Leste Partido Republicano União Democrática Timorense Partido Democrata Cristão Partidu Movimento Libertasaun Povu Maubere Partidu Libertasaun Popular Partido Democratico União Nacional Democrática de Resistência Timorense Partido Unidade Desenvolvimento Democrático Partido Timorense Democratico Frenti-Mudança Partido Social Democrata Centro Ação Social Democrata Timorense Partido do Desenvolvimento Nacional Frente Revolucionaria de Timor-Leste Independente
“O povo de Timor-Leste está reconstruindo com o seu próprio suor, com o seu próprio sangue uma pátria revolucionaria democrática, uma terra livre para gente livre”.

7 Dezembru 1975
Invazaun Militar Indonesia nian ba Timor-Leste
TIMOR-LESTE


Interview with
Fernando Lasama de Araujo: On the road to democracy, where the streets have no name

 
 
   

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Os Sonhos de Kay Rala Xanana Gusmão

Agio Pereira*

Neste debate parlamentar do OGE AF: 2009, um líder Timorense caracterizou a intervenção do Primeiro-Ministro para justificar a sua proposta orçamental como um ‘sonho’. Outros da mesma côr política repetem o mesmo estratagema.

E é verdade.

No seu poema ‘Mar Português – Possessio maris’, Fernando Pessoa assegura-nos que “Deus quer, o homem sonha, a obra nasce’.

O IV Governo Constitucional sob a liderança do Primeiro-Ministro Kay Rala Xanana Gusmão, mais uma vez, propõe e defende o seu Orçamento Geral do Estado. Esta é a quarta proposta orçamental desde que assumiu as rédeas do Governo a 8 de Agosto de 2007. É o orçamento anual de 2009. Todas as propostas apresentadas pelo Primeiro-Ministro Xanana Gusmão ao Parlamento Nacional foram submetidas a análises profundas e debates exaustivos, esgotando as previsões limites impostas no Capítulo VII do Regimento do Parlamento Nacional, sob o título ‘Plano e Orçamento Geral do Estado’.

Kay Rala Xanana Gusmão lidera um Governo com apenas um ano e meio de experiência, com todos os membros, incluindo ele próprio, sem experiência prévia como Membro de Governo e 39 deputados oriundos do CNRT, PD, ASDT/PSD e UNDERTIM. A determinação, coragem, honestidade e humildade, são os atributos desta equipa de Xanana Gusmão, desde o dia em que assumiu a responsabilidade de governar.
Neste ano e meio, o Governo de Kay Rala Xanana Gusmão confrontou-se com uma realidade de instabilidade nacional, com cerca de cem mil cidadãos deslocados, uma instituição governamental frágil, uma administração estatal sem liderança, a credibilidade das forças da defesa e segurança afectadas pela crise e, sobretudo, uma nação que recentemente conseguiu conquistar a sua liberdade através de uma unidade nacional sem precedentes, mas já dividida e sem visão comum para prosseguir com o importante processo de consolidação da independência nacional.

Assim, Kay Rala Xanana Gusmão entrou no Palácio do Governo para implementar o seu moto ‘Libertada a Pátria, Libertemos o Povo’.

Uma mensagem inspirada para reorientar a Nação e para reconquistar a unidade de todos os Veteranos da guerra da libertação, especialmente os das Falintil – os seus homens, os que ele dirigiu durante a Luta de Libertação Nacional. E, através desta mensagem inspiradora, Xanana Gusmão inicia o processo de recuparação da confiança do povo nas instituições do Estado, incluindo a confiança no próprio Governo, confiança esta que é imprescendível garantia da legitimidade de qualquer governo democrático no mundo.

‘Libertada a Pátria, Libertemos o Povo’ substitui “Resistir é Vencer” e “A Luta Continua em Todas as Frentes”. Logo nos primeiros meses de governação, esta nova mensagem ecoou no espírito dos Veteranos, avivou-lhes na mente a certeza sobre o papel que deverão assumir agora nesta fase de pós-conflito e influenciar todo o processo de desenvolvimento nacional a longo prazo.

O Programa do IV Governo Constitucional, apresentado pelo Primeiro-Ministro Xanana Gusmão no Parlamento Nacional e endossado com um voto de confiança, foi reconhecido por muitos Veteranos como um programa do ‘mato’, o programa que, no mato, ‘quando não disparávamos contra o inimigo, juntávamo-nos para discutir o futuro’.
Os guerrilheiros também sonhavam com toda a dignidade de verdadeiros libertadores da nossa nação. E sonham; sonham em como será possível ainda na sua vida, ver um país onde todos os cidadãos não choram por se sentirem vítimas da independência, mas reclamam os seus direitos porque o país está preparado para lhes garantir condições de vida condignas e o governo ajudou-os a prepararem-se para dar a sua devida contribuição ao processo de desenvolvimento nacional.

Kay Rala Xanana Gusmão, também, é um homen que sempre sonhou com a independência e conseguiu torná-la realidade. Na era da independência, sonhou com a estabilidade nacional e conseguiu estabilizar o país; sonhou com umas FALINTIL-Forças da Defesa de Timor-Leste dignas e com umas forças policiais das PNTL mais unidas, mais motivadas e capazes, e conseguiu; sonhou com um país democrático multipartidarista, sem hegemonia de um partido, e conseguiu; sonhou com um Governo capaz de unir todas as componentes sociais e políticas, sem discriminação ideológica, e conseguiu; sonhou com um governo capaz de fazer uso dos recursos humanos existentes e outros mais a serem formados, e conseguiu; sonhou com um governo capaz de escutar a hierarquia da Igreja católica e de trabalhar em parcearia, sem prejuízo de todas as outras igrejas e conseguiu; sonhou com Veteranos da guerra a viverem os seus últimos anos com dignidade e esperança, e conseguiu; sonhou que os sacrifícios de todo um povo pela sua libertação nacional não resultaria em regnicídio, e conseguiu; sonhou com as viúvas e órfãos da guerra a terem condições de vida condignas, e conseguiu.

Os sonhos de Xanana permitiram um sucesso sem precedente na tentativa de resolver o atentado de 11 de Fevereiro de 2008. Numa democracia com instituições frágeis, dividida e desmoralizada, os sonhos de Xanana conseguiram assegurar a sobrevivência do nosso Estado jovem. Todos os passos dados para assegurar o Estado foram realizados de acordo com os quadros legais apropriados.

Poderá dizer-se que tudo, todas estas vitórias, são passos pequenos porque tudo quanto se edifica com tanto sacrifício poderá ser destruído amanhã, se as instituições do Estado o permitirem e se a liderança não estiver clara sobre os seus sonhos para o futuro do nosso povo.

Mas os sonhos de Xanana continuam. Passo-a-passo e, com certeza, os seus sonhos vão-se tornando realidade, porque não são apenas seus: são os sonhos de todo um Povo. Por isso, a longo prazo, será possível consolidar.

O Povo de Timor-Leste regozija-se por ter um líder sonhador, um homem cujos sonhos constituem a pedra filosofal que está a transformar um Estado de pós-conflito num Estado mais desenvolvido, com as instituições democráticas funcionais, com uma economia vigorizada e sustentável.

Faz-me lembrar do pouco conhecido Bernardo Soares, um dos heterónimos do escritor Fernando Pessoa, que na sua obra ‘O Livro do Desassossego’, reitera que “O Sonhador é que é o homem de acção” porque “Só o que sonhamos é o que verdadeiramente somos, porque o mais, por estar realizado, pretence ao mundo e a toda a gente”.

Os Novos Heróis
Xanana Gusmão sonha com os novos heróis. Para ele, novos heróis são todos os Timorenses que possuem ideias para edificar um Estado Democrático, saudável e multipartidário, soberano e desenvolvido; mas não basta só ter ideias, devem também deter a capacidade de transformarem as suas ideias em realidade, para o benefício do nosso povo.

Sonhando, o Governo liderado por Xanana Gusmão vai realizando; já enviou para o estrangeiro centenas de Timorenses para estudarem, para se formarem, aprenderem com outros povos e países, tudo quanto for útil e necessário para ajudar a construir o nosso país, um país edificado com o sangue e sacrifício de milhares de combatentes - homens e mulheres, jovens e crianças, mas que ainda com a necessidade premente de mais sacrifícios de todos os timorenses para o tornar viável, como um país que espelha a riquíssima história do nosso povo.

Xanana: o prisioneiro da liberdade
Quando Xanana Gusmão foi capturado a 22 de Novembro de 1992, o inimigo vangloriou-se de um acto heróico. Mas o grande discípulo de Xanana Gusmão, comandante guerilheiro Nino Konis Santana, tentando elevar o moral dos seus guerrilheiros disse: se não o matam, então hoje é o início do fim da ocupação, o início da libertação total da nossa querida e mil vezes martirizada Pátria.

E Konis tinha razão. Um guerrilherio de corpo e alma, sabia que o acto heróico dos generais indonésios não passava mais do que de um acto efémero.

Das montanhas do seu país para as celas da Indonésia, passando por Semarang, Cipinang e Salemba, Xanana percorreu uma vida de guerrilha e de prisioneiro, mas nunca deixou de liderar com a visão de liberdade e independência; aceitando sacrifícios superhumanos, anos de prisioneiro da Indonésia, dos quais seis meses incomunicável, Xanana nunca deixou de sonhar. Os dias, horas, minutos e segundos nas masmorras do inimigo, Xanana transformou-os em momentos de ouro, não só para sonhar mais e melhor, mas também para enriquecer os seus sonhos, de conceber um país onde não haverá apenas uma lagoa de água com verduras cercando-a, mas sim, todo um país cheio de verduras, um povo saudável, feliz e próspero.

Na consciência de Xanana Gusmão pairam duas contradições. Uma, a de ter quebrado a promessa aos seus guerrilheiros de que após a libertação não iria ocupar nenhum posto; a outra, é a consciência do dever, dever de servir, dever de não deixar cair o que os seus guerrilherios alcançaram, muitos ele viu tombar, deram a vida para tornar realidade, uma realidade que assimila os sonhos de todo um povo.

O desejo de poder ser um espectador de uma nova etapa da luta pela soberania do seu povo, a da edificação de um Estado de direito democrático, cuja feitura a ser levado a cabo pelos doutores, não tem sido possível, porque a realidade política nacional impõe que Xanana deva continuar a remar neste barco ciclópico da esperança das crianças Timorenses de, um dia, poderem vir a ter condições de vida mais adequadas, uma vida mais feliz que a dos seus antepassados, digna de um povo e país moderno, inserido num mundo de globalização.

A promessa de não ocupar nenhum cargo político foi transformada pela realidade contemporânea e convertida em ‘Libertada a Pátria, Libertemos o Povo’.

Xanana continua a ser um prisioneiro, mas hoje é um prisioneiro da liberdade. As novas celas não são de parede e metal, mas é a sua própria consciência.
O sonho é, afinal, um comboio que viaja num processo político da própria libertação nacional!
Este comboio não possui estações nem faz paragens para Xanana poder sair.

Podemos, sabemos e devemos reformar

Os seus sonhos são a força deste processo; sonhos reflectidos na sua vida de guerrilheiro e em tudo o que tem escrito; na forma como ele tem liderado este povo e país, na forma como lidera este Governo e contribui para todas as instituições do Estado, rumo ao futuro. Para este orçamento, Xanana sonha em consolidar uma administração pública livre da interferência política partidária, estabelecer processos e mecanismos para combater a corrupção, melhorar a remuneração e reconhecer o mérito e a gestão do rendimento dos funcionários públicos e reformar o sistema orçamental e financeiro do Estado.

Interrogado sobre porquê necessita de mais um vice primeiro-ministro, Xanana responde com toda a honestidade: porque a máquina administrativa tem que ser corrigida e porque gestão, contabildade e finanças constitutem um problema transversal a todas as instituições do Estado; porque a burocracia é pesada e deve ser aliviada para acelerar o processo da reforma da gestão do Estado. Para Xanana Gusmão existe ainda a necessidade de ver como as orientações ministeriais poderão melhorar a execução da acção governativa e, porque a máquina administrativa é ainda a força electromotriz da Economia: podemos, sabemos e devemos reformar.

Talvez António Gedeão tivesse feito um bom trabalho se dissesse ao líder Timorense que minimiza os sonhos de Kay Rala Xanana Gusmão:

Tu não sabes, nem sonhas,
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

FIM!

*Este artigo foi publicado pelo Jornal Nacional Diario na sua edicao de hoje (23/01/2009) pag.4!

1 comentário:

  1. É O QUE EU DIGO, AQUELE HOMEM, O XANANA GUSMÃO É UM VERDADEIRO CAÇADOR DE SONHO PÁ!
    REALMENTE...
    AFINAL AQUELE EX-COMANDANTE EM CHEFE DAS FALINTIL, QUE AS VEZES PEGAVA NOS UTENSÍLIOS DA COZINHA E PREPARAVA COMIDA PARA ENGANAR A FOME A SI E SEUS HOMENS ENQUANTO OS SEUS HOMENS RELAXAVAM AS PERNAS QUANDO FAZIAM PAUSA, DEPOIS DE TER PERCORRIDOS OS REACHOS E RIBEIROS, MATAS E FLORESTAS, VALES E MONTANHAS, OS SONHOS DELE HOJE SÃO CONHECIDOS POR TODA GENTE E TÊM O ROSTO. É IMPRESSIONANTE NÃ É!? AINDA NOS ANOS 80 QUANDO OS GENERAIS DE JACARTA PEDIRAM-NO PARA SE RENDER COM OS SEUS GUERRILHEIROS EM TROCA DE UMA AUTONOMIA ESPECIAL PARA TIMOR-LESTE E PRETENDIAM XANANA COMO GOVERNADOR, INCRIVELMENTE KAY RALA XANANA GUSMÃO RESPONDIA E DIZIA AO GENERAIS QUE NÃO ERA A AUTONOMIA O SONHO DELE, O SONHO QUE O COMANDANTE EM CHEFE DAS FALINTIL TINHA ERA A INDEPENDÊNCIA TOTAL E COMPLETA, COISA QUE TORNOU-SE NA REALIDADE. E PARA ISSO O XANANA GUSMÃO ESTAVA DETERMINADO E PREFERIA LUTAR MAIS 100 ANOS SE FOR NECESSÁRIO DO QUE RENDER OU OUTRA OFERTA QUALQUER! PARA OS GENERAIS DE SOEHARTO O SONHO DO XANANA ERA UM SONHO SURREAL, SONHAR À LUZ DO DIA,OU MIMPI DI SIANG BOLONG COMO COSTUMA DIZER O GENERAL DE QUATRO ESTRELAS TRI SUTRISNO.
    POR ISSO, SONHAR COM OS IDEAIS É BOM. COM O SONHO FERTILIZA A ESPERANÇA.
    O DESESPERO VIVE SAUDÁVEL QUANDO A ESPERANÇA CHEGA TARDE MAS QUANDO A ESPERANÇA CHEGA O DESESPERO DESPEDE-SE.
    O SONHO TRAZ A ESPERANÇA. COM A ESPERANÇA QUE SE CONSTROI O MUNDO.
    "Tudo o que é construído no mundo, é construído pela esperança".(Martim Luther King)

    Vctor Tavares
    editor

    ResponderEliminar

Nota: só um membro deste blogue pode publicar um comentário.